Eleições, Koff e o twitter do Douglas

Se a eleição para a presidência e para o governo gaúcho já estão decididas segundo as insuspeitas e seríssimas pesquisas eleitorais, resta agora conferir a eleição para a renovação do conselho deliberativo do Grêmio.

A tendência é de que a oposição coloque mais nomes diante da fragilidade da situação a partir dos resultados de campo.

O presidente Duda Kroeff parece que não vai mesmo comparecer. Sem comentários.

Reina grande expectativa sobre a presença ou não do ex-presidente Fábio Koff. Dois anos atrás ele jogou todo seu peso na balança a favor de Duda Kroeff para impedir que o candidato de Paulo Odone, Antonio Martins, emplacasse.

Se Duda, o eleito por Koff não deve ir ao Olímpico, por que seu criador o faria?

Além disso, Koff poderia passar por algum constrangimento se for ao estádio pedir votos para a situação. É melhor mesmo se preservar. Se ele aparecer e anunciar que será candidato à presidência no final do ano, alguém vai acreditar?

Sim. Não tenho dúvida que sim. O torcedor gremista está como um desenganado, um sujeito com sentença de morte.

Assim, espera por um milagre, um Messias.

Mesmo que tudo indique que possa ser mais um blefe de Koff, que há dois anos prometeu atuar até no vestiário para ajudar o Grêmio e seu escolhido, o torcedor quer, o torcedor precisa acreditar que o dirigente que levou o clube a suas maiores conquistas está realmente disposto a voltar, abrindo mão de vultoso salário no Clube dos 13.

Portanto, se Koff anunciar sua candidatura, todos irão acreditar.

O torcedor de futebol é, acima de tudo, um crente.

SAIDEIRA

Já conhecia o twitter do Douglas, indicação do meu colega Fred, um gremista atento e ainda lúcido. Fred havia chamado atenção para uma frase de Douglas, coisa informal, em que ele manifestava vontade de um dia voltar ao Corinthians. Coisa boba, disparada num bate-papo descompromissado. A ZH esquentou a frase e fez uma página sobre isso. Falta de assunto?
Ontem, Douglas foi provocado pelo Elias, volante corintiano. Douglas havia escrito que fazia tratamento. Aí, Elias escreveu que Douglas estaria pipocando, uma brincadeira entre boleiros. Douglas retrucou que não é de amarelar: “Pipocando o que negão?”
Será que o Elias vai processar o Douglas pela expressão ‘racista’? Ou vai aparecer um delegado louco por holofote para dar voz de prisão ao jogador quando ele entrar em campo em SP?
Neste país do nunca antes em que as eleições são decididas por pesquisas cabotinas já não duvido de mais nada.
Ah, o endereço do cara: twitter.com/10doga.

O Falcão do Olímpico

Depois da quebra de sigilo de toda a família do Serra – há quem não veja mal algum nisso, principalmente porque a ação é contra o ‘inimigo’, esquecendo que mais adiante isso pode acontecer com os ‘seus’ ou a si próprio -, resolvi não me meter mais em política.

Quer dizer, já prometi isso antes, muito tempo atrás, depois do assassinato do prefeito de Santo André, o Celso Daniel, seguido de várias mortes de pessoas envolvidas com o caso, mas agora é pra valer.

Temia que iria respingar chumbo em mim. Não tenho patrimônio material, a não ser um carro popular, mas temo que devassem minha vida.

Podem descobrir, por exemplo, que andei passando minhas coisas mais valiosas para terceiros, laranjas. Uma maneira de ludibriar o fisco.

Meu filho mais novo, por exemplo, herdou meu time de botão, com mesa oficial e tudo. Não é pouca coisa, não. É um time de botão de galalite, não de acrílico.

Minha coleção do Pasquim, do número 1 até o 171, transferi para o nome do meu filho do meio.

Meus discos de vinil, ah meus discos de vinil, acompanhado do toca-discos, passei para a minha filha. Ela nem toca nisso – primeiro, porque ela prefere MP3 ou outra dessas modernidades; segundo, porque eu não deixo, legalmente é dela, mas só legalmente.

Minha máquina de escrever, uma velha Remington de guerra, deixei pra uma afilhada. Até hoje ela não entende bem pra que serve essa geringonça.

Para um sobrinho deixei um relógio Tissot, automático viu!, não precisa nem dar corda. Impressionante.

E por aí vai. Não tenho mais nada em meu nome, só o carro, mas tenho como justificar sua aquisição em 240 prestações, sem entrada.

Quero confessar que, na verdade, todas as outras coisas, sucata para alguns, estão comigo. São minhas, tenho o usufruto em vida, claro, porque em morte fica mais complicado.

Só não entreguei oficialmente, ainda, uma camisa do Baltazar, aquela do time campeão brasileiro de 1981.

Tem, ainda, uma foto minha, lá pelo meus dez anos, ao lado do Airton Ferreira da Silva, num jogo do Grêmio contra o Lajeadense, no estádio Florestal.

Enfim, são meus maiores valores materiais.

Desconfio que a devassa fiscal no governo do nunca antes (agora se vê que é do nunca antes mesmo) não se preocupe com essas coisas, mas nunca se sabe.

É melhor prevenir.

Como já escrevi antes, tem gente capaz de tudo – de tudo mesmo – para não largar o osso.

SAIDEIRA

Por falar em prevenção, não custa repetir que não me agrada o modo de pensar futebol do Renato Portaluppi (Renato Gaúcho é coisa dos cariocas). Ontem, ele armou um 4-2-4 desde o início do jogo. Antes, ele já havia revivido o esquema dos anos 60 durante um jogo, quase matando gremistas do coração. Agora, ele se superou.

O Grêmio venceu, e isso é o que importa num primeiro momento. Mas o campeonato é longo e nem sempre os adversários serão tão frágeis ofensivamente como o Atlético Goianiense, que ainda por cima jogou sem seu goleador.

Adilson foi soberbo, formidável. Me lembrou Falcão no início da carreira, tirando a bola e saindo com a cabeça erguida. Eu posso falar porque vi Falcão jogar mais de 50 vezes, inclusive no Interior, inclusive entregando a ele troféus de melhor em campo numa promoção da Caldas Jr. Dos anos 70.

Adilson, o Falcão do Grêmio. Em breve estará brilhando na Itália, e talvez seja eleito o novo Rei de Roma.

Sei que vou irritar gremistas e colorados, mas é isso mesmo.

Ah, gostei também do Douglas, mais participativo, até marcando

Maylson, um mistério no Grêmio

Maylson não chega a ser unanimidade, mas não pode ficar fora deste time do Grêmio. Não pode.

Titular da seleção sub-20 ao lado de Sandro, como segundo volante, Maylson tem condições de jogar tanto na segunda como na terceira função do meio de campo.

É um jogador moderno, que marca, arma e chega para concluir. Jogou poucas vezes, mas ainda é assim é um dos goleadores do time na temporada.

Sua ausência do time e até do banco é um mistério. Um crime lesa clube.

Desconfio que há algum tipo de interesse econômico. Um setorista da dupla Gre-Nal me disse que ele está fora porque vai mal nos treinos. É o que se comenta nos bastidores.

Um absurdo. Jogador que tem como seu forte a pegada, a disputa pela bola, dificilmente vai bem nos treinos.

Jogador firula, enfeitado, é craque nos treinos, e some nos jogos muitas vezes.
Dias desses, o Leandro Damião, após o programa Cadeira Cativa da Ulbra TV, do qual participo às segundas-feira (estou chamando ou afugentando audiência nesse dia), me revelou o seguinte:

– O professor Celso chegava pra mim nos treinos e dizia ‘e aí, tu é daquele tipo que arrebenta em treino e amarela em jogo?, vê lá, hein, não vai me deixar mal’. Aquilo mexia comigo, me deixava mordido, pronto pra jogar e mostrar pra ele que eu não sou apenas jogador de treino.

Damião mostrou isso rapidamente. É um jogador que vai longe no futebol. E estava por aí, dando sopa. O Inter foi lá, investiu uma mixaria e trouxe o jogador para testes.
Quando alguém quiser entender realmente por que o Inter está tão superior já há alguns anos pode começar por aí: a garimpagem de talentos com competência.

Foi assim com Giuliano, Pato e continua. Agora, o Inter traz Moisés, jovem revelação do futebol paraense. Pagou 300 mil reais e pode ficar com 70 por cento do passe, ou algo parecido.

Alguém lembra quem o Grêmio trouxe dessa maneira recentemente? Só um nome me vem a cabeça, o Mário Fernandes, mas assim trazido pelo Jorge Machado. Não é dica de algum olheiro.

Mas voltando ao Maylson: não tem explicação ele ficar de fora para jogar o Gilson, que, aliás, está sendo torrado e moído antes mesmo de estrear na posição para a qual foi contratado, a lateral – esquerda.

Pelo atual grupo de jogadores do Grêmio, repito, pelo atual grupo, o Maylson é titular, titularíssimo.

Assim como ele, o Victor, o Adilson e o Jonas. Num segundo plano, mas também titulares: Wilson, Rafael Marques, Neuton (como lateral-esquerdo ou no esquema de três zagueiros), Fábio Rochemback, Willian Magrão e Borges.

Na lateral-direita ainda não estou muito convencido em relação ao Gabriel. Até agora não mostrou grande coisa.

Como quarto homem de meio-campo, Douglas. Seguido de perto por Souza e Leandro. Dois desse trio só podem estar juntos no time por alguma circunstância de jogo.

Sei que muitos irão discordar, mas é assim que eu penso.

SAIDEIRA

A cogitação dE Koff para a presidência foi mesmo, pelo jeito, apenas uma jogada para esvaziar o evento que lançou Odone, semana passada.
Tem agora uma pesquisa do clicrbs apontando disputa parelha entre Koff e Odone para a presidência. Entre um ótimo que não quer a presidência, e outro bom que quer, a torcida está optando pelo segundo.

Fábio Koff foi o último presidente realmente competente que o Grêmio teve. Nem ele, porém, foi capaz de organizar o clube para o futuro, de montar, por exemplo, uma rede de olheiros pelo Brasil, a exemplo do que fez o Inter com resultados excelentes.

Bem, vamos aguardar se Koff não vai mesmo entrar nessa briga.

Se não o fizer, vai pegar mal aparecer no Olímpico pedindo voto para o candidato da hora para enfrentar Odone.

Renato e os deuses do futebol

Renato é um inventor. Insistir com Gilson no meio de campo depois do fracasso que foi contra o Atlético Paranaense é um absurdo. Quando vi Gilson no time, com Maylson fora, fiquei perplexo.

O Grêmio vai perder de cinco, pensei, assustado também com a presença de Lúcio desde o início, ele que estava fora há meses. Lúcio até me surpreendeu.

Em 25 minutos estava 2 a 0 (no primeiro gol tinha três botafoguenses pra cabecear e nenhum defensor do Grêmio. No segundo, Herrera entrou passeando na área.

Renato tentou corrigir sua mancada. Colocou Roberson no lugar de Gilson. Levei outro susto. O Grêmio ficou, então, com um 4-2-4.

Roberson entrou bem, agitou bastante.

Aí, Jonas achou um gol, numa bola que reboteou nas pernas de Leandro Guerreiro (velho ‘idolo’ colorado.

Bem, o Grêmio terminou com quatro atacantes. Perdido por 2 a 1, perdido por 3 a 1, não faz diferença. O Botafogo poderia ter ampliado, mas os deuses do futebol olharam para o grande ídolo gremista mais uma vez.

Jonas, sempre ele, empatou.

O time teve alguns destaques: Jonas, F. Rochemback, Wilson e Adilson, este um herói sozinho na marcação no meio de campo. Merece medalha.

Para quem perdia por 2 a 0, buscar o empate é quase uma vitória.

É preciso, porém, não esquecer o que aconteceu, como esse empate foi obtido.

Estou firmando uma convicção. É com muito pesar que estou concluindo que Renato não serve, não vai durar.

Silas é mau treinador, além de disciplinador ridículo, ao menos no Grêmio.

Renato aparentemente acertou as coisas no vestiário, mas lamentavelmente, pelo que tenho visto até agora, ele não sabe o que está fazendo.

Nem sei se ele é treinador de futebol.

Não sei como ele conseguiu levar o Fluminense ao título da Copa do brasil e ao vice da Libertadores. Eu me amparava nesse trabalho para defender sua contratação, mas agora, vendo o que ele comete assim de perto, estou assustado.

Jonas salvou contra o pobre Guarani. Jonas salvou hoje.

Os deuses de futebol não irão salvar Renato, e o Grêmio, sempre.

Odone, Koff e a hora de voltar

Até agora só existe um vencedor a partir do processo eleitoral do Grêmio: o sr Paulo Odone.

Ninguém pode ter dúvida que o ex-presidente gremista inflou sua candidatura a deputado ao ocupar generosos espaços na mídia com o lançamento de seu nome para presidente o clube mais uma vez.

É díficil calcular, mas Odone deve ter amealhado alguns milhares de votos com esse ato aparentemente apenas político-esportivo.

Para boa parte dos gremistas, saber que Odone está disposto a retornar, ao contrário de outros dirigentes vencedores do passado, é um alento.

A candidatura de Odone vai virar pó – a da presidência do Grêmio – se o sr. Fabio Koff aceitar concorrer, o que seria o ideal para o Grêmio, que precisa não apenas de um presidente, mas de um líder capaz de unir as diversas correntes do clube, ou a maior parte delas.

Odone, apesar de também ser um sujeito carismático, não seria esse nome. Ele tem condições de encontrar soluções imediatistas, mas o Grêmio precisa mais, muito mais.

É o momento de ajeitar a casa para reagir a avalanche vermelha, mas é hora também de reestruturar o clube de uma maneira tal que ele não dependa mais de nomes com tradição de vitórias, gente que nem sempre se encontra disponível.

É preciso montar algo como aquele time armado pelo técnico Tite, última vez que o Grêmio ganhou um campeonato nacional, em que saía uma peça e entrava outra sem alterar a mecânica de jogo, sem afetar o rendimento do time. Mais ou menos como é o Inter hoje.

Koff teve seu nome lançado para presidir o Grêmio de novo. Pode ter sido um factóide, o que é muito provável, mas seria muito bom se fosse verdade.

O sr. Fábio Koff já deu muito de si para ajudar o Grêmio. Mas ele não pode esquecer que foi o Grêmio quem lhe abriu as portas do Clube dos 13.

Quem sabe não chegou a hora de retribuir?

Afinal, 15 anos de Clube dos 13 já é o suficiente, ou não?

SAIDEIRA

O caso envolvendo desvio de recursos via marketing do Banrisul segue os passos do escândalo maior, o do mensalão. Aquele pessoal fez escola. Deixou bons alunos por aí. E tudo é resultado de apenas uma coisa, conforme tenho repetido:

Impunidade.

Vai acontecer alguma coisa também com os mandantes de quebras de sigilo de gente do PSDB e até seus familiares? É muita nojeira.

Até a eleição mais água suja e fétida vai rolar.

Tranquem os narizes.

A eleição no Grêmio e os factóides

Há uns dois meses escrevi que assim como o PT faria de tudo – a quebra de sigilo fiscal, por coincidência, acontece apenas contra seus adversários – para continuar no poder, a atual gestão do Inter também não pouparia esforços para seguir no comando do clube.

A direção colorada já atingiu seu objetivo ao conquistar o bi da Libertadores. Portanto, está com o burro na sombra.

Já o PT segue na luta. Eu não acredito nessas pesquisas até porque não conheço ninguém que tenha sido consultado. Soube que o percentual de gente do Norte e do Nordeste que teria sido ouvida é exagerado em relação a áreas de muito maior densidade populacional, o que explicaria muita coisa. Então, ainda vem muito chumbo grosso por aí.

No Grêmio o jogo não é tão pesado, mas, pelo que tenho visto, pescoço logo, logo vai virar canela.

Existe um movimento forte da situação para não entregar o comando do clube ao ex-presidente Paulo Odone.

Na eleição passada, as maiores forças se uniram para detonar o candidato lançado por Odone. Fábio Koff se fardou, entrou em campo e decidiu a favor do atual presidente, Duda Kroeff. O presidente do Clube dos 13 chegou a prometer no pátio do Olímpico no dia da eleição, entre um aperto de mão e outro, que iria para o vestiário ajudar Duda. Um exagero retórico, claro, mas que decidiu a eleição.

Agora, a situação acena com a possibilidade de Koff largar a presidência do Clube dos 13, onde recebe uma remuneração compatível com a importância do cargo.

Por enquanto, de concreto, só o nome Fábio Koff Júnior está na luta, encabeçando a lista de um grupo na eleição do Conselho Deliberativo.

Gente de peso estaria mobilizada para convencer Koff, o pai, a candidatar-se à presidência.

Na minha opinião, é apenas um factóide político visando a eleição para o CD. O Interessante é que a notícia surge na véspera do lançamento de Odone – em plena disputa para deputado – à presidência.

A cada dois anos, Koff é assediado para voltar. Seria ótimo se ele assumisse o timão dessa nau desgovernada já há muito tempo. Na verdade, hoje, vejo apenas Fábio Koff em condições de ajeitar o Grêmio.

Torço para que ele volte, mas desconfio que isso não irá acontecer, até porque ele acabou de ser reeleito numa disputa pesada contra o grupo de Ricardo Teixeira. Alguns presidentes de clube se queimaram com a CBF para apoiar Koff.

Portanto, só um fato novo, algo muito forte, pode fazer Fábio Koff deixar o Clube dos 13.

O fato novo pode ser a notícia abaixo:

‘Globo e Clubes dos 13 deverão ter dor de cabeça nos próximos dias. Pelo menos é o que garante a coluna do jornalista Lauro Jardim no site da revista “Veja”.

Segundo a publicação, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) vai julgar a emissora e a entidade cometeram crime contra a concorrência nos contratos firmados para os Campeonatos Brasileiros de 1997 e de 2005.

O Ministério Público teria pedido ao Cade a proibição de cláusulas de preferência nos contratos, que dariam para a Globo trinta dias para cobrir proposta de qualquer concorrente.

Caso o Cade aceite a denuncia do Ministério Público, Globo e Clube dos 13 poderão sofrer com multas milionárias.’

Raios de sol entre nuvens sombrias

Ainda é cedo para soltar foguetes, mas sei que Renato Portaluppi está conseguindo colocar ordem na casa.

Quem diria, o festeiro Renato virou um disciplinador. Quem acompanha de perto o trabalho dele sabe que Renato tem autoridade, sem ser autoritário. Ele fala a linguagem dos boleiros e ninguém melhor do que ele próprio para identificar os malandros, aqueles que pensam que são isssspertos.

Renato sabe como lidar com essa gente que ainda sobrevive nesse futebol cada mais profissional, no qual só tem futuro aqueles jogadores sérios, compenetrados, aplicados nos treinos e com vida regrada fora de campo.

O Renato dos anos 80 teria problemas hoje.

Mas o importante é que percebo raios de sol entre nuvens sombrias. Confio nas informações que recebi sobre como era e como está a situação no vestiário.

E mais firmo a convicção de que Silas demorou a sair. Ele e o sr Meira.

Sei que havia jogador fumando no intervalo dos jogos. Na cara dos comandantes. Isso acabou.

Hugo tentou escalar o time, sugerindo e descartando nomes. Não está mais no Olímpico, para onde jamais deveria ter retornado. Contribuiu apenas para inflacionar a folha de pagamento.

Acabou o dízimo para a igreja.

Agora, com Renato, ajoelhou tem que rezar.

Só espero que Renato se convença de uma vez por todas que é preciso robustecer o meio de campo. Três volantes e um meia apenas. Esta é a fórmula. Se não tiver um meia com disposição, que se escale quatro volantes. Nunca, mas nunca mesmo dois meias, dois articuladores que pouco articulam e não marcam.

SAIDEIRA

Soube que Renato não assistiu ao jogo do time B contra a Sapucaiense, hoje à tarde. O Grêmio venceu por 1 a 0, gol do Bergson. Ele poderia ter observado Pessali, um jovem meia que poderia começar a ser testado. Na zaga, Saimon e Brock, dois ótimos zagueiros. E por aí vai.

Renato teve de comandar o treino dos reservas. Uma pena. Pelo menos designou seu auxiliar para conferir o time B. Espero que o técnico tenha tempo para ver de perto essa gurizada.

Renato arma time faceiro

Confirmada a escalação com dois volantes e dois meias no meio de campo, minha previsão é de que o Grêmio vai perder outra, e talvez até de goleada.

É um meio de campo faceiro. F. Rochemback há muito tempo deixou de ser um jogador de marcação forte, de pegada, tanto que raramente suja o calção.

Gilson estreia. Foi contratado como lateral. Dizem que quebra o galho também no meio. Por que não o garoto Fernando, ou Adilson, que está voltando? Gilson poderia ser um terceiro jogador de marcação, saindo Souza ou Douglas.

Renato, porém, quer os dois meias, além de dois atacantes. É pouca gente marcando num jogo fora de casa e contra um adversário que sempre complica, ainda mais jogando em sua casa.

Então, temo o pior.

E mais: Renato imita Silas no pior que Silas fez, que é justamente insistir num time com dois meias, ainda mais meias que não sabem e, no caso de Douglas, não gostam muito de marcar.

Bem, começou o jogo. Rezemos.

FINAL DE JOGO

Renato corrigiu parcialmente seu erro no intervalo, ao colocar Adilson no lugar de Gilson. O meio-campo ganhou um volante mais combativo. Gilson em todas as bolas que recebeu para fazer jogada ofensiva foi mal. Na marcação, pouco acrescentou. O meio-campo ficou vulnerável, conforme eu previ e qualquer um podia imaginar.

Com Douglas e Souza o time jogou quase num 4-2-4, com momentos de 4-3-3, já que Souza jogou quase como um ponta direita. Jogou é modo de dizer, porque ele pouco fez.

Gostei do FR, apesar de sua falha no gol. Acho que dá para acertar o time com ele de segundo ou terceiro homem de meio campo, saindo um dos ‘articuladores’ que nada ou quase nada articulam. Deixa-se de ter um articulador precário para ganhar mais combatividade e força no meio-campo, com três volantes.

O resultado acabou sendo justo, e bom. Empatar com o Atlético na Arena não é fácil.

Agora, minha preocupação aumentou, principalmente depois que Renato, no vestiário, sinalizou que gosta de jogar com dois meias de criação. Não vejo nada mais anacrônico no futebol do que jogar com dois meias, em especial dois meias que não marcam. Mais ultrapassado só o 4-2-4. Ou dois pontas.

Em função desse conceito equivocado, por exemplo, Maylson sequer ficou no banco, perdendo lugar para Leandro. Está bem, ele acertou o cruzamento e deu alguns passes, mas é visível que se tornou um burocrata da bola, sem compromisso com o jogo, ao contrário de Maylson, que não é um virtuose, mas é aplicado, marca e ataca. E não toca a bola pro lado e pra trás.

Assim, diante do que é posto no momento pelo Renato, o Grêmio vai penar até o final. Infelizmente, Renato segue os passos de Silas e mostra sua preferência por um time com dois meias.

Renato deveria imitar, por exemplo, o Roth, que não abre mão de três volantes e ainda tem um meia articulador, D’Ale, que dá combate e se entrega para o time.

O filmezinho colorado

Está aí uma guerra que promete não ter fim.

Depois de receber a parabenização do Grêmio por seu o segundo clube do RS a conquistar o bi da Libertadores (um anúncio que seguiu o padrão de anúncio anterior do Inter também provocativo), o Inter ataca agora com um vídeo, que já está disponível no site colorado e será veiculado em rede nacional (sobra dinheiro no Beira-Rio!).

O filme mostra mostra torcedores de vários times (não identificados). A referência ao Grêmio, sutil como um elefante numa loja de cristal, é a seguinte: ”Paulo, 14 anos. Nunca viu seu time ganhar uma Libertadores.” Vestido de azul e preto, o adolescente aparece sentado em uma escadaria com o semblante triste. Para finalizar, a sequência do vídeo mostra um garotinho e a frase: “Luizinho, quatro anos. Já viu seu time ganhar a Libertadores duas vezes.”

Está aí um negócio inteligente, brincalhão e provocativo. Quem está por cima agora é o Inter, e está no seu direito revidar mais de duas décadas de expectativa de um título do porte da Libertadores. O Grêmio foi campeão em 1983, e o Inter chegou lá somente 23 anos depois.

Na redação do CP conheci jovens colorados que só viram o Inter vencer uma Libertadores depois de formados em jornalismo. É triste, sei que doeu muito. Não fosse assim, o Inter não faria esse tipo de filme, que, além de bem-humorado, reflete uma dor profunda que nunca será realmente curada.

Afinal, por bem ou por mal, aconteça o que acontecer, os gremista sempre poderão dizer:

– A primeira Libertadores conquista pelo futebol gaúcho pertence ao Grêmio.

Agora, isso serve apenas para provocações e brincadeiras, porque o que realmente importa é o presente. E aí…

SAIDEIRA

Vamos ver o que dirão agora os colorados que tanto criticaram a propaganda do Grêmio dias atrás.

Como diz o Lauro Quadros, a banca paga e recebe.

O estranho poder de Alfredo Possas

A Inter de Milão começou a tremer. A onda vermelha emanada do Sul do Brasil cruzou o Atlântico e assustou o time italiano, que até pouco tempo era imbatível, exemplo de futebol moderno, de marcação forte, velocidade, etc.

cantado em prosa e verso, a Inter caiu diante do Atlético de Madrid, que nem é lá essas coisas, e perdeu a supercopa da Europal. Quer dizer, começou a cair. Quando chegar o dia da decisão contra o Inter será um leão transformado num gatinho.

Já escrevi aqui, faz um mês: nada nem ninguém segura o Inter. Tudo dá certo no Beira-Rio. Escrevi que o Inter seria campeão da Libertadores, do Brasileirão e do Mundial. E continuo convencido disso.

Vou ainda mais longe: essa onda vermelha não será interrompida tão cedo, confirmando tudo o que meu astrólogo previu cinco anos atrás. Parte do que ele previu está publicada no CP, mas a maior parte está na minha caixa de email (qualquer hora eu volto ao assunto).

Agora, isso não significa que o Grêmio siga em seu martírio, embora tudo indique que a situação no Olímpico não irá melhorar tão cedo.

Se as contratações que estão chegando e Renato acertar a mão, tudo pode mudar. Mas não creio numa mudança radical de rumo. Infelizmente, a tendência é de que o melhor que o time pode conseguir ainda é uma vaga na sul-americana, o que a meu ver nada significa, é só ver como o time foi eliminado da competição recentemente.

Então, já será motivo de festa continuar na série A. Quem sabe alguém não faz um DVD sobre a arte de como não se deve administrar um grande clube de futebol?

Soube que a direção tentou negociar Leandro Dodói. Ninguém se interessa por ele. Os dirigentes responsáveis por essa contratação não deveria ser chamados a dar explicação? Ou esse jogador só passou a sentir lesão quando desembarcou em Porto Alegre?

O que faz o conselho administrativo? Se o presidente não corresponde às expectativas, não é hora de uma ação mais firme dos companheiros de diretoria?
Bem, isso era para ter sido feito antes, muito antes.

SAIDEIRA

O Ganso vai ficar fora seis meses. Tempos atrás escrevi do estranho poder que meu ex-colega do CP, Alfredo Possas, possui. Quando ele ‘seca’ um jogador ou um time, sai da frente. Foi assim com o SÃo Caetano, odiado pelo Possas. Aí, morreu aquele zagueiro em pleno jogo. Depois, o time revelou um ótimo centroavante, goleador. Possas botou tanto olho grande que o cara foi considerado inválido por causa de um problema de coração. Esqueci o nome dele.

O exemplo mais recente é o Santos. Ele odeia o Santos e seus garotos. Ganso já sucumbiu. Tenho pena do que possa acontecer com o Neymar, que considera ‘exibidinho’, ‘pi´poqueiro’, mascarado, etc