Goleada de 5 a 1 confirma evolução do Grêmio

Ali pela metade do primeiro tempo, quando se tocou de que era o dono da casa, não o visitante, o Grêmio passou a impor-se ao Operário, chegando ao placar de 5 a 1, o mais retumbante dessa sua campanha morna na série B, praticamente confirmando sua classificação.

Antes de começar a empilhar gols no seu ex-goleiro, Vanderlei, que até fez algumas defesas difíceis, o Grêmio sofreu um pouco. Burocrático e distraído, o time foi dominado até os 25 minutos mais ou menos. Esperava, talvez, que os gols viriam ao natural.

O fato é que os gols vieram, começando com o de Campaz, que vem subindo de produção, mas a meu ver ainda insuficiente – projetando 2023 – para a função que desempenha. Foi um golaço, um chute forte após lançamento de Diego Souza, passando por Guilherme (outro que jogou bem).

DS desta vez se destacou também como meia que pifa os companheiros. Aliás, DS é talvez a melhor contratação do clube nos últimos dez anos, especialmente se levarmos em conta a relação custo/benefício.

Tudo a respeito do jogo já foi dito nos comentários. Por isso, vou ficar por aqui. Mas antes destaco o trabalho do Roger Machado, cheio de altos e baixos, mas é assim que se constrói um time vitorioso.

Torcendo, então, para que Roger continue nessa linha e comece a montar um time em condições de ir bem na série A, que é o lugar do Grêmio.

Grêmio vence fora de casa depois de 100 dias e dorme vice-líder

De rodada em rodada, o Grêmio vai comprovando que tem o melhor grupo da série B. Nesta noite de sexta-feira, em Campinas, venceu seu segundo jogo longe da Arena e avançou mais uma casa no tabuleiro rumo à liderança. Hoje, é segundo colocado.

Foram 100 dias sem vitória fora de casa.

Vejo muita gente indignada nas redes sociais, criticando o técnico Roger Machado por não aproveitar os dez dias de ‘folga’ para ajustar melhor o time. Realmente, o futebol do time segue preocupante.

Eu, por exemplo, via o jogo se encaminhando para um novo empate. O Grêmio vencia por 1 a 0, gol do Villasanti, o melhor em campo ao lado do goleiro Brenno, e não criava jogadas no ataque. Pensei, ‘daqui a pouco eles vão lá e fazem de cabeça’. Muita gente pensou o mesmo pelo que vi, mas aos 29 do segundo tempo Biel ampliou depois de receber um passe preciso de Guilherme. Com os 2 a 0, fiquei mais tranquilo. Mas o gol de cabeça aconteceu de novo, e no finalzinho.

Sobre Guilherme, jogou como um segundo lateral-esquerdo. Penso que Roger deveria criar condições para que Guilherme receba a bola em condições de fazer um ‘mano a mano’ com o lateral. Vale o mesmo para o lado direito. Se ele não sabe como fazer isso, que pergunte para o Renato, especialista em formar atacantes de flanco.

Agora, não espero grande coisa do Guilherme. Mas com certeza vai ser útil na campanha em busca da classificação à série A. Penso o mesmo em relação a Thaciano. Os dois são jogadores médios, tipo nota 7. Mas é o que se consegue à esta altura.

Repito, o grupo gremista é suficiente para subir, e até para disputar o primeiro lugar com o Cruzeiro, que só está na liderança por ter feito uma arrancada sólida e vitoriosa, muito com ajuda de arbitragens.

Espero que Lucas Leiva acrescente mais. Ele está se readaptando ao futebol brasileiro. Tem potencial para apresentar mais. Tem um detalhe, com ele no meio de campo o paraguaio Villasanti cresceu, ficou mais confiante e manteve a pegada forte no meio.

Resta esperar que Roger Machado acerte a marcação da bola aérea (ainda bem que não sou cardíaco), acerte mais nas substituições (Campaz, por exemplo, estava bem e deveria continuar em campo) e arme um time mais corajoso e criativo em termos ofensivos.

Bem, o principal Roger Machado praticamente já alcançou. O que vier agora é lucro. Mas o time poderia apresentar um futebol melhor. O atual é triste.