Saio do estado de torpor que me domina e me afasta do blog para comentar rapidamente a experiência interessante que vivi neste domingo, ao rever, depois de tantos anos, a vitória por 2 a 1 sobre o Hamburgo em Tóquio.
É inevitável. Não é raro a gente deparar com pessoas que por uma razão ou outra acabam, em algum momento, nos decepcionando. E isso ocorre em várias atividades. No futebol, então, as decepções são comuns. Mas nada que me tire
Muita gente aproveitando a quarentena para propor que cada um forme sua melhor equipe gremista e algo parecido. Confesso que tenho enorme dificuldade para formar apenas uma seleção do Grêmio juntando jogadores de épocas diferentes. Começo escrevendo sem saber qual
O presidente, em reunião com seu colegiado, na semana passada, anunciou que estava fazendo o desligamento de um dos principais integrantes da equipe, mesmo contrariando a vontade do Treinador. Era um processo de fritura que já vinha há meses. Todos
Este seria o título de algo que eu fosse escrever dentro de alguns anos sobre a vida durante a epidemia. Ele resume como me sinto e como estou, perdido nas horas, nos dias, com dificuldade de adaptação a uma vida
Não levo jeito para jornalismo social, mas pelo que tenho visto nos espaços esportivos (leia-se futebol) é o que nos resta. Fora isso, tem notícias ecoantes como ‘Cria do Boca contratado pelo Inter’, a ‘ascensão que o coronavirus interrompeu no
O técnico Renato Portaluppi atendeu o clamor de uma parcela – minoritária mas atuante e insistente – da torcida, e escalou o time com Éverton, por óbvio, e Pepê, mantendo um centroavante, no caso Luciano. Com isso, ficou um clarão
O primeiro Grenal pela Libertadores foi uma síntese de tudo, ou quase tudo, que aconteceu no clássico desde 1909, quando o Grêmio aplicou 10 a 0 nesse que viria a ser seu maior rival no Estado. Na realidade, faltou o
Vamos ao que interessa: o Grenal de quinta-feira, na Arena, o primeiro pela Libertadores. Até já poderia ter ocorrido um ou outro confronto, mas não foi possível por falta de competência do rival. O Grêmio tem muito mais participações em
A sacada do histórico prédio do Correio do Povo, aquela de frente para a Rua da Praia, foi cenário de alguns episódios que de vez em quando eu recordo saudoso de um tempo que não volta mais, a não ser

8 comentários em “O título mundial de 1983 visto 37 anos depois”

  1. hahaha Ilgo, sabes que em determinado momento do jogo, eu também dei uns gritos aqui em casa. Aí minha filha veio do quarto e perguntou. Pai, esse jogo é hoje? hahahahahahah
    Olhando novamente o jogo (na época tinha 10 anos, e depois, revi uma parte dele no youtube, mas não com a atenção de ontem), realmente, o Renato desequilibrou muito, como pouco se vê hoje em dia em um jogo. O Mário Sérgio era craque. Tivemos muitos erros de passe, isso prejudicou muito. Parecia que estavam desentrosados. Talvez a mecânica do time não estava acostumada a jogar com 2 números 10. Falando em 10, o Caju foi o vigário do jogo, foi a passeio pra Tókio.
    Talvez o time ficasse mais equilibrado com somente o Mario Sergio centralizado, e o Renato, Caio e Tarciso na frente, como jogaram a libertadores, só com o Tita no lugar do Mário.

    Aproveitando, ontem durante o jogo, lembrei da 1983. Estás produzindo? Grande abraço.
    Ah, e falando em penalti, os deuses do futebol ainda irão recompensar aquele penal no Ramirinho em 2017.

    1. Conrado, feliz em saber que não fui só eu que torci durante a reprise, rsrs
      Concordo , o Caju não jogou bem, pouco acrescentou.
      Mas não acho que Caio poderia ser titular. Os primeiros lances dele no jogo foram lamentáveis.
      Depois teve aquele cabeceio e um gol perdido, naquele chute sobre a goleira.
      Pena que o Tita foi embora após a Libertadores.
      Sobre a 1983, parei de produzir, mas qualquer hora eu volto. Vamos ver.

  2. O que mais me impressionou foi que, o jogo estando 2×1, e faltando pouco mais de 5 minutos para o término da prorrogação, em momento algum os jogadores do Grêmio valorizavam a posse de bola, era o Mazaropi impedindo ela de sair pela linha de fundo, o Paulo César cobrando rápido a lateral e o Caio e Renato mandando ver no ataque em direção ao gol ao invés de segurar a bola. Outros tempos!

    1. Jaime, realmente, o Grêmio foi um time de futebol vertical, sem um camisa 9 e com muita movimentação. Deu gosto ver o Renato voltando pra marcar.
      Hoje ele pode mostrar o vídeo aos novatos e dizer que desde aquele tempo todos marcavam.
      E ele jogava muito.

  3. Não costumo olhar jogos antigos,mas abri a exceção pra ver o time de 83. O Ilgo já disse tudo que eu acho, mas falar do Renato e sua força decisiva,nunca é demais. Que jogador!! Hoje, se alguém está com cãimbras, sai do jogo, cheio de mimimis, mas o que o Renato fez?? Voltou e ainda fez o gol da vitória. Grande Mario Sergio e grande Renato!! Só por esse jogo já valeria a estátua…

    1. Só revi esse jogo porque a Anne me alertou que ele passaria na RBS. Grato, Anne. Só discordo sobre o MS, não acho que ele tenha jogado tanto assim. Pra mim ele ficou no nível dos demais, um nível até bem alto pra todos

      1. Concordo com a Anne em relação ao Mario Sergio, acho que depois do Renato foi o que mais produziu. PC Caju não apareceu para o jogo. Se drstaca mais pelas declarações polêmicas. Caio perdeu aquele gol incrivel no final. O interessante foi ver que mesmo na prorrogação o time acertou vários contra ataques, pecando no final é claro. Fazendo um link com a final da Libertadores, como Tita fez falta. O comentarista, meio secador falou tanto no desfalque do Kaltz para o Hamburgo. Faltou dizer que o se não existe, e se fosse por isto o Tita também fez falta para nós.

Deixe uma resposta