Mesmo mal, o Grêmio corre ‘sério risco’ de subir

Apesar de toda sua mediocridade técnica e tática, o Grêmio continua no pelotão de frente da segundona gaúcha, correndo o ‘sério risco’ de ainda classificar-se, mesmo com essa bolinha deprimente que o sr Roger Machado nos brinda a cada rodada.

A exemplo do que vem acontecendo, o tricolor empatou como poderia ter perdido, ou até vencido. Eram uns 15 minutos do primeiro tempo quando pensei, vendo aquele show de displicência e limitação técnica, que não era possível que os dirigentes não estejam vendo e que não tomem as devidas providências, ou seja, mudem o treinador.

O Grêmio é um time apático ao natural. De vez em quando alguém dá um carrinho e beija o sagrado emblema tricolor. Geronel já não sabe o que fazer sem Kannemann ao lado para implantar mais aguerrimento, contagiar o restante do time.

Outra coisa, nunca vi tanta inversão de bola mal executada num só jogo. Sem exagero, foram pelo menos meia dúzia de passes que foram diretamente para a lateral, ou linha de fundo.

O CSA largou na frente, aos 12 minutos, com um gol de cabeça. A partir daí o time gremista mostrou sinais vitais importantes, porque a impressão era de um time morto em campo, sem vontade, sem vibração, um time burocrático.

Até Roger deu sinais de vida o desmanchar, no intervalo, o esquema de 3 zagueiros. Em menos de 1 minuto de jogo, o gol de empate. Biel escapou pela esquerda e cruzou rasteiro para Janderson empatar.

Foi o único lance aproveitável da dupla.

Os dois times ainda criaram mais duas ou três chances de gol, muito mais por erros mútuos do que por acertos.

No momento, só vejo uma escapatória: a contratação de Lucas. Só ele pode ajudar a dar um padrão digno de jogo.

Fora isso, o sofrimento irá até o apito final da última rodada.

Paulo Diniz, morre um ídolo da minha juventude

Morreu Paulo Diniz. Foi assim, numa pequena frase de três palavras, que eu soube da morte desse compositor/cantor pernambucano, de 82 anos.

Para muitos é apenas mais que se foi, já preparando o repertório para grandes cantorias lá em cima. Para mim, e muita gente mais, o autor de Pingos de Amor e Um chopp pra Distrair representa muito.

Suas músicas iluminaram minha adolescência. Como esquecer as madrugadas regadas à cerveja e samba (uma mistura nem sempre gelada de Coca e cachaça)?

Houve um tempo, já adulto, que procurei por Paulo Diniz. Ainda não havia o google. Nunca descobri o seu paradeiro. Cheguei a imaginar que ele poderia estar morto. Mas não, ele foi acometido de uma doença incapacitante, como soube na notícia que li na internet.

Quem tiver tempo e interesse pode conhecer um pouco da obra desse artista que teve seu momento de glória e de reconhecimento.

Ah, não deixem de ouvir o poema Jose, de Drumond, musicado pelo Diniz. Sensacional:

“…e agora, José?”.

Ah, eu tenho José no nome.

Vejam:

https://www.vagalume.com.br/news/2022/06/22/paulo-diniz-sucesso-na-decada-de-70-morre-aos-82-anos.html

BRASILEIRO

Eu me preparava pra escrever sobre o Grêmio, mas tive de mudar o foco. Por um lado, triste e nostálgico; por outro, feliz por desviar do assunto futebol.

Mas amanhã eu volto, como vitória ou sem.

Gols de Diego Souza dão vitória ao Grêmio e Roger ganha nova sobrevida

TEXTO DO INTERINO DESTE ESPAÇO, O COPIÃO DE TUDO

Amigos, com vitória de 2×0 na fraca atuação do time “outra vez”, considerando que já percorremos 1/3 desta bagaça, e que a média do 4º lugar nos últimos 6 anos é de 62 pontos, estamos no ritmo, mas como diz o amigo Brand Halfed sabiamente, é mesmo assustador, e esta vitória nos põe no G4, mas mantém o Manuello Fantasma da torcida no cargo porque não era para nós estar passando por isso.

Como dói ver nosso tricolor jogar de um ano pra cá, bah.

É apenas e tão somente uma série B, e vejo que Grêmio, Vasco e Cruzeiro deveriam estar com 32, 34 pontos facilmente em vista do baixíssimo nível dos jogos “do resto” dos times na tabela do G5 até a ZR; meu Deus, como é difícil assistir jogos do Grêmio, imaginem “desse pobre resto” sem nenhum que desponte com bom futebol.

Temos a melhor defesa sim, zero gols nos seis últimos jogos, um nos últimos sete, ou apenas dois nos últimos oito, mas somos o 11º ataque do campeonato com uns 15 timecos, e nós estranhamente temos ainda o goleador da bagaça, incrível isso, e sendo assim …..

….. pra que jogar com três zagueiros, em casa, contra times tão ridículos, somente com dois no meio campo, sem um articulador, e o nosso maior fazedor de gols do século, goleador do time, da Arena e desse campeonato tão réba não recebe bolas em condições de finalizar porque o meio não cria, os atacantes de lado não aparecem, e quando se aproximam não dão assistências; as bolas na frente viajam sempre com balões, ou cruzamentos de faltas e escanteios, é pra cair “oku” da bunda.

PQP, precisamos de treinador de futebol, chega de amplitudes, pino de centro, alças de apoio, blocos de dentro, terço alto, anel de contorno, módulo versátil, rodeios de profundidade para manter nosso nível elevado nas engrenagens, mas …..

….. que engrenagens se nós estamos enferrujados, com inúmeras crostas, sem espátula de raspagem, sem óleo lubrificante nem graxa no almoxarifado pra fazer a máquina decolar como está na expectativa contundente de cada torcedor que sofre tanto em cada jogo sem ver nenhuma evolução ?????

Um dia ensolarado, lindo, céu azul, azul, azul da cor do Grêmio, a torcida compareceu (público de 30.767), queria a vitória, ela veio, fomos ao G4, mas o time capengou de novo, e nosso treinêro ainda começa com Nícolas no banco fazendo Diogo Barbosa levar – merecida – uma sonora vaia ao ser substituído e outra para Thiago Santos quando entrava no lugar do Villasanti.

Espero que Roger aprenda com a torcida, demos um recado sonoro HOJE do que ele não deve fazer, pois sinto que à partir de AGORA a galera nos jogos em casa vai pegar pesado em cada pardalice que ele cometer.

Vamos acreditar sempre.
Oremos ….. !!!!!

ESCLARECIMENTO DO ILGO

Faz uns sete dias que enfrento, com minha mulher e meu filho menor, um bombardeio de vírus, bactérias e assemelhados.

Sem condições de parar para escrever. Nem mesmo assisti ao jogo deste sábado. Me passei no horário, pensei que o jogo seria à noite.

Deve ser efeito dos medicamentos.

Quinto empate em seis jogos. E nada muda, tudo igual: rumo ao abismo

TEXTO DO INTERINO COPIÃO DE TUDO

Numa resenha com 3 amigos do Blog pelo WhatsApp após o jogo desta noite chegamos a mesma conclusão em não saber o que é mais constrangedor: ver o time do Roger jogar ou ouvir suas entrevistas com Dênis Abrahão que juntos olham e não enxergam, escutam (?) mas não ouvem e quando falam NUNCA dizem NADA.

Inacreditável que num espaço enorme entre os jogos o time treina e nada muda porque no jogo seguinte temos a nítida visão em apenas 10 ou 15 minutos que tudo continua sem evolução nenhuma, e o que vamos ver de novo é o mais do mesmo de antes, ou seja, NADA porque nada evolui em nosso time sem treinador.

Roger começou numa massaroca como disse o Marcelo no Blog num 5.2.3 e na 1ª TARDIA mexida continuou na mesmice errando na troca do Villasanti x Bitelo e Jânderson x Elias. /Este perde mais gols que Mamute, aquele outro maluco que corria mais que a bola, mas não satisfeito, trocou Elkeson x Ricardinho e Biel x Campaz sem alterar a formação, fica difícil ver evolução com essas pardalices frequentes.

Até poderíamos sair com a vitória, mas Elias treme tanto que perde gols incríveis cara à cara com o goleiro, a bola, e ele sozinho nessa situação, aí, o cara dá um chutinho pior que peido de véia na menopausa chutando nas mãos do goleiro, e não foi a 1ª vez, bah!, que atacante fraco e ruim.

Falam em janela de julho e vejo que esta janela poderia ser usada agora em junho para atirar o treinador pra fora do clube porque essa bananeira nunca dará um cacho em momento algum, está visível isso.

Mas tenho que concordar com alguns colegas que pedem um articulador pro meio campo, porém, alerto que além de não ter no mercado porque isso falta também em outros clubes, “quando” surgir algum, esse não vai querer vir jogar a série B no Grêmio, então, temos que nos virar com o elenco que tem aí, e acredito que “um treinador de futebol” resolveria nosso problema sem esperar “janelas” com Thacianos & Guilhermes trazendo mais do mesmo.

Sempre achei & acho que com esse elenco daria para estar na Liderança, é só trazer um treinador de futebol e não manter esse falacioso contumáz que só treina sua postura articulada diante de microfones, nada mais que isso, é só somar os 5 últimos empates em 6 jogos onde nos escaparam 10 pontos fáceis.

Passou da hora CERTA da #foraroger, cadê os “çábius” nesse assunto?
Oremos ….. !!!!!

Grêmio vence e Roger Machado ganha sobrevida no cargo

“O time esteve muito firme e seguro no primeiro terço com a dupla Geromel/Kannemann; teve o controle do jogo no segundo terço e foi mais criativo e efetivo no terço final”.

A explicação poderia ser do Roger Machado, mas é minha. Estou tentando me adaptar à linguagem do técnico, que ao vencer o Novo Horizontino por 2 a 0, não só tirou sua cabeça da guilhotina como ganhou crédito para seguir na função.

Portanto, preciso mergulhar no universo do vocabulário rogiano, porque pressinto que o pior já passou e que talvez Roger tenha vida longa no clube. Prometo acompanhar suas entrevistas coletivas, com um dicionário nas mãos, claro.

No momento em que escrevo, antes da meia-noite, Roger dá uma coletiva, agora sem a pressão que havia e que mobilizava grande parte da torcida a ‘convocar’ Renato a voltar à Arena.

Bem, não sei o que ele está dizendo, mas não deve ser muito diferente das linhas iniciais desse texto.

O que importa mesmo é que o Grêmio venceu. O adversário é fraco, mas o Grêmio, que não é lá essas coisas como deixa claro sua posição na tabela, fez o que tinha de fazer: somou três pontos.

Roger manteve o esquema com três zagueiros. Dois deles são de série A, enfrentando atacantes da série B. Levam vantagem. Os dois laterais são insuficientes. Edilson joga na malandragem, na experiência, e o Nicolas está provando que é um bom lateral para disputar a segundona.

Então, temos uma defesa sólida. Mas ela depende da marcação no meio. E aí destaque para Thiago Santos, que tomou o lugar de Alisson como principal alvo da torcida gremista. Pois TS fez grande partida. Calou os torcedores menos raivosos – os raivosos mesmo não mudam de opinião nunca.

Ao lado de Bitelo ele parece que ficou mais tranquilo. Os dois se complementaram. Enfatizando sempre que o adversário não é parâmetro para uma avaliação mais consistente e realista.

Agora o ataque. Essa dupla que faz o lado no terço final, ajudando a marcação no segundo terço (influência do Roger) é cômica. Tirando a raiva e a irritação, eles chegam a ser engraçados. E jogam parecido nos erros, que são muitos, e nos poucos acertos.

Entre eles, Diego Souza, o goleador do time e da série B, salvo engano. DS está pagando seus pecados, porque é raro sair uma jogada em que a bola sobre para ele saída dos pés de um deles, o Biel e o Janderson. Elkeson, que o substituiu na metade do segundo tempo, nem viu a cor da bola.

Mas quem acompanhou o jogo também pelas redes sociais, meu caso, sabe que a dupla foi criticada duramente até que foi protagonista de uma boa jogada, que resultou no segundo gol. Ah, o primeiro foi de DS, de pênalti.

Vamos lembrar esse gol que vai para o DVD deles, sem dúvida. Nicolas lançou Biel, que deixou a bola passar (sem querer, mas isto é detalhe, não?), enganando a marcação. Jandersonn, que entrava por trás, em velocidade, chutou rasante no canto direito.

Foi um gol de lavar a alma para esses dois jogadores. Até acho que começar o jogo com um deles é válido, por falta de coisa melhor, mas sair com os dois me parece uma demasia.

Bem, o Grêmio venceu, e isso, no momento, é o que importa. Já está encostando no g-4. Não é muito, mas pode ser o começo de uma arrancada.

Grêmio empata de novo e dá sinais de que nada vai mudar

Ainda vamos sangrar muito até que o presidente Romildo encare a realidade e tome as medidas necessárias para que o Grêmio se classifique para a série A ainda nesta temporada.

De empate em empate, vamos morrer na beira do mar, sempre acreditando que na próxima rodada o time deslancha.

No caso do Grêmio o 0 a 0 diante do Vasco da Gama, em São Januário, manteve a ilusão de que é possível confirmar a vaga acumulando empates intercalando com algumas (raras) vitórias e derrotas previsíveis.

O empate desta noite por um lado foi positivo, porque o time precisa somar pontos para chegar vivo nas últimas rodas e em condições de brigar pela quarta vaga;

por outro é danoso, porque permite que o presidente Romildo, bem ao seu estilo de empurrar com a barriga, postergue a adoção de medidas urgentes, como mudanças na comissão técnica, aquelas que venho defendendo aqui.

Aqueles que estão sendo questionados e citados como substituíveis já estão se defendendo, o que é natural, porque a pressão externa e interna é grande. O vice Dênis Abraão, talvez por falta de coisa melhor para dizer, destacou que o “hoje o Grêmio estreou na série B”.

Ora, não vi nada que justifique essa frase que tem por objetivo passar otimismo e confiança ao sofrido torcedor gremista, ao mesmo tempo em que garante mais alguns dias no comando do futebol.

Já o treinador Roger Machado não deixou por menos: “Talvez tenha sido nosso melhor jogo até o momento”. É outro que quer ganhar tempo, o que é legítimo, mas quem perde com isso é o clube, que precisa de um choque de gestão para buscar resultados compatíveis com a sua grandeza.

Sobre o jogo, de novo uma irritante insuficiência técnica nas conclusões e no acabamento de jogadas. Do meio para a frente quase ninguém se salva. Já o sistema defensivo está seguro, mas ainda assim por detalhe o Vasco não ganha o jogo na reta final. Aliás, o crescimento vascaíno a partir dos 40 minutos é efeito das substituições equivocadas do técnico, que tem errado nesse quesito.

Grêmio empata de novo, indicando que mudanças são necessárias e urgentes

No dia 25 preconizei e defendi neste espaço a adoção de providências radicais para tirar o Grêmio do buraco em que se meteu desde a reeleição (por aclamação) de Romildo, quando a derrocada começou.

Em vez de medidas paliativas, soluções amargas. Defendi mudanças urgentes no departamento de futebol: a começar pelo vice Denis Abraão.

Hoje, após o empate com o Vila Nova, ele praticamente assinou seu desligamento ao dizer que não sabe explicar o que está acontecendo. Se ele que vive o dia a dia do futebol gremista não sabe o que está ocorrendo, quem vai saber?

São poucos os nomes com preparo e experiência para assumir essa missão agora. Conforme escrevi, Preis e Ico Roman são os mais indicados.

A substituição do ‘homem forte’ do futebol precisa ser acompanhada da troca da comissão técnica. Roger Machado dificilmente vai extrair mais do grupo atual. Por outro lado, quem poderia substituí-lo? Sugeri dois nomes: Renato (favorito nas redes sociais), e Cuca.

Tanto para o comando do futebol como do time, será necessária uma engenharia política, muita habilidade e humildade principalmente para o cargo de vice de futebol.

No caso de Renato, também há arestas a serem aparadas. Será que a frase aquela de que um chamado do Grêmio é uma convocação terá validade em relaçao à direção atual e seu Conselho Administrativo?

QUEDA?

Há informações de que Roger pode cair nas próximas horas. Duvido. Não é o modo Romildo de operar. Velocidade não é o forte de Romildo, que faz mais o estilo empurra com a barriga ou mata no cansaço.

Bem, seja quem for, o técnico gremista terá problemas para enfrentar o Vasco, quinta-feira à noite, no Rio. VilllaSanti e Campaz foram convocados para suas seleções. O primeiro fará muita falta.

O JOGO

O Grêmio até que construiu algumas boas jogadas. Biel perdeu uma chance clara ao chutar sobre o goleiro, mostrando que não é um matador.

O tricolor teve um gol anulado, num lance muito discutível. Era jogada para ser conferida com o VAR. Mas, decididamente, o Grêmio não conta com a simpatia das arbitagens. Será que o Chico Noveletto tem alguma coisa a ver com isso.

O Vila Nova também criou situações, numa delas Bruno Alves evitou o gol com o peito, com a bola ainda batendo na trave.

De resto, foi mais um jogo ruim de série B, com uma atuação irritante do Grêmio, que a continuar assim não termina entre os quatro primeiros.

Grêmio é Tri da Recopa/RS

A Recopa estadual não significa grande coisa, mas é minha, digo, é nossa. Por isso, deve ser comemorada e exaltada, como costumava fazer a mídia colorada quando o título desse torneio de um só jogo caía no colo vermelho.

Portanto, quero isonomia. Exijo o mesmo alarde agora que o título ficou com o Grêmio mais uma vez. O Grêmio é Tri da Recopa.

Não me critiquem. Quero viver a ilusão deste momento, antes de voltar à nossa realidade, tão cruel nos últimos tempos. Quero festejar, mesmo que discretamente, esses 5 a 0 sobre o Glória.

Independente do adversário, um time modesto, com um pouco de boa vontade e menos ranço é possível extrair alguma coisa de positivo desse jogo em Vacaria.

A começar pelo retorno de Kannemann. O argentino, decididamente, dá um outro tom para o sistema defensivo. Ele é a garra que anda faltando. Com ele, o time titular vai render mais do que vem jogando.

Outra atuação que me deixou mais esperançoso foi a do Campaz, jogando com mais liberdade pelo meio, caindo para o lado esquerdo, driblando, marcando e até articulando um pouco.

Outro que se destacou foi o Janderson, que fez um belo gol de bicicleta, e participou de outros três, inclusive sofrendo um pênalti que Campaz cobrou com precisão. Vamos ver se diante de adversários mais fortes ele repete o desempenho desta noite.

Importante frisar que o aproveitamento ofensivo do GRêmio foi muito alto, quase 100 por cento. Se o time seguir assim entra logo no G-4.

Por fim, foi bom ouvir o hino tricolor na entrega do troféu, como observou o parceiro Rodrigo Severo na seção de comentários do post anterior.

Grêmio precisa de mudança radical no Futebol, com Preis no comando e a contratação de Cuca ou Renato

Depois do empate com o Criciúma, na Arena, fiquei convencido de que o Grêmio não vai mesmo subir e se isso acontecer (a classificação entre os quatro para a série A), será algo quase tão dramático quando a Batalha dos Aflitos.

É claro que posso estar errado, mas deixando a paixão de lado, uma análise fria e racional aponta que a tendência é mesmo o Grêmio ‘repetir de ano’, como se dizia no meu tempo de ginásio e científico no Castelinho, em Lajeado. Bons tempos…

O Grêmio tem um grupo insuficiente para disputar uma série A. A queda prova isso. Mas o mesmo grupo, em condições normais, ou seja, com arbitragens menos danosas, menos lesões e bom preparo físico, está apto a entrar no G-4 da Segundona e não mais sair.

Para isso, algumas medidas precisam ser tomadas, e com urgência:

1 – mudança no departamento de futebol, com o desligamento de Dênis Abraão. Assumiriam Adalberto Preis e Odorico Roman, uma dupla séria e competente;

2 – afastamento do atual treinador e seu grupo de trabalho. Penso que explicações são desnecessárias;

3- Aproveitar a folga de quase duas semanas para fazer uma pré-temporada, já com o novo técnico, evidente;

4 – quem seria o treinador? Eu não hesitaria em convidar o técnico CUCA, que tem ligação com o Grêmio, e, em nome disso, poderia fazer uma pausa em seu descanso;

5 – RENATO seria a segunda opção. Não sei como ele encara uma volta um ano depois de uma saída conturbada, uma história mal contada, com questões pendentes. Ah, o novo técnico teria carta branca para agir ao lado do novo comando do Futebol.

Bem, para começar seria isso: aproveitar a pausa para arrumar a casa enquanto ainda há tempo.

Sei que não será fácil acertar com Renato ou Cuca. Mas creio que Preis pode convencer um dos dois a assumir, ou algum terceiro nome de peso.

É importante também que o presidente Romildo tenha humildade para convidar Preis a assumir. Nem sei se ele aceitaria, mas gremista como ele é será difícil que não atenda o chamado.

É difícil que minhas sugestões sejam implementadas, mas não vejo outro caminho para buscar o retorno à série A neste ano.

MAIS comentários no post anterior, confira.

Grêmio piora e revolta sua torcida nas redes sociais

Não fosse pela circunstância de sofrer o gol do Ituano nos acréscimos, o empate por 1 a 1 seria motivo de comemoração pelo que jogou o Grêmio, mais uma vez decepcionante, irritante.

O Ituano foi superior ao longo da partida. A derrota seria um castigo. Foram três bolas nas traves e duas ou três grandes defesas de Brenno, uma delas, aos 28 do primeiro tempo, foi espetacular.

Definitivamente, o momento do time gremista não passa pelo goleiro.

Repetindo: os laterais são fracos, o meio-campo é instável, sem criatividade ofensiva e fragilidade na marcação, e um ataque pouco criativo, que sucumbe diante de uma marcação forte como a dos times que se dão bem na série B.

O Grêmio, com o material humano que possui tem condições de ficar entre os quatro primeiros, mas não será fácil. Os jogos estão mostrando que alguns jogadores, em especial os mais jovens, não estão entregando o que deram a impressão de que poderiam dar.

Culpa deles ou do técnico, que não estaria conseguindo armar um time mais competitivo, forte e ao mesmo tempo criativo, rápido e efetivo nas conclusões.

Nesse jogo em Itu, diferente de outros jogos, o time não criou, mas deixou escapar vitórias por falta de pontaria. Desta vez, o goleiro quase não foi ameaçado. Nem lembro o nome dele. Seria um sinal de que o time caiu tanto que sequer ameaça o goleiro adversário?

Roger Machado teve oito dias para treinar. O resultado foi o que se viu.

Nas redes sociais o clima está pesado, tenso. Tem gente defendendo Roger (‘não seria bom trocar de treinador de novo’); outros querendo a cabeça de Roger e sugerindo nomes como o de Lisca (‘sabe tudo de segundona’); sem contar a legião que pede a volta de Renato (‘antes que seja tarde demais’).

Claro, sobra também para a direção, em especial o presidente Romildo e o vice Dênis, este com a cabeça na guilhotina por conta de suas frases um tanto folclóricas e dispensáveis.

O TREINADOR

Sobre o técnico, eu imagino que o pessoal da direção saiba avaliar o desempenho dele para decidir se o mantém ou não, e se outro treinador terá condições de tirar mais leite desse rochedo.

O TIME

Hoje, no meu Grêmio jogariam Brenno, Geromel, Bruno Alves, Lucas Silva, Villa Santi e DIego Souza.

Sobre Geromel, outra grande atuação, um exemplo para os demais jogadores. Mas ele falhou no gol do Ituano. Mal colocado, ele ‘tirou’ o impedimento do atacante Lucas Nathan. Acho que termina o jogo ele fica meio tonto de tanto corrigir erros dos companheiros.

Destaque para Diego Souza, que deve estar se perguntando ‘o que é que estou fazendo aqui?’, tamanha a ruindade ofensiva do time. Foi dele o gol ‘achado’ pelo Grêmio. Do meio pra frente o time é um misto de pobreza técnica e falta de inteligência para jogar futebol.

POST ANTERIOR

Comentários de torcedores sobre o empate gremista no post anterior. Vale a pena conferir.