Mau início do Grêmio faz a alegria dos adversários nas redações

Fazia tempo que eu não abria os sites de notícias com tanto constrangimento. Está lá, nos títulos e até como destaque de página : “Grêmio lanterna do Brasileiro”. E mais: “Único time sem pontuar na competição”. E por aí vai.

Em alguns textos o redator parece estar salivando de prazer, talvez até fazendo 5 contra um com um sorrisinho faceiro nos lábios.

Depois de 3 jogos seguidos com um nível preocupante, começo a desconfiar que o técnico Tiago Nunes não está preparado para o desafio de substituir Renato, mantendo o que de bom foi implantado e melhorando o que for possível.

O início foi fulgurante, mesmo considerando a nível dos adversários. O time fez algumas boas apresentações e passou a impressão de que Tiago estava no caminho certo. Os três jogos disputados no Brasileirão indicam o contrário.

Por mais que eu torça para o seu sucesso, não tem como negar que o time não evoluiu para uma nova forma de jogar, marcação forte, consistência defensiva e verticalização das jogadas do meio para a frente. Pelo contrário.

Ainda aposto em Tiago, confio nele, mas sei que remo contra a corrente. Nas redes sociais os gremistas estão em ebulição, buscando culpados e lembrando de jogadores que estão na reserva que seriam soluções.

O técnico do tricolor até lembrou esse detalhe em sua entrevista, quando alguém questionou porque este ou aquele jogador não recebe chance. “O de fora sempre é lembrado nessas horas”, disse TN.

Tiago partiu em defesa do goleiro Paulo Victor, que decididamente falhou no gol. O técnico comentou que a bola desviou e prejudicou o goleiro. Concordo, mas um goleiro mais ágil e com mãos firmes podaria ter evitado o gol.

Estão criticando o treinador por defender o goleiro. Queriam o quê? Queriam que ele queimasse o profissional e ele próprio se queimasse perante o grupo? Ele fez bem ao prestigiar seu goleiro, que será titular enquanto Brenno estiver a serviço da seleção olímpica.

Bem, o time jogou mal nesta quinta-feira. Foi um jogo horroroso. Ganhou o menos ruim, ou o que teve a ajuda do goleiro adversário.

O que me conforta é que o time tem vários jogadores de muita qualidade. A começar por Douglas Costa, que entrou pela metade do segundo tempo. Com mais ritmo de jogo, com certeza será muito útil.

Para finalizar, mesmo acreditando muito no potencial técnico do time e do grupo como um todo, penso que é preciso acender o pisca-alerta.

Zero ponto em três jogos não é brincadeira. A conta vai ser paga lá no final, quando se contar os pontos para uma posição melhor, como um G-4.

Título do Brasileiro não, sem chance mais uma vez. A diferença é que agora os resultados negativos são dos titulares mesmo.

Jogo em Recife deve ter Douglas Costa no meio

Começo com uma pergunta: quem tem mais condições no momento de começar o jogo desta quinta, em Recife, na posição de meia articulador, Jhonata Robert ou Douglas Costa?

Se o Grêmio tivesse vencido seus dois jogos iniciais no Brasileiro e não ficado com um humilhante zero ponto, eu até acho que o treinador Tiago Nunes poderia insistir com o novato JR, mas a situação agora complicou.

O time precisa somar pontos imediatamente. Outro resultado negativo servirá para que o técnico tenha seu trabalho contestado com mais força. Eu considero que é muito cedo para uma cobrança mais forte, mas a gente sabe que o torcedor realmente não paciência, e chega a ser muitas vezes intolerante.

Então, o time gremista, em formação, em transição, joga obrigado a vencer. Até um empate, dependendo das circunstâncias, não será tolerado pelos gremistas, em especial, os mais atuantes nas redes sociais.

Diante disso, TN precisa fazer uma pausa nas experiências e escalar o que tem melhor para enfrentar o Sport Recife, normalmente um adversário complicado em seu território.

Portanto, é jogo para colocar Douglas Costa e toda sua bagagem em campo. Não sei como tem sido os treinos, mas eu escalaria DC na meia, formando o trio de meio-campo com Thiago Santos e Matheus Henrique.

JR pode voltar à sua origem, o lado direito do ataque. Ou deixar JR na reserva e escalar Luiz Fernando, um atacante de mais imposição física.

Outra possibilidade seria escalar Maicon no meio, aí sim passando Douglas Costa para a direita. Pena que Darlan não está ainda à disposição. Ele poderia entrar e não Maicon.

No mais, segue o problema na lateral-esquerda. O jeito é ir às compras.

O jogo será na Ilha do Retiro, nesta quinta, às 19h.

LIGA

Essa ideia dos clubes de fundar uma Liga não se cria. Na hora de definição da grana de cada um começa o tiroteio. A mim parece mais uma tentativa de ocupação de espaço, diminuindo o poder da CBF e de seus dirigentes, nem sempre bem-intencionados.

No fundo, é uma briga de bugio. Com todo respeito aos primatas.

JP

Por que não tentar JP na sua posição original? Na base ele era volante.

Jogaria ao lado de Thiago Silva. O time ganharia na saída de bola, mas acho que perderia em força defensiva. Seria o caso de testar.

Na verdade, JP se encaminha para jogar em algum lugar de futebol menos pegado.

RENATO

Onde estão aqueles que atacaram o técnico Renato de tudo que é jeito, com ofensas e suspeições, por não escalar JP?

Pois é, já pediram desculpas?

Nova derrota indica que Tiago tem muito trabalho pela frente

O jogo contra o Atlético-PR, um time nada mais do que mediano, veio em boa hora para sinalizar que o Grêmio precisa evoluir para ser um candidato ao título brasileiro.

Em dois jogos, duas derrotas. A deste domingo, na Arena, mostrou um Grêmio assustado diante de um adversário bem posicionado, de futebol consistente, jogadas rápidas.

Apesar de formado por jogadores jovens em sua maioria, o time paranaense mostrou maturidade, um estágio que o Grêmio, também em formação, ainda não atingiu.

Ao contrário de muitos gremistas, mantenho minha confiança no trabalho do Tiago Nunes, que está buscando encontrar um padrão de jogo capaz de levar o time ao tão sonhado título do Brasileirão, além do que aparecer pelo caminho.

É cedo para avaliar o sucessor de Renato. Mas uma coisa está muito clara: depois de um início avassalador, e promissor, o time caiu de rendimento, o que é muito natural no momento atual da equipe, com o treinador fazendo experiências para encontrar a formação ideal.

O jovem J. Robert, recém chegado, assumiu de cara uma posição nobre, a do ‘camisa 10’. Mostrou qualidades e merece ser testado de novo, mas o fato é que o Grêmio sentiu a falta de alguém com mais peso, mais bagagem, nesta função. J. Robert saiu de uma posição periférica para o meio, onde deveria funcionar como articulador.

Penso que Tiago demorou a substituir sua aposta. Aliás, não gostei das mudanças, mas também não acho que isso tenha interferido muito, até porque as alternativas não acrescentariam muito mais.

O Atlético mereceu vencer. O Grêmio se esforçou para buscar o empate, mas teve poucas conclusões com perigo, ou nenhuma, se formos rigorosos. E isso é lamentável.

Sobre o time, o melhor do sistema defensivo foi Cortêz, o que remete para alguma coisa preocupante. A dupla de área bateu cabeça. Igualmente preocupante é o desempenho de Rafinha. Até agora tem se mostrado um jogador comum, com muito tapa na bola, sem efetividade.

No meio, ninguém teve uma atuação mais do que razoável. Na frente, Diego Costa teve um desempenho muito abaixo do que é capaz. Ferreira lutou muito, correu pra lá e para cá. Mas ficou nisso. E quando ele não funciona restou comprovado que o ataque todo perde muito.

Resumindo: quero acreditar que o Grêmio estava num dia daqueles, e que teve a infelicidade de enfrentar um adversário mais inspirado que o normal. Com todo respeito, ninguém vai me convencer que o Atlético tem time para brigar pelo título ou até vaga na G-4. Portanto, perder para um adversário com esse potencial, sinaliza que Thiago Nunes tem muito trabalho pela frente.

Grêmio garante classificação na CB e ainda assim é corneteado

O Grêmio não jogou bem, mas empatou com o Brasiliense, num potreiro ruim para os dois times -, pior para o de mais qualidade técnica. Com o árido 0 a 0 o tricolor garantiu sua classificação às oitavas de final da Copa do Brasil, e isto é o que importa.

Não importa se jogou feio – e jogou, não tem como negar. É inegável também que o time todo jogou com o freio de mão puxado, com raras exceções. Foi um jogo morno, de futebol morno, como o futebol de quem esconde o jogo. O Grêmio tem potencial para muito mais, diferente do seu esforçado adversário.

Mas pior de tudo nem foi o jogo em si, mas a rabugice que reina nas redes sociais, com gremistas intolerantes, que querem sempre o máximo dos jogadores, que não entendem a estratégia do time em competição de mata-mata.

Amargos que não conseguem ficar sem questionar a escalação deste ou daquele jogador (em especial, Lucas Silva), mesmo sabendo que é uma presença provisória, já que se trata de um reserva que logo será negociado – é o que se espera, e para isso ele precisa estar jogando.

Agora, o que realmente me preocupou nesse jogo é que Geromel foi o principal ‘articulador’ do time na maior parte do tempo, fazendo a ligação direta, com a bola sobrevoando o espaço aéreo do Serejão, em Taguatinga, passando sobre os homens do meio-campo.

Aliás, a dupla Thiago Santos/Lucas Silva é um equívoco do treinador, que, aliás, deu uma entrevista preocupante após o jogo, inclusive elogiando esse dupla, que, segundo ele, se completa. Espero que seja discurso para uso externo.

Thiago Nunes faz até agora uma campanha promissora, quase impecável. Penso que domingo, 16h, na Arena, contra o Atlético PR, teremos uma ideia mais aproximada do que quer o treinador.

É possível que Douglas Costa faça sua reestreia. Em princípio, ele deve jogar no lado direito, ao lado de Diego Souza e Ferreirinha. Mas não descarto que ele seja escalado no meio, no lugar de Jean Pierre, que não consegue decolar.

MAICON

O melhor lance do jogo foi protagonizado por Maicon, que entrou aos 30 do segundo tempo. Em sua primeira jogada, deu um toque de craque para Ferreirinha acerta a trave.

Foi um lance que lembrou os melhores momentos do time na era Renato. Um lance que pelo jeito será cada vez mais raro.

PALMEIRAS

Esses que reclamam do Grêmio deveriam olhar para o lado, ou mais lá para cima, onde o Palmeiras conseguiu se eliminado em casa pelo CRB.

Vi os melhores momentos. O Palmeiras merecia ter goleado. O goleiro do CRB fez milagres, inclusive nas penalidades.

Mas o Palmeiras, o poderoso Palmeiras, caiu. Está fora da CB.

E o Grêmio continua. Os cães ladram…

STF decide nesta quinta se permite a Copa América no Brasil

No dia 1º escrevi meio na brincadeira, mas ao mesmo tempo sério e provocativo, o seguinte tópico a respeito dessa confusão armada em torno da Copa América, politizando a competição.

Diante do quadro eu desconfiei que o STF, que mete o bedelho em tudo, seria capaz de discutir a questão. Então, escrevi essas singelas linhas:

‘PALAVRA FINAL

Copa América sai ou não sai?

Só aguardando a manifestação do STF…’

O julgamento será nesta quinta-feira.

Agora, tem um detalhe: se por acaso os doutos do STF decidirem pela não realização da Copa no Brasil, o que seria mais um absurdo em meio a tantos outros, a briga será com a Fifa.

Na hipótese pouco provável de que a CBF, a partir da decisão do Supremo, suspenda a realização dos jogos aqui, a entidade de Caboclo e assemelhados será punida.

Quem sabe proibida até de participar de competições organizadas pela entidade.

Olha, torço para que o STF não permita a CA no Brasil.

Só pra ver no que pode dar.

Mas eles não vão chegar a esse ponto.

GRÊMIO

Time titular contra o Brasiliense. Não esqueçam, o jogo será às 15h30, em Taguatinga.

O Grêmio venceu por 2 a 0 e agora tem tudo para confirmar sua classificação na Copa do Brasil.

O time deve ter:

Paulo Victor; Rafinha, Geromel, Kannemann e Cortez; Thiago Santos, Maicon e Jean Pyerre; Jhonata Robert, Diego Souza e Ferreira.

Lembrando que Paulo Victor joga para ver se aparece algum interessado.

Portanto, poupem munição.

Misto do Inter dá vexame e reservas do Grêmio conquistam a Recopa gaúcha

Enquanto o Grêmio abriu o domingo com uma goleada por 3 a 0 sobre o Santa Cruz e conquistou a Recopa gaúcha, o Inter protagonizou um vexame que em outros tempos derrubaria pelo menos o treinador e o responsável por sua contratação.

O time colorado, com quatro ou cinco titulares, levou 5 a 1 do Fortaleza, mergulhando de novo numa crise existencial: de onde eu vim, para onde vou, quem sou eu.

Os colorados estão atordoados. Os que atuam na mídia, então, não sabem o que dizer. Inflaram demais a bola do treinador. Eles enchiam a boca para dizer MIGUEL ANGEL RAMIREZ, hoje apenas Ramirez. Em breve, Ramirito.

Uma imprensa livre, isenta, crítica, sem preocupação em agradar a esse ou aquele, faz muita falta. A mídia gaúcha vermelha, parte dela, exagerou no puxa-saquismo explícito. Elogios exagerados por qualquer motivo. Depois de algum fracasso, em vez de uma reflexão, mais otimismo desenfreado.

‘Agora vai’, é o mantra desse pessoal.

Parte do que acontece no Inter é responsabilidade da imprensa com viés vermelho. Peguem a ZH deste domingo. Tem ali uma reportagem de página inteira com um guri sendo apontado como sucessor de Dourado, talvez um novo Falcão. Eu nem sabia da existência desse jovem, que até pode ser promissor, mas esse tipo de ufanismo midiático é prejudicial para as partes envolvidas.

Assim como afirmar, reafirmar e insistir que determinado treinador vai implantar o modo europeu de jogar futebol. Aí só pode dar nisso: fracasso sobre fracasso.

RECOPA

O Santa Cruz bem que tentou, mas acabou caindo na Arena. Levou 3 a 0 de um time reserva do Grêmio. Mais uma vez com muitos jovens formados na base, mesclando com alguns veteranos.

O time que jogou:

Adriel; Victor Ferraz, Paulo Miranda, Emanuel e Guilherme Guedes; Fernando Henrique e Victor Bobsin; Guilherme Azevedo (Léo Chú, 31’/2ºT), Éverton (Jean Pyerre, 31’/2ºT) e Léo Pereira (Jhonata Robert, 21’/2ºT); Diego Churín (Ricardinho, 21’/2ºT).
Técnico: Pedro Sotero (analista de desempenho).

Vamos ao que interessa. Quem são os mais promissores a partir do jogo deste domingo pela manhã?

O goleiro Adriel foi pouco exigido, mas tem muito futuro. Fez bem o Grêmio em deixar Paulo Victor fora.

Samuel, zagueiro de boa imposição. Merece receber novas oportunidades.

Guilherme Guedes enfim reapareceu. Foi bem, cruzamentos calibrados e precisos. Potencial para assumir de titular em seguida, talvez agora mesmo.

Fernando Henrique e Bobsin. Gostei muito dessa dupla. Bobsin deu assistência para um dos gols, marcou, apareceu para o jogo. FH mostrou que pode ser volante e até articulador. Baita potencial a desenvolver. Nada que o Departamento de Lapidação Renato Portaluppi não resolva, mesmo que sob nova direção.

Do meio para frente não gostei de ninguém nesse jogo. Não que alguém tenha ido mal, mas era de se esperar um pouco mais devido à fragilidade do adversário. Os gols foram marcados por três guris que disputam espaço no grupo principal: Gui Azevedo, Léo Pereira e Jhonata Robert (este me parece o mais talentoso com a bola nos pés).

Todos devem continuar sendo lapidados por alguém competente, que conheça o ofício de atacante.

RENATO E A SELEÇÃO

Caiu o presidente da CBF. Motivo: assédio sexual. Dá de tudo na CBF.

A notícia é que Tite cairia. Renato assumiria.

Se eu fosse o Renato, recusaria um eventual convite.

Tem muita politicalha em torno da seleção. Qualquer treinador que assumir agora vai se dar mal.

Tenho dito.

O goleiro é o mordomo do futebol

Nas novelas policiais, tipo as de Agatha Cristie (quem ainda não leu que vá ler, vale a pena), normalmente o culpado é o mordomo. Já no futebol, a partir da visão dos torcedores, a culpa é sempre do goleiro.

Não importa se o centroavante como Ricardinho, perca gol com a goleira vazia. Poderia citar uma penca de atacantes que já perderam ‘gols feitos’, mas fico nesse exemplo mais recente, e por se tratar de um jovem muito promissor.

Com ele, se terá toda a paciência. Já com o goleiro a tolerância é mínima. Basta um erro, que nem precisa ser um frango, para que seja fuzilado.

Vejam o caso, também recente, do goleiro Brenno. Outro jovem de futuro esplendoroso – se não for destruído no meio do caminho pelos ‘especialistas’ de arquibancada e de sofá.

Ele andou cometendo um erro infantil, fácil de ser corrigido, mas foi o que bastou para que alguns apressadinhos colocassem dúvidas sobre suas qualidades.

Brenno tem, sem dúvida, muito futuro. Um futuro que para Paulo Victor já chegou e que rapidamente se torna passado. PV está marcado na paleta. Goleiro é assim: faz dez defesas e leva um gol por ter ‘braço de motorista de kombi’, ou outra maldade do tipo. Já para o centroavante a vida é mais tranquila.

E olha que não lembro de algum erro grosseiro que Paulo Victor tenha cometido para justificar tanta raiva, tanto rancor. Sei que cobram dele o fato de não pegar pênalti. Cobrança raramente destinada a um jogador de linha.

Na verdade PVe chegou ao Grêmio já marcado por sua trajetória instável no Flamengo. Eu mesmo questionei sua contratação. Mas ele veio. E aí passei a torcer por ele.

Não sou como determinados torcedores que secam e fazem campanha nas redes sociais contra este ou aquele jogador, prejudicando o profissional e, principalmente, a equipe.

Apesar de ter feito algumas grandes atuações, outras nem tanto, como a maioria dos goleiros, PV hoje é tipo o mordomo. Ele nem precisa jogar para ser culpado.

Bastou PV ser cogitado para o lugar de Brenno contra o Brasiliente (aliás, importante vitória por 2 a 0, encaminhando bem a classificação na Copa do Brasil) que desabaram sobre ele ataques selvagens, a maioria de gente raivosa, contra sua possível escalação.

Quando PV foi confirmado desabou o mundo, com raios e trovões. Imaginem a cabeça do atleta diante desses ataques, que são suicidas, porque podem prejudicar não apenas o profissional como o próprio time.

Durante o jogo e também no final, PV continuou sendo atacado. É sério. Façam uma busca nos grupos de whatts, nos tuiteres. E isso que PV não comprometeu, não sofreu gol e ajudou na vitória.

Mesmo assim, continuou com os dedos acusatórios apontados para si. Afinal, com qualquer resultado, o goleiro é o mordomo permanente dessa novela.

É bom que o jovem Brenno não esqueça disso.

Copa América, TV Globo e a lição do ‘dr. Brizola’

Existem alguns assuntos que não me atraem, como a Copa América, a Copa do Mundo e jogos de futebol feminino, entre outros.

Mas decidi meter meu bedelho na possível realização da Copa América no Brasil.

Antes de qualquer coisa, declaro que há muitos anos, desde meus tempos de repórter no Correio do Povo, que sou contra esse torneio que sai do nada para lugar algum.

Houve um tempo em que a Copa América tinha alguma relevância, mas hoje não representa mais nada. Serve para federações e confederações, como a impoluta Conmebol, faturarem algum.

Então, sou contra a CA com ou sem pandemia. Mais ainda com essa pandemia em andamento.

Penso que quem mais tem a perder com esse torneio insosso é o presidente Jair Bolsonaro. Se ocorrer um incremento de casos da covid-19 durante e após os jogos, vai sobrar pra ele.

Desconfio até que jogaram uma casca de banana pra ele escorregar. Desconfio.

Até acho que nada vai acontecer de mais grave. Até porque as equipes têm protocolos rígidos de segurança. Mas é um risco desnecessário nesses tempos bicudos. Espero que o presidente reconsidere e faça como os argentinos que abriram mão de sediar os jogos.

Há algo de estranho no ar. Uma jogada que não consigo entender.

Bem, a Copa América por enquanto está confirmada, quer eu queira ou não. Quer a Globo queira ou não.

Vai sair no SBT, o que deixa mordido o pessoal da decadente emissora.

Com a Globo e seus novos simpatizantes e parceiros de ‘interésses’ apontando contra a CA no país, lembro-me do grande Brizola, que costumava dizer quando em dúvida sobre qual caminho tomar (tem vídeo na internet sobre isso):

-Se a Globo vai para um lado, eu vou para o lado oposto.

Pois é, eu que sou contra a CA no Brasil ou seja onde for, estou pensando seriamente em seguir o ensinamento do ‘dr. Brizola’.

Mas continuo pensando que o presidente Bolsonaro não deveria apoiar esse torneio que nada soma e só penaliza ainda mais os clubes, em especial os grandes, como o Grêmio, que sempre cedem jogadores à seleção.

A PALAVRA FINAL

Copa América sai ou não sai?

Só aguardando a manifestação do STF…

COPA DO BRASIL

Desfalcado, o Grêmio pega o Brasiliense, 16h30, na Arena.

O time no total tem 13 desfalques pelos mais diversos motivos. São seis jogadores com covid (Rodrigues, Rafinha, Pedro Lucas, Luís Fernando, Ferreira e Diego Souza), mais três jogadores convocados para seleções (Brenno, Matheus Henrique e Pinares), três atletas no departamento médico (Elias e Alisson), além de Darlan e Maicon, que estão fora por motivo ainda não divulgado.

Espero que o técnico não coloque de novo Thiago Santos e Lucas Silva para começar o jogo. Se fizer isso irá concorrer ao Troféu Celso Roth, que acabei de instituir.

Com base na nominata divulgada, o provável time gremista deve ter: Gabriel Chapecó; Vanderson, Pedro Geromel, Kannemann e Cortez (Diogo Barbosa); Thiago Santos, Lucas Silva e Jean Pyerre; Léo Pereira (Guilherme Azevedo), Ricardinho e Léo Chú.

Grêmio com todo jeito de freguês de caderno do Ceará

Então o Grêmio precisa jogar com seu time titular para vencer os reservas, ou misto frio, do poderoso Ceará, que entra ano, sai ano, dá uma chapuletada no Tricolor? O time vinha tão mal que seu técnico, Guto, estava ameaçado de demissão. Aí, apareceu o Grêmio, que pelo jeito virou freguês dos cearenses.

O Ceará venceu por 3 a 2, com um gol polêmico nos acréscimos, numa vacilada do goleiro Brenno, que optou por reclamar do bandeirinha com a bola ainda em jogo. Acabou levando o gol que deu 3 pontos ao adversário, deixando o Grêmio com zero. Deixou para trás três pontos que poderão fazer falta no final da competição. Filme semelhante ao do ano passado, quando ficou ficou no 1 a 1 na segunda rodada.

A diferença entre os dois jogos é que em 2020, em meio à pandemia, o Grêmio jogou com um time reserva por opção de sua comissão técnica. Agora, a causa foi, segundo o clube, porque há jogadores que pegaram a covid 19, entre eles dois que representam, juntos, 50% do time. Diego Souza e Ferreira.

Não há dúvida que se tivesse jogado com força máxima o Grêmio teria batido o misto frio ou reserva do adversário. E até poderia ter colhido um resultado melhor com seu mistão não fosse esse gol bobo no final, quando estava 2 a 2, e também por outro fator: o técnico Tiago Nunes escalou um meio de campo pesado, sem criatividade, na esperança de conter o ‘forte’ time reserva do Ceará.

Pois não adiantou escalar Lucas Silva e Tiago Santos, dois marcadores, com MH mais adiantado. O time ficou vulnerável defensivamente e sem força na frente. Quem mais trabalhou foi o goleiro gremista. Não fosse ele, o resultado poderia ser ainda maior a favor do Ceará.

Lembro que no ano passado o goleiro Fernando Prass foi o grande nome do jogo, protagonizando quatro ou cinco grandes defesas. Agora inverteu: foi o goleiro tricolor quem fez defesas importantes, e ainda assim não faltam uns ‘boi-corneta’ para criticar Brenno.

Aliás, Brenno e Ruan foram alvo de críticas de gremistas nas redes sociais. O zagueiro, que falhou feio no segundo gol, desculpou-se em seu twitter, admitindo que não foi bem, mas que não é ‘podre’, como disseram alguns gremistas (?). A namorada de Brenno também foi às redes sociais para criticar os gremistas mais raivosos e menos tolerantes.

Por fim, o melhor do jogo: o gol de Vanderson; Um lance sensacional, que certamente será muito exibido nos programas esportivos. Vanderson em breve, se continuar assim, estará na seleção brasileira. Nâo tenho a menor dúvida.

Os guris de 40 anos atrás e ‘us guri’ de hoje: o Grêmio no rumo certo

Este 27 de maio é um dia especial pra mim e para todos aqueles que defendem mais investimento na formação dos jovens atletas das categorias de base, com mais atenção, dedicação e transparência.

Sei que muita gente pensa assim. Então, estamos todos satisfeitos. O Grêmio terá um time só de ‘pratas da casa’, como se dizia antigamente, no jogo desta noite contra o Le Equidad, no Equador, pela Copa Sul-Americana. São 15 guris disputando um jogo oficial, em outro país.

Esta notícia me fez recuar no tempo. No dia 27 de abril de 1981 eu escrevi a reportagem que ilustra este artigo, ou o que resta dela. Confesso que nem lembrava desse texto publicado na Folha da Tarde.

Só o reencontrei porque procurava material para compor o novo banner do blog, que remete para a minha trajetória de 32 anos de jornalismo.

Ao lado de outros setoristas gremistas, fizemos uma campanha sutil para o aproveitamento da gurizada que estava despontando no time de juniores (19 e 20 anos).

Nosso movimento reivindicava a titularidade de Paulo Roberto na lateral-direira; Casemiro na lateral-esquerda; Newmar na zaga; China, de volante; e Odair no ataque.

Poucos dias depois dessa reportagem, que estava oculta no emaranhado da minha já frágil memória, o Grêmio conquistaria no Morumbi lotado, o título de Campeão Brasileiro, intitulado Copa Ouro pela CBF (será que vale como título nacional, hein seus vermelhos despeitados).

‘Us guri’ de 40 anos atrás abriram caminho para um outro patamar, que ficou ratificado e consolidado dois anos depois com o Mundial de Clubes.

Hoje, com o aproveitamento cada vez maior e melhor dos guris da base, com a lapidação adequada dos jovens mais talentosos, lançados no momento certo, sem açodamento, o Grêmio é um exemplo na descoberta e formação de jogadores.

Diante disso, não posso deixar de lembrar meu esforço para que a base fosse melhor aproveitada, ocupando lugares de jogadores médios ou decadentes. Isso ainda acontece, mas não como era naqueles anos.

CEM POR CENTO BASE

O grupo que viajou é o seguinte:

Goleiros: Gabriel Chapecó e Felipe

Zagueiros: Heitor e Manu (Emanuel)

Laterais: Mateus Sarará e Varela (volantes improvisados nas laterais)

Volantes: Fernando Henrique e Bobsin.

 Meias: Pedro Lucas, Rildo e Bitelo

Atacantes: Guilherme Azevedo, Elias, Vini Paulista e Thayllon