Sem vocação para avestruz

A verdade, a dura verdade, é que o Grêmio caiu muito de rendimento em relação ao primeiro turno. Há uma tendência de queda que precisa ser revertida já no difícil jogo contra o Vasco, no Rio.

Difícil é pouco. Dificílimo, se considerarmos que o Grêmio tem sido generoso com os desesperados clubes da ponta de baixo da tabela. A Chapecoense é apenas uma das equipes que recebeu uma mãozinha para fugir do rebaixamento.

O Grêmio precisa deixar de ser bom samaritano, parar de ‘amar o próximo como ama a si mesmo’.

O que a torcida espera é um Grêmio agressivo do primeiro ao último minuto, parecido com aquele que empilhou 5 gols no Inter sem dó nem piedade.

É isso, um Grêmio impiedoso.

O Grêmio atual é pacato demais. Parece que perdeu a capacidade de indignação que revelou antes de sair dos trilhos, correndo agora o risco de descarrilar.

Sim, se o ‘maquinista’ Roger Machado não reagir, pode acontecer aquilo que 99% dos gremistas projetava antes de o campeonato começar: uma campanha apenas para continuar na primeira divisão e, no máximo, beliscar uma vaga na sul-americana.

O Grêmio se mantém no topo graças à sua campanha no primeiro turno. No segundo, o percentual é de 52% apenas.

Como eu não tenho vocação para avestruz, que, reza a lenda, enfia a cabeça no buraco para não ver o que está acontecendo, não posso deixar de registrar o que estou vendo. E o que vejo é um time que gradativamente deixa de ser confiável. 

Até pouco tempo atrás, o torcedor, com a auto-estima elevada em função do magnífico trabalho que Roger realizava, rumava para a Arena confiante, seguro de que veria mais uma bela atuação e, claro, uma vitória.

Isso terminou. A derrota por 3 a 2 diante da Chapecoense acendeu o sinal amarelo. Se eu fosse um alarmista diria que o sinal é vermelho. Mas não chega a tanto. Agora, se não vencer o Vasco…

Uma rápida espiada na tabela de classificação do segundo turno revela que o Grêmio, hoje, está três pontos atrás do Inter. Na classificação geral, a diferença a favor do Grêmio é larga. Mas já foi mais folgada. 

O que preocupa mesmo, ao menos a mim, é a diferença para o quarto colocado, o Santos. Apenas seis pontos. 

Se o Grêmio seguir claudicante a vaga direta à Libertadores/2016 estará ameaçada. Aliás, o que não será nenhuma novidade – vide Luxemburgo no Grêmio.

Cabe à direção tricolor e ao técnico Roger, que já provou sua capacidade, avaliar o que está acontecendo – alguns jogadores já não conseguem manter um futebol de alto nível – e tomar as providências necessárias.

Sem enfiar a cabeça no chão.

OVO OU A GALINHA

Percebo revolta entre grande parte dos gremistas em relação a alguns nomes do time. Sou da seguinte opinião: o jogador que teve grandes momentos pode voltar a jogar bem. É preciso verificar o que está acontecendo para uma queda de produção. O coletivo depende das individualidades, e vice-versa. Se o coletivo vai mal, sucumbem primeiro as individualidades menos talentosas, digamos assim. Se as individualidades vão mal, afeta o coletivo. Quem nasceu primeiro? O ovo ou a galinha?

O AIPIM

De uma vez por todas, chega de inventar. O esquema que deu certo é aquele com Pedro Rocha, muito importante por sua movimentação tanto ofensiva como defensiva. Com ele, vários jogadores crescem. Inclusive Marcelo Oliveira, hoje tão criticado. Sem falar no Luan. Pedro Rocha tem seus defeitos, sem dúvida, mas foi com ele em campo que o Grêmio viveu seus melhores momentos.

Pode ser que ele, agora, não resolva. Pode ser. Mas um aipim na frente é certo que não resolve. 

 

Se gostou, compartilhe!

  • Andre Peixoto – Sarandi/RS

    Concordo com tudo. Assino embaixo… Se Roger não se der conta disso, vai praticamente encerrar precocemente sua carreira de grande tecnico emergente…

  • Francisco Coelho

    Ilgo; são muitas as expinicações para a queda de rendimento gremista só não encontram é a solução.

    Segundo li o Luan vem desde 2014 com fascite plantar. Ora bolas convenhamos que se há um problema e uma cirurgia com 4 meses de recuperação resolve “definitivamente” é melhor que continuar sentindo dores e ter um rendimento melhor.

    Claro que ai vem o cobertor curto e vão colocar quem??? Giuliano operou da pubalgia e melhorou.

    Em todo o inicio de ano se escuta a mesma cantilena e principalmente em período eleitoral o famoso “vamos priorizar a base”…

    O que vemos são os “estranhos no ninho” como Vitinho – Victor Neves Rangel, William Schuster Dornelles da Silva, Braian Damián Rodríguez Carballo, o famoso quase sem gols e a mais estranha contratação com pagamento em final de contrato (passe livre) do Luiz Fernando Pereira da Silva o famoso Fernandinho.

    Para estes são dadas contínuas oportunidades…

    Os pratas que subiram foram considerados verdes e voltaram para amarelar com o tempo.

    Já se fala na chegada de nova fornada do Juventude desembarcando e novamente estes serão colocados na vitrine em detrimento do produto caseiro. Nada contra a chegada de bons valores, mas que é estranho é…

    Se os da casa não servem porque ficaram??? Quanto custa manter um bando de jogadores na base e toda a estrutura???

    Roger já está sendo chamado de Professor Pardal, plantador de aipim, fincador de palanque e mais 1 que caiu no canto da IVI.

    Aqui em Pernambuco costumam falar que os times daqui são salvadores de náufragos, pois seguido perdem para os pequenos e mesmo grandes em péssima campanha dando sobrevida aos que estão em queda para outra divisão.

    Pelo visto nosso Grêmio levanta contra alguns dos grandes e acomoda frente aos ditos menores ou tem apagão.

    Os primeiros serem procurados a renovar contratos são alguns questionáveis e já não é bom sinal para 2016…

    Vamos aguardar os próximos passos.

  • Francisco Coelho

    Só para lembrar os nomes com contrato encerrando:

    Erazo, zagueiro – 31/12/2015 (empréstimo Flamengo-RJ)
    Gabriel Silva, zagueiro – 31/12/2015 (empréstimo Barra-SC)
    Geromel, zagueiro – 31/12/2015 (empréstimo Colônia-ALE)
    Galhardo, lateral-direito – 31/12/2015 (empréstimo Santos-SP)
    Edinho, volante – 31/12/2015 (já acertou a renovação)
    Maicon, volante – 31/12/2015 (empréstimo São Paulo-SP)
    Willian Schuster, volante – 31/12/2015
    Douglas, meia – 31/12/2015 (empréstimo Monte Azul-SP)
    Vitinho, atacante – 31/12/2015 (empréstimo Guarani de Palhoça-SC)

  • Alexandre Sanz

    Ilgo, agradeço a oportunidade e elogios de todos os botequeiros, tambem teclei num cp que me irrita hehe, de qualquer forma e muito bom participar deste forum de discussoes.
    Falando nisso, concordo contigo neste texto, agra como frisou nosso patrono existem muitos fatores para a queda de rendimento e todos foram citadsaqii, no blog, falta de testes com certos jogadores em jogos de menor risco e um deles, o Thiere, Maxi e Everton foram entrar em campo em jogos de risco e sem os devidos, entrosamento e ritmo de jogo, enfim, acho que o Roger ainda tem em maos um time em formaçao, vai oscilar ainda, vamos ver a sequencia e confiar, agora nao e hora de testes e mudanças, somos torcedores e devemos manter a fe.
    Lembro que uma vez Guardiola disse: “tivemos de perder muito e ser criticados, para chegarmos aqui”.
    Saudaçoes

    • Francisco Coelho

      Alexandre; sempre que a corda estica sobra para a base. Kkkkk
      Mesmo que não joguem no time principal o Roger poderia assistir jogarem em partidas oficiais e ir no vestiário dar apoio e toques. Não é só chamando para treinamento que se valoriza a base.
      Basta dizer que o elenco necessita de algumas peças e espera dedicação dos mesmos e que está ali para observar para motivar.
      Não vejo falar no Roger assistindo jogos da base. Ficar esperando pelo Bugre ou algum auxiliar não é a mesma coisa.

      Os times da base tem de formar prioritariamente nas posições mais carentes e cabe ao treinador principal a escolha e lapidação para estreia dos mesmos já entrosados para que o time e o estreante mantenham o ritmo ou melhore.

  • Arthur J

    O segredo é tratar os jogos como se não valessem nada, pois o Grêmio treme quando pensa em decisão.

    Pro ano que vem, se formos pra LA, vamos precisar de pelo menos 1 jogador que cresça em decisão, que não pipoque. Só 1 já basta, desde que não seja uma completa nulidade como o Braian “pior centroavante da história” Rodrigues.

    Pois estes que estão aí (Luan, Douglas, Giuliano, etc.), pode apostar: ao chegar nas 8as de final vão tremer.

  • Francisco Coelho

    O notebook do Ilgo deve ter teclado em outra linguagem. Kkkkk

    Já tive 2 Importados que me deram muitas dores de cabeça ao escrever e tentar reconfigurar teclas.

    Outro problema é escrever em teclado pequenino e ter de corrigir trocentas vezes batendo em teclas erradas estando sem tempo. Que agonia…

    Más até o meu novo têm uma tecla que me incomoda e mesmo já tendo levado para ajustar. O 1 do teclado numérico falha. Tenho de bater bem no centro e firme do contrário não digita. Já comprei com tela 15 e com teclado numérico para ver melhor e digitar como teclado de micro más não saiu 100%.

  • RFPoa

    Eu não tenho opinião definitiva, mas tenho um entendimento ou tendência:
    1) A questão não é um centroavante aimpim e sim que todos os times estão oscilando… e, na condicional, que o Luan está descontado, sim, me parece, então é possível que outros jogadores também não estejam em sua plenitude fisica. Maicon recem voltou e erra algumas bolas lançadas que normalmente acerta, por falta de ritmo.

    2) A questão do Bobô/Pedro Rocha mesmo com essa diferença de agora em relação ao 1º turno do campeonato, sobre o desempenho do Grêmio que caiu, e caiu mesmo, Pedro Rocha perde uma infinidade de gols e tem passe muito ruim no momento, ao passo, que queirem ou não, Bobô finaliza melhor que os testados até o momento. Passou muito tempo fora, e não aproveitar a experiência desse jogador…não sei, mas acho que pensar que a gurizada vai ar retorno por causa da camisa…sinceramente, acho pouco provável.

    O time perdeu um tanto em mecânica de jogo, mas na minha opinião o Grêmio não é um reloginho como o Barcelona ou outro time. Pode estar havendo alguma ansiedade nesta definição de conceitos sobre este ou aquele esquema. Os erros da derrota pra Chapecoense foram no meio campo, desatenção e talvez, uma certa soberba. Mas me digam: Desde quando o Grêmio não transforma uma partida fácil em algo difícil? Acredito que o Luan realmente esteja desgastado fisicamente em razão de convocações e por conduzir a bola mais tempo que o normal e receber mais faltas. Exatamente por isso. Negar isso, é impossível.
    3) O time do Grêmio como comentei em outra vez aqui, embora tenha evoluido positivamente, ainda é um time sem mentalidade vencedora em razão de toda pressão. Acho que se a direção não mudar o perfil de contratação para jogadores mais sanguineos para o clube, vai ter sempre a cara de Luan/Pedro Rocha que tem a mesma cara na derrota. Por isso jogadores como Giuliano tem um perfl que me agrada mais. O time do Grêmio deveria ter um Fred algum D’alessandro (embora ache ele marqueteiro demais)…Com Douglas é que não vamos ganhar. Talvez Barcos ? Não sei, mas é preciso que a diretoria contrate e diga que este cara tenha essa responsabilidade e não fuja, pra começar. Jogador de libertadores, tem outro perfil, e o Grêmio não tem este jogador ainda, seja meio campo/zagueiro/volante/atacante…É um que desafie a mesmice de cara de bunda quando perdem.
    Estou confiante, o Grêmio não perde a vaga pra libertadores nem com Bobô ou Luan descontado…mas precisa um algo mais. para os jogadores terem essa confiança e não deixar se transformar em soberba. Saber a diferença entre essas duas coisas.

  • Ilgo Wink
    • RFPoa

      Ilgo, não sei se é experiência ou necessidade, ou porque o Cacalo é defensor, pelo o que tenho visto o Grêmio tem grande problema em finalizações…e time chuta pouco, quando não toma gol depois de perder gols fáceis. Nesse aspecto, não seria o problema de centroavante aimpim ou falso centroavante, mas finalizador

      • Ilgo Wink

        Exato, a finalização tem sido um grande problema, independente de aipim, cenoura, xuxu, etc

  • Francisco Coelho

    Coluna do Tostão.

    O Corinthians, melhor em tudo no Brasileiro, privilegia o jogo coletivo, mais o passe que o drible. Os dois são importantes. O passe é essencial, e o drible é o complemento. Não se deve inverter a ordem. Jadson, Elias e Renato Augusto não são volantes nem meias. São meio-campistas. Atuam de uma intermediária à outra. Quando o time perde a bola, marca com cinco (Ralf e mais uma linha de quatro à sua frente). Quando recupera a bola, os quatro avançam em bloco e se juntam a Vagner Love. Assim jogam as grandes equipes, como fez a Alemanha na Copa do Mundo.

  • Gustavo Medeiros

    Estou na turma do RFPoa.

    Não é o esquema de jogo.

    Se fosse o esquema, o Grêmio não teria jogado direito no primeiro tempo, ter feito 2 x 0 e poderia ter matado o jogo.

    Acontece que aquele segundo tempo é algo para se rever mil vezes. O time apagou. Caiu o disjuntor.

    Agora, concordo que o esquema sem o tal do Aipim que o Ilgo chama, favorece as características da maioria dos nossos meias e atacantes. E nesse contexto o futebol da revelação do Brasileirão do primeiro turno, Luan, aparece mais.

    • Francisco Coelho

      Gustavo; preparação física e mental.

    • RFPoa

      Gustavo, a minha dúvida é exatamente essa: É para aparecer o futebol do Luan e vende-lo posteriormente ou aprimorar o coletivo ? Todo mundo fala que no coletivo as individualidades aparecem, então, se o coletivo caiu de produção é porque as peças individuais caíram, básico né ?. Ainda acho o meio campo do Grêmio com 3 armadores e 1 atacante, mais volantes que chegam na frente deu certo por um tempo…Mas toda essa volúpia deixou um rombo aos 49 minutos contra a chapecoense. Será que com 2 meias e dois atacantes e dois volantes não teríamos mais equilíbrio ? Ainda acho que precisamos saber porque se perde e muito mais quando se ganha. Tanto é que o Grêmio fez umas 3 ou 4 partidas de exceção ao todo de todo campeonato. A novidade foi a movimentação. Mas se eu fosse treinador que teria que enfrentar o Grêmio, diria: atenção ao meio campo forcem eles a passes laterais, que acabam errando. E foi assim contra o SP e Chapecoense em casa erros contra o Corinthians fora. Por incrível que pareça, o Grêmio joga melhor fora, pois o outro time é obrigado a atacar. E o tal toque de bola funciona. Dentro de casa os outros se fecham e nosso toque-toque não serve, pois precisa de velocidade e cara pra finalizar. Por isso eu penso que não tem esquema errado e nem vou apontar para este ou aquele. Desde o inicio do 2º turno, vários caíram de produção. Resta identificar e não morrer abraçado com eles ou bruxinhos.

    • Ilgo Wink

      Não será também preparo físico?

  • Francisco Coelho

    Só para mostrar a diferença:

    Confira a lista de relacionados para enfrentar o Goiás:

    Goleiros: Vanderlei e Vladimir

    Laterais: Daniel Guedes, Zeca e Chiquinho

    Zagueiros: Werley, Leonardo e Paulo Ricardo

    Volantes: Renato, Thiago Maia, e Ledesma

    Meio-campistas: Renato, Thiago Maia, Lucas Lima, Marquinhos Gabriel, Leandrinho, Serginho, Ledesma, Vitor Bueno e Léo Cittadini

    Atacantes: Ricardo Oliveira, Geuvânio, Neto Berola, Leandro, Nilson e Marquinhos

    Santos = 9 meias e 6 atacantes.

    Bruno Grassi; Galhardo, Geromel, Bressan e Marcelo Oliveira; Walace, Maicon, Giuliano, Douglas e Luan; Bobô.

    Banco: Leo,Wesley, Rafael Thyere, Marcelo Hermes, Moisés, William Schuster, Maxi Rodríguez, Fernandinho, Everton, Vitinho, e Braian Rodríguez.

    Grêmio = 3 meias (Giuliano, Douglas, Maxi) e 6 atacantes Luan, Fernandinho, Everton, Vitinho, Bobô e Braian Rodríguez.

  • Marcio Luiz

    Concordo plenamente até chegar no paragrafo do Aipim. Na minha opinião Bobô vem correspondendo, fazendo gols e botando goleiro adversário pra trabalhar. Pedro Rocha não acerta um chute, alguém lembra quando foi o último gol dele? Mas chances claras de gol ele perde uma por partida.

    .
    Porém a a queda de desempenho do Grêmio não passa pelo esquema tático, mas sim pelo salto alto. Até fazer 2×0 o Grêmio jogou pra valer, depois subiu no salto e achou q já tava ganho. Contra o Santos, q era sabido que era osso duro, jogou firme até o final. Em outras palavras: tem muito jogador estilo Açucareiro (jogando com as mãos na cintura), trotando em campo… Esse é o real motivo da queda de desempenho!!!

  • Gustavo Medeiros

    Não sou nenhum Tristão, ainda bem.

    Minha matemática é mais humana.

    Se diz que o Grêmio precisa entre 63 e 65 pontos para ir para a LA2016.

    Hoje tem 55. E tem aproveitamento de mais ou menos 50 % no returno. E exatos 50 % depois da parada para os jogos do Brasil.

    Matemática simples. Se precisa de 10 pontos, tem 21 pontos para disputar, se continuar assim, se classifica com as calças na mão.

    Outra coisa que ninguém fala, coisas da IVI. Que só fala em G5 se o Santos ganhar a Copa do Brasil.

    O G4 atual, pode ser G3, se a Chape, ou Atlético-Pr ganhar a Sulamericana, tirando assim uma vaga do Brasileirão. Pouco provável, sei, mas ninguém fala nisso.

    Abraços amigos

    • Ilgo Wink

      Gustavo já pegou a calculadora ehehehe

  • Daniel Scherer

    Ainda a respeito do jogo contra a Chapecoense, a maioria considera que o Grêmio jogou bem no primeiro tempo, e que podia ter matado o jogo. Eu discordo, acho que o Grêmio jogou pouco no 1º tempo e nada no segundo, o jogo ao final da etapa inicial poderia perfeitamente estar 2 x 2, ou esqueceram que a Chapecoense chutou uma na trave e outra o Galhardo tirou em cima da linha, fora que após o segundo gol só deu Chapecoense. Isso mostra que houve sim uma péssima leitura do jogo por parte do Roger (que está dando corda para se enforcar), pois os sinais do primeiro tempo indicavam já uma providencia por parte dele, treinador. Falar sobre os jogadores eu já desisti. Como já disse anteriormente, para mim o ano já acabou quando chegamos aos 47 pontos, o que vier é lucro. Com esse time o Roger está fazendo milagre, só espero que de santo ele não vire demônio e precise ser exorcisado.

    • Ilgo Wink

      no futebol se o santo de hoje é o demônio de amanha, e vice-versa