A diferença que Rondinelly faz

O Grêmio alcançou o que precisava depois de sair perdendo no Brasileiro: uma vitória, os três pontos em casa. Em consequência, mais moral e mais confiança ao time para aquilo que realmente interessa no momento: a Copa do Brasil.

O que se viu no Olímpico é o que vai se ver nos dois jogos entre Grêmio e Palmeiras: muita vontade, muita determinação, e pouca qualidade técnica.

Não por culpa dos treinadores, mas porque realmente há poucos jogadores nos dois times que tratam a bola com carinho e criatividade.

Um deles, é Rondinelli, que entrou quando o Palmeiras era melhor. Foi ele quem sofreu a falta que resultou no gol de André Lima. Ele consegue algo raro nesse time: reter a bola, dar o drible curto, partir pra cima do adversário. Não é muito, mas já muda o modo burocrático de o time jogar. Facundo Bertoglio também consegue fazer isso. Miralles é outro que arrisca. E só. Ah, sim, o Kleber.

Mas como diz o Luxemburgo, que reconhece as limitações de seu grupo, os jogadores que estão aí agora é o que temos para a Copa do Brasil. É preciso, portanto, dar moral para esses jogadores. E Luxa faz isso.

Como exigir que o Pará acerte um cruzamento? Ou que Léo Gago consiga dar continuidade a uma jogada com um passe superior a dez metros? É o que temos.

Para um time que mais uma vez começou com dez jogadores, foi um grande resultado.

Agora, será que esse mesmo placar, na Copa do Brasil, é bom? O jogo da volta é em São Paulo.

Depois do que vi hoje, eu acredito que o Grêmio repita e vença aqui, e pode até conseguir um resultado mais elástico se Luxemburgo contar com um ou dois reforços, como o Kleber por exemplo, mesmo num segundo tempo tempo, e começar o jogo com onze em campo.

O Felipão não merece tanta gentileza, ele agora está do outro lado.

Agora, quebrando uma tradição, aqui vai a minha cotação. Antecipo que não esqueci nada.

As notas do Ilgo:

Victor – firme como sempre, evitou o gol de Barcos no segundo tempo – 8

Gabriel – jogou mais sério, mais interessado, não enfeitou – 7

Naldo – zagueiro que vai bem quando não inventa, está crescendo – 8

Gilberto Silva – conhece os atalhos e as manhas do setor defensivo – 8

Pará – quanto menos dele se espera, menos ele decepciona – 5

Fernando – é simplesmente o melhor volante do sul do Brasil, talvez do campeonato – 10

Souza – grande atuação, para calar corneteiro – 9

Léo Gago – e pensar que tem gente que tiraria o Souza e ficaria com ele. pelo esforço:  5

Marcelo Moreno – outra atuação decepcionante, parece ter desaprendido. Mas este tem cura – 5

Miralles – estava bem, mas sentiu lesão muscular. é um dodói – 6

Depois, entraram:

André Lima – fez o gol e mostrou, que apesar de tudo, é um jogador útil – 7

Rondinelly – o guri entra e o time cresce. Coincidência? 8

Wilson – se é pra segurar vantagem, é com ele mesmo – 7

SABEDORIA

A torcida, em conjunto, é sábia: quando o serviço de alto-falante do estádio anunciou o time, Victor e Fernando foram os mais ovacionados. Sabedoria.

Destaque também para a forma bonita e generosa como Felipão foi recebido. Ele merece.

SÁBADO

O Inter levou um susto daqueles. Saiu perdendo por 2 a 0 desse time inconfiável do Flamengo. Índio deu uma entregada de estreante no lance do pênalti. Espero que isso não complique sua renovação de contrato por mais um ano. Sabem por que Índio empurrou o atacante na jogada do pênalti? Porque ele está acostumado com o Gauchão. Aqui não dá nada.

O Inter estava com um time misto. Estivesse completo, massacraria o time do pagodeiro.

Se gostou, compartilhe!