Pelaipe, o salvador

Começou bem o Pelaipe. Começou prometendo um centroavante, um atacante de área, um goleador. Desde fevereiro alerto sobre a falta de qualidade no ataque gremista, e aí está a raiz do fracasso na Libertadores e agora no Brasileiro.

É intrigante o fato de os homens do futebol não tenham visto isso, ou se viram, inaceitável a omissão.

O futebol é para quem é do ramo. Pelaipe já mostrou que conhece. Foi ele quem trouxe Jonas, por exemplo.

Pelaipe chega para consertar o estrago. Se conseguir, será o Renato Portaluppi de 2011. Com ele, Julinho Camargo tem mais condições de dar certo.

É claro que o resultado precisa vir já contra o Atlético Mineiro. Caso contrário, volta Roth (eta filme que não sai de cartaz).

Sei de muita gente que não gosta de Pelaipe. Há boatos de que ele é desonesto. Ninguém prova, são acusações vazias, difamações. Muitos dos boatos surgem do nada, não tem origem. Ninguém assume. Mas muitos levam adiante de forma irresponsável e cruel.

No passado ele teve problemas com a Justiça, mas pagou sua conta. Sei de alguns que tiveram problemas até mais graves e continuam impunes.

O passado do cidadão Pelaipe, portanto, não está em discussão.

O que interessa é o dirigente Pelaipe, um sujeito acostumado a lidar com os boleiros.

Pelaipe chegou para arrumar a casa e evitar o rebaixamento do Grêmio.

Se ele também fracassar, o que é possível diante da herança que herdou, temo pelo pior.

Mas gostei do discurso inicial de Pelaipe. Levo fé.

Se gostou, compartilhe!