A esperteza dos técnicos e os livros 'didáticos'

Os treinadores são uns espertalhões. Primeiro, que ganham muita grana passando por grandes especialistas; segundo, porque acham que nós somos bobos.

Falcão não é diferente. Tampouco o Renato.

Falcão precisa encontrar um lugar pro Oscar. Mas tem o Bolatti voltando. Quem sai? Um problemão, mas um problemão daqueles bons, porque é melhor administrar excesso de bons jogadores do que um amontoado de jogadores razoáveis.

Agora, é preciso saber lidar com a qualidade, porque boleiro quanto melhor  e valorizado mais determinado a não abrir mão do espaço conquistado, ou ganho de bandeja por ser de fora, não prata da casa.

O que fez Falcão diante do dilema: eliminou o problema. Ou seja, Bolatti, com seus 26 aninhos, apareceu com overtraining -sim, na hora de inventar desculpa esse pessoal é criativo. Nem o falecido criador do overlappin, o Cláudio Coutinho, faria melhor.

Traduzindo antes que o Carrião apareça, o argentino está com fadiga por excesso de jogos. Uma fadiga providencial que requer afastamento da equipe por alguns jogos. Depois, quando um dos volantes titulares – Tinga ou Guinazu – se lesionar ou for impedido de jogar por alguma outra razão, Bolatti volta lépido e faceiro.

Da mesma forma se o esquema com dois meias ‘criativos’ não funcionar como funcionou contra o modesto América Mineiro. Falcão, queira ou não, é obrigado a jogar com dois meias. A mídia quer, a torcida exige.

Já o Renato sai por outro lado. Não criou nenhuma lesão. O que ele fez: tratou de acomodar os melhores.

Mário Fernandes, que está arrebentando como lateral-direito, continua na equipe. Gabriel, o titular, teria que entrar no time ou ficar no banco. Mas a lógica dos técnicos passa pela acomodação.

O que faz Renato? Escala Gabriel no meio-campo. Teremos, então, dois laterais-direitos. Ah, e dois esquerdos, porque Lúcio vai jogar ali ao lado do Neuton, que também está merecendo continuar na equipe.

Como não tem nenhum atacante que possa entrar no carteiraço, Renato vai começar com apenas um, o Viçosa, que realmente merece continuidade pelo menos enquanto não aparecer alguém melhor e mais experiente.

Os treinadores são espertos, mas a gente ‘estamos ligado’, conforme escreveria um sujeito depois de ter aulas com os livros do Mec. O mesmo sujeito, aprendendo pela cartilha de matemática da casa do ministro Haddad – essa cria do Genro está batendo todos os recordes de besteira desde o governo anterior, e com o nosso dinheiro – poderia finalizar este texto sobre a esperteza dos treinadores dizendo:

– Afinal, 2 mais 2 não são 5?

SAIDEIRA

Agora, sobre o esquema que o Renato está improvisando: acho que ele está certo em começar com um atacante de ofício. A alternativa seria o Lins. Aí não dá, não é mesmo?

Se o Leandro estivesse em condições de jogo, aí Renato poderia ser criticado. Mas o guri sofreu lesão muscular -mais um. Esse negócio não acaba nunca no Olímpico. Quem será o próximo a ter estiramento?

Renato aproveita e reforça o meio para enfrentar o líder São Paulo. 

FECHANDO A CONTA

Grande rodada: Falcão x Felipão e Renato x Carpegiani.

GORJETA

Atenção: saiu mais um lote da 1983, tipo Pilsen. Faça como Renato e Falcão e se agilize. Estoque limitado.

Se gostou, compartilhe!