Maylson, um mistério no Grêmio

Maylson não chega a ser unanimidade, mas não pode ficar fora deste time do Grêmio. Não pode.

Titular da seleção sub-20 ao lado de Sandro, como segundo volante, Maylson tem condições de jogar tanto na segunda como na terceira função do meio de campo.

É um jogador moderno, que marca, arma e chega para concluir. Jogou poucas vezes, mas ainda é assim é um dos goleadores do time na temporada.

Sua ausência do time e até do banco é um mistério. Um crime lesa clube.

Desconfio que há algum tipo de interesse econômico. Um setorista da dupla Gre-Nal me disse que ele está fora porque vai mal nos treinos. É o que se comenta nos bastidores.

Um absurdo. Jogador que tem como seu forte a pegada, a disputa pela bola, dificilmente vai bem nos treinos.

Jogador firula, enfeitado, é craque nos treinos, e some nos jogos muitas vezes.
Dias desses, o Leandro Damião, após o programa Cadeira Cativa da Ulbra TV, do qual participo às segundas-feira (estou chamando ou afugentando audiência nesse dia), me revelou o seguinte:

– O professor Celso chegava pra mim nos treinos e dizia ‘e aí, tu é daquele tipo que arrebenta em treino e amarela em jogo?, vê lá, hein, não vai me deixar mal’. Aquilo mexia comigo, me deixava mordido, pronto pra jogar e mostrar pra ele que eu não sou apenas jogador de treino.

Damião mostrou isso rapidamente. É um jogador que vai longe no futebol. E estava por aí, dando sopa. O Inter foi lá, investiu uma mixaria e trouxe o jogador para testes.
Quando alguém quiser entender realmente por que o Inter está tão superior já há alguns anos pode começar por aí: a garimpagem de talentos com competência.

Foi assim com Giuliano, Pato e continua. Agora, o Inter traz Moisés, jovem revelação do futebol paraense. Pagou 300 mil reais e pode ficar com 70 por cento do passe, ou algo parecido.

Alguém lembra quem o Grêmio trouxe dessa maneira recentemente? Só um nome me vem a cabeça, o Mário Fernandes, mas assim trazido pelo Jorge Machado. Não é dica de algum olheiro.

Mas voltando ao Maylson: não tem explicação ele ficar de fora para jogar o Gilson, que, aliás, está sendo torrado e moído antes mesmo de estrear na posição para a qual foi contratado, a lateral – esquerda.

Pelo atual grupo de jogadores do Grêmio, repito, pelo atual grupo, o Maylson é titular, titularíssimo.

Assim como ele, o Victor, o Adilson e o Jonas. Num segundo plano, mas também titulares: Wilson, Rafael Marques, Neuton (como lateral-esquerdo ou no esquema de três zagueiros), Fábio Rochemback, Willian Magrão e Borges.

Na lateral-direita ainda não estou muito convencido em relação ao Gabriel. Até agora não mostrou grande coisa.

Como quarto homem de meio-campo, Douglas. Seguido de perto por Souza e Leandro. Dois desse trio só podem estar juntos no time por alguma circunstância de jogo.

Sei que muitos irão discordar, mas é assim que eu penso.

SAIDEIRA

A cogitação dE Koff para a presidência foi mesmo, pelo jeito, apenas uma jogada para esvaziar o evento que lançou Odone, semana passada.
Tem agora uma pesquisa do clicrbs apontando disputa parelha entre Koff e Odone para a presidência. Entre um ótimo que não quer a presidência, e outro bom que quer, a torcida está optando pelo segundo.

Fábio Koff foi o último presidente realmente competente que o Grêmio teve. Nem ele, porém, foi capaz de organizar o clube para o futuro, de montar, por exemplo, uma rede de olheiros pelo Brasil, a exemplo do que fez o Inter com resultados excelentes.

Bem, vamos aguardar se Koff não vai mesmo entrar nessa briga.

Se não o fizer, vai pegar mal aparecer no Olímpico pedindo voto para o candidato da hora para enfrentar Odone.

Se gostou, compartilhe!