O Falcão do Olímpico

Depois da quebra de sigilo de toda a família do Serra – há quem não veja mal algum nisso, principalmente porque a ação é contra o ‘inimigo’, esquecendo que mais adiante isso pode acontecer com os ‘seus’ ou a si próprio -, resolvi não me meter mais em política.

Quer dizer, já prometi isso antes, muito tempo atrás, depois do assassinato do prefeito de Santo André, o Celso Daniel, seguido de várias mortes de pessoas envolvidas com o caso, mas agora é pra valer.

Temia que iria respingar chumbo em mim. Não tenho patrimônio material, a não ser um carro popular, mas temo que devassem minha vida.

Podem descobrir, por exemplo, que andei passando minhas coisas mais valiosas para terceiros, laranjas. Uma maneira de ludibriar o fisco.

Meu filho mais novo, por exemplo, herdou meu time de botão, com mesa oficial e tudo. Não é pouca coisa, não. É um time de botão de galalite, não de acrílico.

Minha coleção do Pasquim, do número 1 até o 171, transferi para o nome do meu filho do meio.

Meus discos de vinil, ah meus discos de vinil, acompanhado do toca-discos, passei para a minha filha. Ela nem toca nisso – primeiro, porque ela prefere MP3 ou outra dessas modernidades; segundo, porque eu não deixo, legalmente é dela, mas só legalmente.

Minha máquina de escrever, uma velha Remington de guerra, deixei pra uma afilhada. Até hoje ela não entende bem pra que serve essa geringonça.

Para um sobrinho deixei um relógio Tissot, automático viu!, não precisa nem dar corda. Impressionante.

E por aí vai. Não tenho mais nada em meu nome, só o carro, mas tenho como justificar sua aquisição em 240 prestações, sem entrada.

Quero confessar que, na verdade, todas as outras coisas, sucata para alguns, estão comigo. São minhas, tenho o usufruto em vida, claro, porque em morte fica mais complicado.

Só não entreguei oficialmente, ainda, uma camisa do Baltazar, aquela do time campeão brasileiro de 1981.

Tem, ainda, uma foto minha, lá pelo meus dez anos, ao lado do Airton Ferreira da Silva, num jogo do Grêmio contra o Lajeadense, no estádio Florestal.

Enfim, são meus maiores valores materiais.

Desconfio que a devassa fiscal no governo do nunca antes (agora se vê que é do nunca antes mesmo) não se preocupe com essas coisas, mas nunca se sabe.

É melhor prevenir.

Como já escrevi antes, tem gente capaz de tudo – de tudo mesmo – para não largar o osso.

SAIDEIRA

Por falar em prevenção, não custa repetir que não me agrada o modo de pensar futebol do Renato Portaluppi (Renato Gaúcho é coisa dos cariocas). Ontem, ele armou um 4-2-4 desde o início do jogo. Antes, ele já havia revivido o esquema dos anos 60 durante um jogo, quase matando gremistas do coração. Agora, ele se superou.

O Grêmio venceu, e isso é o que importa num primeiro momento. Mas o campeonato é longo e nem sempre os adversários serão tão frágeis ofensivamente como o Atlético Goianiense, que ainda por cima jogou sem seu goleador.

Adilson foi soberbo, formidável. Me lembrou Falcão no início da carreira, tirando a bola e saindo com a cabeça erguida. Eu posso falar porque vi Falcão jogar mais de 50 vezes, inclusive no Interior, inclusive entregando a ele troféus de melhor em campo numa promoção da Caldas Jr. Dos anos 70.

Adilson, o Falcão do Grêmio. Em breve estará brilhando na Itália, e talvez seja eleito o novo Rei de Roma.

Sei que vou irritar gremistas e colorados, mas é isso mesmo.

Ah, gostei também do Douglas, mais participativo, até marcando

Se gostou, compartilhe!