Arena, cenário de um grande jogo nesta quinta

O Santos com Ricardo Oliveira e Lucas Lima é um adversário poderoso. Esses dois estão levando o técnico Dorival Jr nas costas.

Se eles não puderem jogar nesta quinta será um presente dos deuses do futebol ao Grêmio.

Lucas Lima cria a maioria das jogadas santistas. Ricardo Oliveira aproveita e mete a bola pra dentro.

Simples, porque o futebol, por natureza, é simples. As pessoas que complicam. Os analistas de nariz empinado criam frases e desenham esquemas que, na prática, não existem. É hexagono pra cá, triângulo pra lá. 

Bem, dentro da lógica muito conhecida de todos os gremistas um pouco mais atentos de que tudo muitas vezes conspira contra o Grêmio, os dois vão jogar.

Tem essa história da CBF que não permite que o atleta jogue antes do período de 60 horas entre uma partida e outra.

É claro que essa norma será pisoteada pelo simples fato de que o clube a ser prejudicado é o Grêmio.

Vão dizer que eu exagero. Pode ser, mas tenho minhas razões.

Eu tenho memória ruim para as coisas do futebol. Mal e mal sei que o último jogo do Grêmio no Brasileirão foi contra o Cruzeiro e deu empate por 0 a 0. E fico por aqui.

Mas tem algumas coisas que estão marcadas a ferro e fogo em minha mente de sobrevivente dos anos de chumbo, a década de 70.

Por exemplo, não esqueço que esse presidente da comissão de arbitragem, Sérgio Corrêa, foi o bandeirinha que em meados dos anos 90 anulou um gol legítimo de Jardel numa Copa do Brasil.

Esse nome está na boca do sapo.

Agora, nada mais eloquente para exemplificar o que digo foi o que aconteceu na decisão Grêmio x Ajax, no Mundial.

Pela primeira vez e, salvo engano, a única, que um juiz expulsou um jogador por causa de repeteco do lance no telão do estádio.

O juiz marcou falta de Rivarola, mas ao ver o lance no telão decidiu dar o vermelho para o zagueiro tricolor, que passou a jogar com um a menos contra o forte time holandês.

Há outros exemplos. Vocês devem lembrar de outros casos semelhantes.

É por essas e por outras que não tenho dúvida de o Santos vai jogar com seus dois melhores jogadores.

Já o Grêmio não terá seu melhor jogador: Marcelo Grohe. Há quem não goste dele – futebol é fascinante também por isso -, mas Grohe transmite segurança ao time, em especial aos zagueiros. Quem conhece um pouco de futebol sabe o quanto é importante essa confiança mútua ali atrás.

Joga Bruno Grassi. Poderia ser Thiago.

Tanto faz.

Em compensação, volta Maicon, e com ele a formação titular que levou o Grêmio a empilhar vitórias.

Se o time voltar a jogar aquele futebol de semanas atrás é possível vencer esse jogo de seis pontos, mesmo que Lucas Lima e Ricardo Oliveira realmente joguem.

Difícil prever quem ganha, mas o fato é que a Arena será cenário de um grande jogo.

Se gostou, compartilhe!