Cinco doses ácidas

1ª dose – Informação que obtive de duas fontes absolutamente confiáveis: o vice-presidente Luís Onofre Meira é motivo de chacota por parte dos jogadores.
Se é assim, e não tenho por que duvidar, a situação é mais feia do que parece.
Afinal, o presidente Duda Kroef afirmou que a influência de pressões contra Silas e Meira é zero, que ele está acostumado com isso desde piá.
Vamos ver se a firmeza demonstrada pelo presidente resiste a um eventual resultado negativo contra o Vasco.

2ª dose – Leio declarações do preparador físico Anderson Paixão sobre o momento do time, lesões, etc. Ele diz que em todos os clubes existem jogadores lesionados. Citou, por exemplo, o zagueiro Miranda, que desfalcou o SP por causa de um corte.
O que se questiona é o elevado número de lesões musculares no time gremista desde o começo do ano, nunca contusões resultantes de ação externa.
A propósito, o preparador físico não deveria ser o Paulo Paixão?
Por melhor que seja seu filho, Paixão é insubstituível. É um dos profissionais mais conceituados da área e, pelo que sei, tem forte influência no vestiário.
É inegável que falta pelo menos uma voz forte e impositiva no vestiário gremista.

3ª dose – Soube pelas minhas fontes que alguns jogadores andam abusando da bebida, o que ajuda a explicar o declínio do time – além do despreparo do treinador – após a Copa do Brasil.
No recesso, sem maiores compromissos, o pessoal pode ter passado da conta.
E como aparentemente não há maiores cobranças, o resultado é um time incapaz de se impor ao adversário, mesmo que seja um Vitória, em casa, e o Prudente com um jogador a menos.
Ah, esse pessoal não freqüenta o boteco.
Aqui, se aparecerem, é só água. Da torneira.

4ª dose – A constatação que fiz já faz uns 10 dias sobre a perda de comando do vestiário pelo técnico aprendiz ganhou múltiplas adesões desde ontem. Muita gente da mídia e fora dela está chegando agora à mesma conclusão.
Se nem assim o presidente Duda vê motivo para mudar…

5ª dose – O Grêmio poderia alterar seu estatuto. Sugestão: proibir que o comando do futebol fique nas mãos de empresário que anuncie seu produto na mídia que faz cobertura esportiva.

Qualquer relação com o que está acontecendo não é mera coincidência.

Se gostou, compartilhe!