Milton ‘gol, gol, gol’ Jung

A geração que marcou o apogeu do rádio no Estado sofre mais um desfalque: Milton Jung, que desencarnou na manhã deste domingo aos 83 anos.

Conheci o Milton nos corredores da Caldas Júnior, onde trabalhou por 56 anos.

O que pouca gente sabe é que Milton, além de excelente narrador, que nunca deixou transparecer seu gremismo durante os jogos, também produzia textos publicitários para a rádio Guaíba.

Escrevia muito bem e cobrava dos redatores do Correspondente Renner, às vezes sutilmente no ar, na entonação de voz ou na redução do ritmo de leitura. Na redação, todos sabiam que era a senha de algum erro na elaboração da notícia.

Aliás, Milton tinha um ritmo acelerado na leitura, um ritmo forte e constante. Outros locutores não conseguiam manter essa velocidade.

Era impressionante a forma como ele lia as notícias, sempre com um dedo tapando um ouvido, concentrado, como se estivesse em transe, e aquela voz transbordando energia. Um grande profissional.

Meu primeiro contato mais próximo com ele aconteceu em 1978, final de ano, quando subi do primeiro andar, onde era a redação da Folha da Tarde, para o terceiro, onde ficava a Rádio Guaíba.

Eu, jovem repórter, fora incumbindo de coletar a sua seleção do campeonato gaúcho daquele ano, coisa tradicional da imprensa gaudéria. Naquele tempo, ninguém poupava jogadores no campeonato. O Gauchão era hiper valorizado.

Quando o encontrei, ele já foi me estendendo a lista de sua seleção, que seria publicada no dia seguinte na Folha.

Fiquei espantado quando li a relação: era o time inteiro do Grêmio, do goleiro ao ponta-esquerda. E foi sempre assim, ano após ano.

Hoje, refletindo sobre isso, concluí que essa era uma maneira que o gremista Milton encontrou para reagir contra os colorados da imprensa, que sempre privilegiaram seus jogadores na hora de formar seleções de campeonatos.

Milton foi, portanto, um dos raros gremistas, assim como Antônio Augusto e Paulo Sant’ana, que reagiu ao ataque em bloco daquilo que o blog ‘cornetadorw’ define como IVI, hoje uma expressão inquestionável.

Apesar de consagrado como a ‘voz do rádio’, Milton sempre foi um sujeito humilde. Para ilustrar essa afirmação, lembro-me de uma história. Eu era diretor da rádio da Universidade/Ufrgs.

Havia um greve. Um grupo de estudantes da Fabico pediram um espaço na rádio – também em greve mas funcionando só com música – para informar sobre a paralisação e alguma atividade em andamento. Lá pelas tantas, o grupo (eram uns 20 alunos), decidiu oferecer um prêmio (um GOL) para sortear entre os (poucos) ouvintes.

Terminada a greve, foi anunciado no ar o nome do vencedor, que teria direito mesmo ao gol.

O Gol não era o carro, mas o grito de gol narrado por Milton, que dias antes havia concordado em gravar o seu ‘gol, gol, gol’ para a gurizada.

Bem, esse foi um pouco do Milton que conheci e de quem recebi um exemplar do livro, lançado na Feira do Livro do ano passado, por ele autografado.

Bem, a voz do rádio silencia. Ninguém nunca mais vai narrar um gol do Grêmio com tanta verdade, tanta paixão.

Grêmio encaminha classificação com gols de Tardelli e Braz

Acostumado a jogar com dez, o Grêmio nem sentiu a falta de Geromel, expulso no começo do segundo tempo. Tudo indicava, porém, que seria uma noite de terror, até porque a arbitragem estava pra lá de suspeita.

O técnico Renato ‘Midas’ Portaluppi, tirou uma carta da manga. Sacou quem não deveria sequer ter entrado e colocou em campo o zagueiro David Braz, cuja contratação foi bastante questionada (‘óooh, vai tirar espaço do jovem
Rodrigues’, diziam).

Renato, forçado pelas circunstâncias, tirou quem pouco contribui e nada acrescenta.

O espaço ocupado por André na área de forma nada produtiva acabou sendo preenchido por outros jogadores de maneira mais resolutiva.

Isso ficou claro nos dois gols da vitória por 2 a 0 sobre o Libertad. No primeiro, aos 25 minutos, Kannemann (excelente atuação) disputou com a zaga e desviou de cabeça para Tardelli bater de voleio à queima-roupa. Como teria sido se André estive ali?

A mesma pergunta vale para o segundo gol. Aos 38, David Braz, de cabeça, mandou para a rede. As duas bolas levantadas para a área foram de Alisson, outro de bela atuação.

O Grêmio como um todo foi muito bem. Teve 77 por cento de posse de bola no primeiro tempo, mas sem efetividade. No segundo, na base da superação a partir da expulsão de Geromel após consulta ao VAR, o Grêmio foi mais objetivo, atacando com eficácia e bloqueando a entrada da área.

No jogo da volta, o Grêmio se classifica mesmo perdendo por 1 a 0. Espero que o gol ajude Tardelli a recuperar a confiança. O time vai precisar muito dele, assim como de Luan.

NOS ACRÉSCIMOS

Fiquei empolgado com a atuação do meia Franco. Jogou muito.

Testes de tolerância: André de titular e transmissão pelo face

André de novo começa o jogo. É um desafio à tolerância do torcedor, principalmente ao que paga ingressos – caros até para quem tem desconto de sócio – para ver André em campo e, por exemplo, Luan no banco de reservas.

Que Renato tem mais condições do que eu de avaliar o que é melhor para o time, não tenho dúvida. Falo por mim, apenas por mim, pois sei que alguns gremistas acreditam mesmo que sabem mais que o técnico. Normal. Isso vale para torcedores de todos os clubes. O técnico está sempre por um fio de ser chamado de burro.

Não acho que Renato seja burro – se ele é burro o que sobre para os mortais comuns que nunca terão uma estátua para ser chamada de sua? -, mas ele ao insistir com André parece acreditar que o seu camisa 9 a qualquer momento vai deslanchar, calando seus (do André) críticos, que cada vez são mais numerosos e tolerantes.

E olha que não me incluo nesse grupo. Não quero André porque ele não faz o que deveria fazer, o gol; e não quero André porque ele tem um substituto muito mais qualificado, que é o Luan.

Não entendo por que Luan não começa. Se é porque André prende e preocupa a zaga por ser centroavante, Luan preocupa muito mais. Sem contar que faz o time jogar e num lampejo pode decidir o jogo.

Talvez Renato pense que Luan ainda não está na sua melhor forma física e técnica, por isso prefere que ele entre no decorrer do jogo, pegando o adversário mais desgastado.

É uma ideia. Mas ainda assim, dentro das minhas limitações, entendo que Luan deveria começar, deixando Tardelli (cada vez mais parecido com André pela pouca resposta que dá) como opção de luxo.

Bem, o importante é vencer com ou sem André, de preferência sem deixar o Libertad fazer gol.

FACE e UÍSQUE

O jogo vem apenas pelo facebook. Na outra vez foi muito ruim assistir pelo face (maldita ideia que tiveram). Espero que desta vez o jogo não tranque tanto. Vou exercitar minha tolerância com André e com o face.

Antes do jogo, vou abrir os trabalhos com uma ou duas doses de uísque (uísque meia-boa, não sou como um velho parceiro de Recife, que só bebe de 12 anos pra cima (igual a um certo atacante tricolor).

Depois, vou no vinho tinto que ninguém é de ferro.

Arena? Não, caro demais o ingresso para cadeira gramado, minha preferida, R$ 102.

Mais um pouco compro um litro de Chivas.

O gol de Luan foi o melhor lance do Gre-Nal 421

Empatar dentro do Beira-Rio lotado de colorados não pode nunca ser considerado um mau resultado. No Gre-Nal de reservas, pelo mau futebol apresentado pelas duas equipes, em especial a do Grêmio, o empate foi o resultado mais justo.

As duas equipes perderam dois pontos. Ganharam apenas um, o que já é muito pela bolinha de jogaram. Nenhuma delas fez por merecer os 3 pontos, que, no caso do Grêmio, serviriam para ultrapassar o rival na tabela de classificação.

Aqui na aldeia isso tem muita relevância, mas não afastaria o fato de que os dois, Grêmio e Inter, aspiram no máximo uma vaga na Libertadores, porque título é quase impossível.

Quero revelar que no segundo tempo, irritado com o Grêmio, que não havia levado perigo ao goleiro adversário, teve momentos em que, de tão revoltado, comecei a sorrir de nervoso diante dos passes errados de TODOS os jogadores do Grêmio.

Por falar em sorrir, o que foi esse gol que o Paulo Miranda marcou? São dois gols de cabeça ridículos em dois jogos (o outro foi contra o Bahia). Coisa mais varzeana é impossível. O goleiro Júlio César, que logo no início salvou o time em dois lances seguidos, deveria ter alertado o zagueiro que a bola era sua, mas PM acabou marcando contra.

E por pouco não foi o gol da vitória colorada. Mas aí apareceu Luan, bem ao estilo de centroavante, cabeceou para a rede após cruzamento de Capixaba, em jogada que a participação de Tardelli na origem. Um golaço.

Até o gol, aos 27 minutos, o Grêmio não havia levado perigo ao goleiro Danilo Fernandes, que só fez uma defesa, e das mais difíceis, quase no final, quando Pepê quase marcou.

Para falar e escrever negatividades sobre esse time B do Grêmio tem muita gente. Eu prefiro um olhar mais positivo sobre o que aconteceu neste domingo no clássico 421.

Primeiro, o gol de Luan, que pode contribuir para a volta do grande Luan que todos nós admiramos, no caso dos gremistas, e invejamos, no caso dos colorados e torcedores de outros grande clubes do país.

Luan está voltando?

Segundo aspecto positivo: o gol foi a faísca que acendeu Tardelli, que pareceu mais interessado a partir dali, revelando até uma certa sintonia com Luan. Os dois chegaram a se abraçar, acabando com essa história de inveja e boicote.

Por fim, destacar o trabalho de Thaciano, incansável. Foi o melhor de um time de atuação irritante.

Éverton, que já não havia ido bem no jogo anterior, voltou a decepcionar, pelo menos a mim. Teve um lance quase no final em que ele ficou frente a frente com Cuesta, junto a linha de fundo, quase na grande área. Era o momento de buscar o drible e invadir a área, quem sabe até cavando um pênalti, mas Éverton pipocou, recuou a bola. Quero confessar que quase saí da frente da TV.

Mas Éverton continua com muito crédito.

Sobre Gallardo, achei interessante a intenção de Renato, mas a ideia de liberar mais o Léo Moura para a jogada ofensiva não deu certo. Renato só tirou Gallardo no segundo tempo. Demorou. Gostei da entrada de Darlan, que entrou com personalidade, credenciando-se ainda mais.

No final das contas, pelo que jogou o Grêmio o empate foi mesmo um bom resultado. Mas vamos em frente. Agora, Libertadores.

Grêmio ainda joga o melhor futebol do país

A manchete já estava pronta nas redações e nas redes sociais: Roger vence o duelo com Renato. Seria mais ou menos isso que a gente encontraria em caso de derrota na Fonte Nova.

Deu ‘zebra’. Tiveram de adiar o projeto ‘detona Renato’.

Com o esquema de sempre, recusando-se a jogar por uma bola como tem feito desde que assumiu, Renato conseguiu mais uma vitória e o GRêmio mais uma vez está numa semifinal da CB, o que não é pouca coisa.

E o gol da vitória por 1 a 0 foi de um jogador que ainda não se afirmou perante a maior parte da torcida, e que muitos queriam na reserva para começar o jogo com Pepê. Renato foi chamado de tudo por ter feito essa opção. E lá foi o Alisson sem medo de ser feliz, a dribles, invadir a área para fazer um golaço. Ah, lançamento sensacional do Matheus Henrique, um dos melhores em campo.

Roger, que não insiste em seu esquema preferido porque não tem a qualidade necessária para isso, perdeu não por seus acertos ou erros, foi porque seu time, tecnicamente, é inferior ao do Grêmio. Reconhecendo isso, o que é mérito, jogou como jogam quase todos que enfrentam o Grêmio.

Roger acabou eliminado pelo esquema que ajudou a construir e entregou para Renato lapidar, aprimorar. O Midas fez a sua parte, conquistou títulos e, quando todos esperam que chegou ao fim da linha (como eu mesmo cheguei a cogitar), ele renasce fulgurante como aconteceu na terra dos Orixás.

E isso que ainda tem Luan e Tardelli para manter e elevar a qualidade da equipe, que, com esses dois em plena forma técnica e emocional, colocam o Grêmio como favorito a conquistar o hexa da Copa do Brasil.

VAR E APITO

Claro, existem alguns obstáculos. Como dizia Drummond, meu poeta favorito, há umas pedras no meio do caminho. Além dos adversários, Atlético PR e Inter (o Cruzeiro não tem chance, porque no BRio coisas incríveis acontecem e sempre beneficiando o dono da casa.

Sim, foi pênalti em Felipe Mello. O curioso é que a imagem do lance a TV só mostra por um ângulo, pelas costas. A câmera de frente para a jogada mostra que foi pênalti mesmo, e que o juiz acertou.

Mas o glorioso VAR anulou a marcação do juiz. Aliás, o VAR foi protagonista naquele gol em impedimento do Inter e que gerou muita polêmica. Se não me engano, foi a única vez que o chefe da arbitragem, Leonardo Gaciba, foi correndo justificar o injustificável.

Na Fonte Nova, o VAR prejudicou o Grêmio ao não assinalar pênalti do lateral no lance com André. Antes, o VAR já havia anulada a marcação de pênalti pelo juiz a favor do Grêmio, num lance discutível em que Alisson foi empurrado na risca da grande área.

Sobre André, ele até foi bem no jogo. Comparo com os outros camisas 9 que vi na rodada: Gilberto, Guerrero e Deyverson. André não foi pior que nenhum deles. Foi até melhor na rodada.

É que tem sido dura a vida do centroavante que fica mais centralizado.

Dias atrás elogiei o Deyverson. Quero retirar o elogio. Que atuação ridícula contra o Inter.

PALMEIRAS

Esse Palmeiras realmente tem um grupo muito bom, mas não tão bom quanto dizem por aí. São jogadores médios, sem nenhum destaque individual capaz de mudar a rotina do time, quebrar a mesmice do esquema padrão Felipão. O mais qualificado nesse aspecto ainda é Dudu, o que convenhamos.

Então, o Palmeiras tem um time ajustado para maratona, não para tiro curto, o mata-mata.

Por fim, se o Palmeiras for campeão brasileiro, como tudo indica, não poderemos afirmar que ali está o melhor time, e sim o melhor grupo.

De minha parte, o melhor futebol do Brasil ainda é praticado pelo Grêmio, apesar da queda visível de rendimento.

E ser o melhor não significa ser campeão, porque o futebol da escola do Felipão e suas crias, Mano e Odair, é mais objetivo e pragmático, normalmente vencendo com um gol de cabeça, o que também é válido, claro.

Mas eu prefiro o futebol que o Grêmio pratica, da escola guardiolana.

O técnico ‘Midas’ e seu camisa 9 que não deslancha

Se o Grêmio alcançar a classificação nesta noite, em Salvador, estará provado que seu time de dez jogadores é mesmo muito forte.

Tão forte que dez conseguem levar junto um jogador que tem sido um peso morto, um jogador que chegou precedido de trajetória com alguns pontos altos e outros baixos como um rodapé. Irregularidade, portanto.

Esse jogador, cujo nome não vou escrever aqui porque seria chover no molhado, todos já sabem de quem se trata, estará em campo mais uma vez, e sabe-se até quando o técnico Renato Portaluppi vai insistir com ele.

Renato corre o risco de ser eliminado precocemente da Copa do Brasil – e nós com ele. Aliás, a eliminação poderá ter reflexos no Brasileirão e na Libertadores.

O poder de Midas, que Renato revelou com vários jogadores, a começar por Éverton, que ele transformou de perdedor de gols a fazedor de gols (vale o mesmo para Pedro Rocha), não está sendo suficiente para elevar André a goleador de fato.

Cabe a nós, gremistas, mais uma vez acreditar que ‘agora vai’, que os gols vão finalmente surgir sem depender basicamente do Éverton e agora do Pepê.

Ou, melhor ainda, esperar que mais uma vez a imprensa erre em sua especulação, e que Renato surpreenda colocando Luan mais adiantado, afastando o camisa 9 baixo astral, que não consegue dar a volta por cima para justificar os 10 milhões reais investidos pelo clube em sua contratação.

Já em relação a Tardelli, depois dos últimos acontecimentos, já não acredito nele. Não vejo em Tardelli um atleta comprometido realmente com a camisa tricolor. Ele está aqui, mas com um pé fora e com as malas prontas. É o que ele me transmite em suas manifestações nas quais ele envolve Deus a cada frase. Não acredito em atleta com esse discurso.

O último que levei a sério, e deu certo, foi Baltazar, aquele que dizia “Deus está guardando algo melhor para mim”. E aconteceu aquele gol que até hoje me emociona, o 1 a 0 sobre o São Paulo, no Morumbi lotado.

Pepê comanda a virada e neutraliza ameaça de crise no Grêmio

Gol de um pênalti cometido por um estreante (David Brás) logo no início, um time confuso em campo, com excesso de passes errados, a nova ausência de Diego Tardelli e a irritação da torcida com a escalação de um misto frio. Elementos suficientes para desestabilizar qualquer trabalho.

O circo para instalar uma crise de vez no Grêmio estava armado. O que tem de gremista – o tipo que torce mais por suas teses e que se encontra em todos os clubes – que ficou frustrado com a vitória de 2 a 1 sobre o Vasco. Sem contar alguns integrantes da mídia, claro.

Uma derrota deixaria o técnico Renato em situação complicada, e as vaias seriam inevitáveis. Seria um clima péssimo para o jogo decisivo contra o Bahia. Cheguei a temer pelo pior diante do que acontecia em campo.

Mas felizmente o Grêmio conseguiu virar um jogo que se encaminhava como trágico com o segundo gol vascaíno, anulado corretamente pelo VAR. Penso que foi a primeira virada do time B tricolor com Renato no comando.

Muito criticado nos últimos tempos, pelas atuações do time e pelo excesso de folgas dos titulares como aconteceu neste sábado, Renato conseguiu acertar o time com a entrada de Éverton e a saída de Rômulo, ainda no primeiro tempo, passando Pepê para a direita.

Foi por ali, após receber uma bola milimétrica de Luan (que está em processo de recuperação para ser o velho Luan de guerra), que o atacante empatou o jogo, com um chute forte e rasante em diagonal.

O gol da vitória aconteceu aos 40 minutos, com um cruzamento tipo com açúcar e com afeto do velho Léo Moura, que infelizmente não tem mais a vitalidade necessária para suportar 90 minutos em alto nível. A bola passou sobre Da Silva, mas não por Pepê, que deu uma cabeceada estilo Jardel.

Um golaço do provável substituto de Éverton, que talvez nem jogue em Salvador. Após a partida ele revelou que tem proposta de um clube europeu. Se confirmar será lamentável, será como encerrar o ano em julho/agosto.

Não dá nem pra culpar a direção se for uma oferta daquelas irrecusáveis. Até porque o jogador vai ficar beiçudo.

Já basta o Diego Tardelli para tumultuar e irritar a nação tricolor. Aliás, Tardelli deve mesmo ser negociado. E tudo indica ele vai para o Atlético Mineiro. Um grande banco insiste em contar com Tardelli, que estacou no sexto jogo pelo brasileiro e dali não sai. Pode, portanto, defender outro clube na competição. Escrevi há pouco dias: tudo é uma questão de caráter.

Ainda sobre o jogo, o Grêmio foi irregular, e seu grande mérito foi ter capacidade de reação, de sair do resultado adverso para uma vitória muito importante. Até os melhores erraram acima da média.

Gostei de ver Patrick, um guri de muito futuro, e Da Silva ‘Esperança’, que jogou uns dez minutos, mas não se intimidou. Sinal de que foi bem preparado por Renato, que apostou nele depois de saber que não contaria com o jogador que custa em torno de 1 milhão de reais ao clube e que até agora jogou uma bolinha varzeana, com todo respeito aos bravos e dignos jogadores da várzea, que muitas vezes jogam de graça ou por um sanduíche de mortadela, mas jogam.

Esperança, teu nome é Da Silva

O título pode parecer exagerado. E pode ser mesmo, é de propósito, é pra provocar. Alguém tem alguma esperança que André finalmente vai fazer gols? Então, Da Silva é a esperança. Pelo menos a minha esperança.

Rondinelli da Silva acabou de completar 20 anos. Renovou contrato há um mês, com uma boa multa rescisória. Resguardado o clube, chegou a hora de colocar o guri pra jogar.

Jogador que até os 19 anos, 20 anos, não mostra qualidades suficientes para receber oportunidades – mas oportunidades mesmo – pode entrar, a rigor, em lista de negociação. A não ser que seja daqueles casos de amadurecimento tardio, o que a comissão técnica, tanto da base como da principal, precisa ter competência para avaliar.

O fato é que Da Silva já foi lapidado o suficiente pelo Setor de Lapidação Técnica e Emocional (SLTE) do clube. É hora de jogar, de mostrar serviço. Vulgarmente falando, ou dá ou desce.

Cabe ao treinador Renato Portaluppi dar chances ao jovem Da Silva para que ele deslanche. Para isso, bastam 20% do tempo perdido com André.

Por mim, Da Silva já começaria o jogo deste sábado contra o Vasco, na Arena. O André não precisa descansar, não precisa ser poupado?

André saiu vaiado do jogo contra o Bahia – e olha que ele não foi pior que a maioria do time, mas tem o conjunto da obra pesando. Terá ele condições emocionais? Não, não tem mesmo. Folga pra ele, Renato.

Tem um detalhe, Da Silva é o típico aipim. Não tem essa frescura de sair da área pra buscar a bola, tabelar com o meia habilidoso e pretensão de driblar.

Da Silva não é como o André, um aipim envergonhado.

O tradicional camisa 9 não é exatamente o que eu prefiro, mas é o que a casa oferece. Ou Da Silva ou André? E aí, alguma dúvida?

E o falso centroavante, preferência de muitos, até em função dos 3 a 0 do Cruzeiro, com show de Pedro Rocha (R$ 900 mil mensais é o que ele queria para jogar no Grêmio, que preferiu o veterano Tardelli)?

Acho melhor a gente esquecer. Renato já disse que prefere o centroavante de carteirinha. Acho que o presidente Romildo deveria ter uma conversinha com seu empregado…

Voltando ao Da Silva, vejam o que disse Thiago Gomes, treinador do time de aspirantes, ao clibrbs:

-O Da Silva é um centroavante de posicionamento, com presença de área e ótimo  cabeceio. Gosta de jogar de costas para o gol, fazendo pivô. Um jogador de referência, com bom poder de finalização. Ele está aprimorando a questão técnica de atuar fora da área e evoluiu muito no jogo apoiado. É um centroavantão — destaca o treinador. 

É isso: esperança, teu nome é Da Silva.

INSCRIÇÃO NO BLOG

ATENÇÃO – Todos aqueles que deram número de telefone falso (que não atende ou está sempre ocupado) no ato inscrição para comentar aqui no blog terão seus registros ANULADOS.


Vale o mesmo para aqueles que simplesmente omitiram essa informação -número verdadeiro do (s) telefone(s).

Não obrigo ninguém a participar, mas exijo respeito às regras e a mim mesmo. Estou muito velho para tolerar malandragem.

O prazo para regularização é até às 15h deste sábado, dia 12.

A regularização deve ser pelo e-mail ilgowink@gmail.com

Muito grato aos que levam este espaço a sério, sem deboche.

Noite de vaia e decepções na Arena

Assim como muitos gremistas com quem conversei na Arena estava pilhado para rever o Cebolinha e para ver o time com Diego Tardelli, e com Luan no lugar do camisa 9. Meu aproveitamento foi de 50%. Tardelli não jogou por questões médicas e Luan ficou no banco. Começaram Jean Pyerre e (surpresa!), André.

Foi na entrevista coletiva após o empate por 1 a 1 com o Bahia que ficamos sabendo que Luan nunca esteve cotado para jogar de falso 9. Segundo Renato, ele foi testado na função mas o time não funcionou. Se o esquema com Luan não funcionou em treino, não seria no jogo que iria funcionar, disse Renato.

Foi um balde de água fria em mim e em todos que esperavam ver o time jogando como na Copa Brasil de 2016, sem o centroavante tradicional. Renato disse mais, que o time e ele preferem jogar com alguém dentro da área. Ou seja, André é titular, e agora mais ainda com a lesão de Vizeu, aparentemente muito séria.

Ficamos todos dependentes de André.

Então, esta é a pior conclusão da noite, que prometia ser de futebol bonito e vitória serena, e que terminou com a certeza de que Renato não vai mesmo abrir mão do camisa 9.

É claro que isso não impede que o time volte a engrenar – o que é quase uma obrigação depois da pausa para treinos de aprimoramento -, mas depois do que se viu diante do Bahia resta o temor de que um ciclo está terminando.

Não que o time tenha jogado mal, não mesmo. O time dominou, criou situações perigosas, inclusive com um chute de JP na trave direita.

Aliás, JP teve alguns momentos importantes no jogo, como esse chute na trave e a bola enfiada para Cebolinha no final do primeiro tempo, que resultou no pênalti, por sinal muito bem cobrado pelo principal atacante do time.

Contra JP o lance que poderia definir a partida a favor do Grêmio. Num raro lance de vitória pessoal, André deixou JP na cara do gol. Era só chutar, mas o jovem meia optou por encostar a bola para um companheiro, mas o fez de forma errada, para alívio do goleiro Douglas.

Não duvido que esse lance equivocado tenha causado a substituição de JP por Luan, o que aconteceu sob vaias de protesto da torcida contra a decisão de Renato. Naquele momento, poderia ter entrado Luan e saído André, mantendo JP em campo.

Aliás, consenso entre os torcedores que estiveram na Arena. Por isso, as vaias ao treinador.

Não se pode agradar a todos, afirmou Renato na coletiva. Agora, quando se desagrada a maioria é o caso de ter humildade e refletir a respeito.

Independente de qualquer coisa, o Grêmio mostrou futebol suficiente para superar o time baiano na Fonte Nova. Para isso, é preciso tirar os espaços de Arthur, um atacante arisco que infernizou a vida dos defensores do tricolor.

Sexteto de ouro para enfrentar o Bahia de Roger Machado

O time do Grêmio que enfrenta o Bahia nesta quarta-feira, às 19h15, é o que a casa oferece de melhor para o momento. O jogo vale pela Copa do Brasil, considerada prioridade máxima pelos baianos.

Sobre o time tricolor não existe unanimidade, claro, mas nem o torcedor mais cri-cri faria mais do que uma ou duas mudanças na escalação que vem sendo divulgada.

O torcedor mais amargo, aquele que veste ceroula e toma underberg com limão no café da manhã, contesta a ausência de Jean Pyerre. Renato, segundo eles, faz isso pra proteger os ‘cascudos’ e escalar seus ‘bruxinhos’. Então, por essa lógica maluca, Renato coloca seus, digamos, protegidos, acima dos interesses da equipe.

É Renato ‘empacando’ a trajetória de ascensão do jovem craque JP, assim como ‘empacou’ a carreira de Arthur e Pedro Rocha, e ‘atrasou’ o lançamento de Éverton, que era chamado de peladeiro e perde-gol, até passar pelo Padrão de Qualidade Renato Portaluppi (PQRP).

Também acho que JP merece a titularidade. Mas quem sairia? De novo não há consenso entre os torcedores. Alison, Tardelli ou Luan? São os que estão recebendo votos.

Qualquer um dos citados tem sua importância técnica e tática. A escalação de JP mexeria na estrutura. Sem Alison o Grêmio perde poder de marcação no setor direito, antes ocupado por Ramiro. Deixar Tardelli fora seria quase um absurdo pelo que ele mostrou antes da pausa da Copa América.

Se eu tivesse que sacar alguém para colocar JP, este seria Luan. Mas só pelo fato de que ele ainda não provou que merece ser titular de novo. Escreve aqui quem não assiste aos treinos. Acredito que se Renato escala Luan é porque acredita nele para começar o jogo. Simples. Ou alguém imagina que Renato faz isso porque Luan é seu bruxinho ou coisa parecida?

Então, considero a escalação do time a melhor possível. Jean Pyerre fica como alternativa para o segundo tempo ou alguma eventualidade.

Não vai falar, no futuro, alguém para dizer que Renato empacou o crescimento de JP.

Outra decisão importante do Renato é a escalação de Luan como um falso camisa 9, algo que eu e a maioria da torcida reivindicamos faz tempo, até em função das opções possíveis.

Então, o Grêmio vai com sua muralha defensiva tradicional, uma defesa entrosada como poucas no país.

Do meio de campo em diante só jogadores que tratam a bola por tu ou você. É um sexteto de ouro. É muita qualidade.

A grande atração, Éverton ‘Cebolinha’.

Resta saber se toda essa qualidade conseguirá se impor diante da retranca que Roger Machado vai armar na Arena.

JURÍDICO

Pouca gente fala nisso, mas o departamento jurídico do Grêmio conseguiu importante vitória no tapetão. O clube foi absolvido da absurda acusação de racismo no jogo contra o Fluminense, dia 5 de maio, pelo pleno do STJD. Havia uma condenação inicial, com multa de 30 mil reais. Resultado final excelente, até para futuras denúncias de incidentes nessa área.