Mazembe e a resposta de Enderson

Sem qualquer chance de o Inter se atravessar no caminho do Grêmio, aumentam consideravelmente as chances de título da Libertadores.

Otimismo nessa hora, dois dias depois de levar outra surra em Gre-Nal?

Otimismo, ainda mais partindo de mim? Não me reconheço mais. Nos últimos anos, mais de uma década, tem sido muito fácil acertar previsões sobre o Grêmio.

Há anos que acerto que esse ou aquele treinador não vai durar mais que alguns meses no cargo. Não erro uma. Quem duvidar é só olhar meus posts desde o último título nacional do Tricolor, sob o comando sério e competente do TITE, nome que venho clamando desde então.

Quer acertar algo em relação ao Grêmio, diga que vai ser um fracasso.

Isso é sinal de que o problema não está na superfície do time da hora, do técnico da hora, do dirigente da hora. É preciso mergulhar mais fundo. A deplorável frase de Odone publicada no Correio do Povo ajuda a explicar por que o Grêmio não acerta o passo: “O grupo da morte era grupo dos mortos”.

Então, de fracasso em fracasso vamos sobrevivendo, mas mantendo acesa a chama cada mais tênue da esperança. Porque, como já disse, o torcedor é antes de tudo um forte, um crente. Acredita sempre, mesmo quando tudo aponta para o contrário. Lembram como foi aquela decisão da Libertadores contra o Boca com o seu último grande time, enquanto o Grêmio dependia de talentos como o Tuta com seu maldito chiclé? Todos acreditavam num milagre no Olímpico, na imortalidade.

Então, é preciso acreditar. É mais fácil superar um San Lorenzo, com o Papa ou sem o Papa, e um Cruzeiro do que atropelar aquele Boca. Então, por que não acreditar?

Não precisam responder. Há vários motivos para não acreditar, começando pelo treinador, que se encaminha para ser unanimidade negativa. E pensar que muito fui criticado por questionar essa contratação.

Como apanhei! Confesso, gostaria de apanhar mais, como Cristo na cruz, com o Grêmio campeão e o Enderson apontando seu dedo de escriturário pra mim:

– Viu, você pode entender de cerveja, porque de futebol você não entende é nada.

QUESTÃO DE ORDEM para elogiar uma atitude de Enderson. Soube que quando foi demitido do Inter após ser eliminado pelo Cruzeiro no Gauchão, ele teve uma atitude sensacional, se é que a história é verdadeira mesmo. O Siegmann entrou no vestiário espumando e soltando fogo pelas ventas, gritando muito. Enderson, com a calma irritante que o caracteriza à beira do campo, teria respondido mais ou menos assim:

– Esse é o dirigente que perdeu pro Mazembe.

Foi demitido ali, na hora.

Ainda espero que esse Enderson da resposta mortífera, arrasadora, se revele e dê a volta por cima.

Afinal, ele não terá o Inter no caminho.

LUAN E ZÉ ROBERTO

Não tenho nenhuma dúvida de que os dois jogam contra o San Lorenzo.

Zé Roberto volta ao meio de campo, ao lado do trio de volantes.

Luan, se estiver bem mesmo, começa no lugar de Dudu, que retorna ao banco.

Será o time que começou a exitosa campanha na Libertadores.

É assim que eu penso que Enderson irá começar, e concordo com ele.

Acho que Bressan poderia formar dupla com Rodolpho.

RECORDE

O Boteco do Ilgo – que nem é mais meu, na verdade – bateu recorde de comentários. E comentários interessantes, o que me deixa muito contente. É bom saber que o boteco é visitado por gente inteligente, com ideias sobre futebol. As melhores, claro, são as que concordam comigo. Brincadeira. Seria uma chatice se não houvesse divergência.

Obrigado a todos.

Se gostou, compartilhe!