O Grêmio precisa um técnico do seu tamanho

Estou sem vontade de escrever sobre o Gre-Nal. Violentei minha consciência e tentei passar otimismo e confiança. Deu no que deu.

Algum parceiro aqui do blog pode mandar um texto analisando o ‘passeio’ colorado no Centenário. Mande para meu e-mail que eu publico mais tarde.

Até escreveria, mas as entrevistas que ouvi depois dos 4 a 1 me fizeram mal.

Escrevi, como muitos, no tuíter, que é hora de buscar TITE, imitar o que o Inter fez trocando Fossati em meio a Libertadores.

Pode ser injustiça com Enderson, que vai bem na Libertadores.

Mas no futebol, como na vida, sem sempre a justiça prevalece.

Levar goleada é demais. São muitos os culpados. Já escrevi antes, o principal é a direção, que não contratou um centroavante para disputar posição com Barcos, e deixou o argentino tomar conta do vestiário.

E trouxe um treinador…

Bem, reproduzo um texto que cometi em dezembro passado, após a contratação de Enderson Moreira:

Se o Grêmio não tivesse uma Libertadores pela frente, eu entenderia a contratação de Enderson Moreira.

Se restasse ao Grêmio apenas o campeonato regional, eu entenderia a contratação do ex-treinador do Goiás.

Afinal de Gauchão, ele entende. Teve uma experiência breve, é verdade, e não das melhores.

Foi demitido do Inter B após eliminação para o Cruzeirinho, no verão de 2011.

A rigor, o Grêmio contratou um profissional que há dois anos era demitido do Inter B. Há dois anos.

Uma das coisas boas da vida é que ela nos reserva surpresas. Tudo pode acontecer. De bom e de ruim. É como uma montanha russa.

Logo em seguida, Enderson estava no Fluminense comandando o time numa Libertadores. Vejam só. Do Inter B para a Libertadores do Flu de Fred e Conca em questão de semanas.

No Flu, ele foi eliminado nas oitavas pelo Libertad. Venceu em casa por 3 a 1. Tinha tudo para classificar-se. Mas conseguiu levar 3 a 0 no jogo da volta.

Este, em rápidas palavras, é o treinador que o Grêmio traz para disputar a Libertadores.

Um técnico que iniciou no Ipatinga, há cinco ou seis anos. Uma ascensão rápida.

É óbvio que Enderson tem algum valor. Só o fato de fazer Walter jogar, e jogar bem, já o credencia.

Terá ele capacidade de fazer o esguio Barcos fazer gols como o balofo Walter?

Há uma semana, quando começou a aparecer com mais força o nome de Enderson para o lugar de Renato, alguém da imprensa afirmou que ele traria junto o Walter. Confesso que ri na hora.

Parei de rir hoje. Só espero que a informação esteja 100% completo e que Walter desembarque no Olímpico.

Ao menos isso. Poderemos ter, então, Walter e Barcos. O Gordo e o Magro.

E seja o que Deus quiser.

Agora, duvido que Deus irá querer a Libertadores para o Grêmio se o próprio Grêmio não parece determinado a fazer todo o possível pela Libertadores.

O Grêmio lutou tanto para conseguir essa vaga direta, tanto.

A Libertadores começa assim, com um jeito triste de ponto final.

Se gostou, compartilhe!