O melhor de Caio: sacar Douglas

Quem leu e prestou um mínimo de atenção ao que escrevi no comentário anterior não se surpreendeu com a derrota por 2 a 1 para o Juventude, um time modesto comandado pelo treinador que indiquei antes de contratarem Caio Jr.

Se com 45 minutos de bom futebol do Gabriel contra o fraquíssimo time do Canoas o técnico gremista jogou para o alto suas mais caras convicções e armou um esquema com três zagueiros (sem ter um zagueiro sequer realmente confiável), o que vai fazer depois de uma derrota em que seu goleiro, Victor, evitou uma goleada retumbante com grandes, ou melhor, monumentais defesas?

Estou curioso para saber o que fará Caio Jr. Para ser coerente, ele deveria continuar com os três zagueiros. Mas como manter esse esquema que ele tirou da cartola se um, Saimon, cometeu um pênalti desnecessário, e outro, Grolli, foi infeliz ao cabecear contra? É muito guri na zaga. O beabá do futebol ensina que é temerário colocar dois jovens, ainda por cima em busca de afirmação, juntos. O ideal é colocar um veterano, ou experiente, ao lado, como faz o Inter com Rodrigo Moledo.

Não sou contra o esquema com três zagueiros, sou contra a adoção de qualquer esquema em função de 45 minutos de um jogador. Confesso que treinador que muda de opinião assim tão facilmente me preocupa, e muito.

Agora, em meio às nuvens escuras do fracasso no Jaconi, vislumbrei um raio de luz. A substituição de Douglas. Penso que é a primeira vez que Douglas é substituído tão cedo. O talento desse jogador é inegável, mas futebol é, como a literatura, muito mais transpiração que inspiração.

Douglas foi substituído por Marco Antônio, que precisa jogar nessa função para a gente saber se ele tem condições de ser o articulador do time, não tão habilidoso quanto Douglas, mas mais participativo, interessado e comprometido. Pena que Gabriel foi expulso (erro grosseiro do juiz) quando o Grêmio mais pressionava. Isso prejudicou qualquer análise de Marco Antônio.

É o momento de Caio Jr. tomar uma decisão: fazer como os que o antecederam e tentar arrumar um esquema para Douglas, ou substituir o meia de uma vez. É preciso considerar, ainda, que Douglas tem essa questão de renovar ou não o contrato. Douglas, ao natural, não demonstra muita disposição para se doar em campo, imaginem com a cabeça pensando em mudar de ares.

O que dizer do Fernando? Um guri protegendo outros guris. Fernando foi incansável, guerreiro. Marcou por ele e por Léo Gago. Não espero grande coisa de Léo Gago, já escrevi aqui, mas esperava ao menos que ele tivesse pegada, chegasse junto. Alguém viu esse jogador cometer falta? Volante que não chega junto é um meia que não deu certo. Ao Grêmio não serve.

Eu havia escrito antes que ele era o volante que Fábio Rochemback pediu para ser sua sombra. FR é muito, mas muito, superior a Léo Gago. Só que agora já foi. Reservo minha esperança agora em outro guri, o Misael. Mas aí já é gurizada demais para um time em formação. Preocupante.

Por fim, mantenho o que escrevi anteriormente: o Grêmio tem apenas seis titulares. São eles: Victor, que hoje calou os gremistas que o querem fora do time (mas eu sei que eles não vão sossegar enquanto Grohe não entrar na equipe); Mário Fernandes (de preferência como lateral, mas pode ser como líbero no esquema de três zagueiros), Júlio César, Fernando, Marcelo Moreno e Kleber.

INTER

Enquanto o Grêmio navega em águas turbulentas, o Inter segue tranquilo no Gauchão, mesmo com um time reserva. Venceu o Veranópolis por 3 a 1, recuperou Tinga e, conforme eu previ dias atrás, manteve D’Alessandro. Repito: Giovani Luigi vai fazer o diabo para provar que pode ser tão bom quanto foram seus antecessores, e que não é um frouxo como pensa boa parte da torcida colorada.

Luigi, num aspecto está sendo melhor que FC e Pífero: não vende jogador com facilidade, ao contrário.

A continuar assim, com os ventos soprando a favor, o Inter passa pelo Once Caldas.

ARBITRAGEM

Gostei do Daronco no Jaconi. Logo no começo ele acertou ao não marcar pênalti num toque de braço do Mário Fernandes. Teve um comentarista que afirmou que o juiz poderia ter marcado, porque o braço estava afastado do corpo. Errado. MF estava com o braço rente ao corpo. É claro que não estava colado ao corpo, porque ninguém consegue jogar com o braço colado. Talvez o comentarista quisesse isso.

Acertou no pênalti do Saimon e no marcado sobre Marcelo Moreno. Acertou na expulsão do zagueiro do Juventude, mas errou feio ao expulsar Gabriel. Não sei o que disse o auxiliar que estava próximo do lance, mas Gabriel não agrediu ninguém, apenas meteu o braço no peito do adversário numa tentativa de drible.

Se gostou, compartilhe!