Roth, primeiro acerto da direção

Com a autoridade – que outorgo a mim mesmo – de quem antecipou tudo o que aconteceu com o Grêmio nos últimos anos contando apenas com um profundo conhecimento de futebol e inigualável capacidade de análise – e nenhuma modéstia -, é que venho declarar que a contratação de Celso Roth é o primeiro acerto da atual direção.

Eu, um crítico ferrenho do referido treinador, devo reconhecer que o momento do time exigia um treinador com o perfil de Roth. Antes dele, claro, eu preferiria Felipão, Muricy ou Tite, mas como isso hoje é impossível, me conformo com Roth.

O que se quer de Roth é o mesmo que era cobrado de Renato Portaluppi no ano passado: escapar da segundona. O que vier a mais, é lucro. E isso Roth, com esse grupo de jogadores, tem condições de atingir.

Com Julinho Camargo o time seguiria ladeira abaixo, como um carrinho de lomba dos meus tempos de guri, sem freio.

Se a diretoria capitaneada pelo sr Odone se precipitou ao demitir Renato, errou ao contratar Julinho, acertou agora com Celso Roth.

Aliás, a contratação de Pelaipe seguida da contratação de Roth é algo que antecipei aqui há meses, ao perceber que estava em andamento um processo de fritura, lento e gradual, de Renato e dos homens do futebol. 

Hoje, o presidente do clube trabalha com quem sempre quis trabalhar desde que se candidatou.  E quero frisar que é assim que deve ser: o presidente (no futebol, na política, etc) trabalhar com quem tem afinidade e em quem confia, caso contrário acontece o que acabou de ocorrer no Grêmio.

Portanto, Celso Roth chega em boa hora. Ele, Pelaipe e o onipresente empresário Jorge Machado, agora com força total, para o bem e para mal. Espero que mais para o bem.

Sei que há muita rejeição ainda ao Roth, mas muito inferior ao que se percebia nas outras vezes em que foi contratado. Tanto é verdade que o próprio treinador destacou isso na entrevista de retorno ao clube.

Roth manifestou sua alegria ao verificar que na internet e nos programas de rádio havia muita gente elogiando sua contratação, ao contrário de situações anteriores. Roth ficou feliz, e até sorriu, sinal de que todos, mesmo os de coração mais duro e de carranca permanente, querem mesmo é ser amados.

SAIDEIRA

No treino desta manhã no Olímpico, Mário Fernandes se lesionou. Adilson vai jogar em seu lugar. No meio, FR, GS, Lúcio, Leandro (numa função parecida com aquela que defendi aqui e que remete para Taison) e a volta de Douglas. Na frente, o lobo solitário André Lima. Esquema parecido com o que utilizava no Inter.

Concordo com a proposta de Roth para enfrentar Felipão e cia. Concordo também com a permanência de Victor, contrariando alguns botequeiros precipitados.

SAIDEIRA

Inter também segue mal no Brasileiro. A derrota para o Fluminense escancarou de novo os problemas do time, a começar pelo isolamento de Damião. Aliás, Damião, sempre tão humilde, mostrou as unhas depois do jogo ao criticar a falta de jogadas pra ele. O correto seria conversar sobre isso no vestiário. Mas agora ele é um cara valorizado, um jogador ambicionado por grande clubes do planeta.

A derrota vai resultar no retorno do técnico Loss ao quase anonimato no clube. Loss teve sua chance, e assim como Julinho, a deixou escapar.

Acho que agora o Inter imita o Grêmio, de novo, e traz um técnico rejeitado, Cuca.

PROVOCAÇÃO

Para evitar o rebaixamento do Grêmio o ideal seria mesmo é repatriar Renato. Mas Renato está muito ocupado em salvar o Atlético Paranaense, e está conseguindo para desespero de seus corneteiros.

Se gostou, compartilhe!