1981/2011

E lá se vão trinta anos.

Muitos do que vão ao Olímpico hoje nem eram nascidos. E isso me faz lembrar alguns ex-coleguinhas do Correio do Povo, colorados, que também não eram nascidos quando o Grêmio foi campeão do mundo, ou estavam engatinhando.

Trinta anos se passaram desde o primeiro título brasileiro. Depois veio o de 1996.

Pior, bem pior, está o Inter, que conquistou seu último Brasileiro em 1979.

Em 1981 eu era setorista da Folha da Tarde no Grêmio. Eu e o Marco Antônio Schuster, que hoje edita a revista Press, onde ganhei duas páginas meses depois de deixar o Correio do Povo, dia primeiro de abril de 2010.

Já escrevi aqui que sofri muito na década de 70. Em 81, vi a chance de ter um pouco de alegria.

Confesso que me excedi, extrapolei minha função de repórter. Usei as páginas da Folha, brilhantemente editadas pelo Alberto Blum ou pelo Nilson Souza, hoje se destacando nas páginas da Zero Hora.

Ajudei o Grêmio a ser campeão brasileiro em 1981. Comecei a elogiar os guris que estavam subindo. Não mentia, eles arrebentavam nos treinos.

O técnico Ênio Andrade, um grande estrategista, raposa velha, era conservador, como a maioria dos técnicos. Monta um grupo e morre abraçado.

Mas era tanta pressão, tanta matéria exaltando jogadores como Paulo Roberto, Newmar, Odair e Casemiro. Ocorre que eles arrebentavam nos treinos. E nós destacávamos isso. Naquele tempo, a gente tinha acesso aos treinos, sem essa de treino secreto.

É claro que eu não estava sozinho nessa empreitada. Colegas gremistas, inclusive da concorrência, entraram nessa campanha do bem. Poderia citar seus nomes, mas deixo pra outra hora.

O fato é que aos poucos foram os guris do Olímpico foram entrando no time, saindo Uchoa, Dirceu ‘Jarrão’ e outros. Entre esses outros, nosso principal alvo: Renato Sá.

Nós queríamos Vilson Tadei no meio e Odair na ponta.

Por ironia, Renato Sá entrou no jogo contra o São Paulo, no Morumbi lotado, e fez o lance que resultou no golaço do Baltazar e no título de campeão brasileiro.

O São Paulo era uma seleção, um timaço. Olha que dupla de área: Oscar e Dario Pereyra, zagueiro uruguaio. Marinho no lateral-esquerda; Renato e Éverton no meio. Na frente, Serginho e Zé Sérgio. Grandes jogadores em todas as posições. Era metade de seleção brasileira da época.

Foi uma grande conquista. Há 30 anos.

SAIDEIRA

Vou fazer uma rápida comparação do Grêmio de 81 com o atual.

Goleiro: Vitor e Leão – parelho, dois grandes goleiros.

Lateral-direito: Gabriel e Paulo Roberto – fico com o segundo, um dos jogadores que mais ganhou faixas no futebol brasileiro.

zaga: Wilson e Rodolfo x Newmar e De León – fico com a segunda, claro. 

volante: China x Adilson – parelho, eu gosto do Adilson e em 81 preferia o Bonamigo. Mas o velho Ênio estava certo.

Bem, a partir daqui a coisa complica. São esquemas diferentes.

Vou deixar como meias FR e Lúcio contra Paulo Isidoro e Vilson Tadei.

Fico em cima do muro. É difícil essa comparação.

No 4-3-3 de 1981, Odair recuava mais para compor o meio de campo. A comparação mais próxima seria com o Douglas, apesar das características muito diferentes.

Acho que Douglas é mais jogador. Tivesse a valentia e a disposição do Odair seria craque.

Na frente é barbada: a dupla de 30 anos atrás, claro. Tarciso e Baltazar contra Leandro (ainda tem muito a evoluir) e Viçosa (ou Borges e André Lima, não importa).  

O Grêmio de 1981 tinha o fundamental no futebol: um goleador, o que tem faltando ao time nesta temporada.

Baltazar não era um craque, era até questionado. Estava mal na reta final do Brasileiro. Paulo Sant’Ana dava pau nele e tudo que é jeito.

Baltazar, religioso de verdade, treinava forte e repetia:

– Deus está guardando algo melhor pra mim.

Mas isso foi há 30 anos…

Ah, quem quiser fazer comparações será bem-vindo. Inclusive com o time de 1996.

Em 1981 e 1996 havia um matador no time.

Baltazar e depois Jardel.

Quem é o matador do Grêmio hoje?

Se gostou, compartilhe!