Os reservas do Grêmio e a provocação de Krieger

É impressionante como o técnico Celso Roth não consegue fazer esse time reserva jogar bem. São jogadores que estão juntos há algum tempo, muitas vezes treinando na mesma equipe. Cada um já mais ou menos conhece como o outro joga, como gosta de receber a bola, se no pé ou mais na frente, pelo alto ou por baixo, etc.

É lógico que o entrosamento não é o ideal. Aí seria até exigir demais, porque nem o time titular mostra bom entrosamento.

Sexta-feira, depois da jornada aqui no CP, num boteco, tomando umas geladas (boa a propaganda da Sol, a aquela da gelaaaada, embora a cerveja não seja boa, é quase tão ruim quanto tem sido esse time reserva do Grêmio), com uns amigos colorados, ouvi restrições ao time do Inter. Críticas fortes até ao Nilmar. E, claro, ao Tite.

No dia seguinte, ou seja, no sábado, o Inter goleou o NH e seguiu seu passeio pelo Gauchão, esperando por outro Gre-Nal, que, a julgar pelo que tem ocorrido, será a cereja no bolo. Alecsandro, substituindo Nilmar, fez dois gols. Ponto para quem critica Nilmar? Bem, eu sou muuuito mais Nilmar. A respeito do Tite nem escrevo mais, porque todos sabem o que penso dele, resumindo: um baita técnico.

Voltando ao Grêmio no empate por 1 a 1 contra a Ulbra: sem organização tática os melhores jogadores caem de rendimento e os ruins afundam. Então, fica difícil julgar quem pode ser útil na Libertadores. Do time que jogou ontem, mesmo com a avaliação prejudicada pela desorganização ‘organizada’ pelo Roth, vejo com chances de titularidade o Saimon, tanto na lateral quanto na área; o Maylson, como segundo volante de preferência, ou até como articulador no lugar de Tcheco; o Júlio César, como primeiro volante; o Herrera e o Reinaldo, que continua sendo, na minha opinião, o atacante mais completo do Grêmio. Vá lá: talvez superado pelo Jonas, que está arrebentando.

Douglas Costa entrou no segundo tempo e já fez mais do que qualquer outro. A posição ideal dele, pelo que tenho visto, é na função do Souza, mais solto, com liberdade para exercer seu talento. Pode ser também um segundo atacante. Eventualmente, na função do Tcheco. Ontem, o guri foi esperto: ajudou a marcar. Quando vi estava ao lado do Heverton. Já cresceu no conceito do Roth. Facilita, vira um volante.

Ah, Maxi Lopez já mostrou algumas qualidades.

Questão de ordem

O repórter Carlos Corrêa chega esbaforido de Canoas, onde acompanhou o empate do Grêmio com o Canoas, digo, Ulbra. Ele perguntou ao André Krieger se o Grêmio poderia mais adiante jogar com reservas num eventual clássico contra o Inter, já que há problemas de datas em função da Libertadores, o dirigente foi irônico:
– Não sei se é interesse do Noveletto (presidente da FGF) que a gente jogue com os titulares.
Depois de uma brevíssima pausa, Krieger concluiu:
– Afinal, ele é conselheiro do Inter.

Se gostou, compartilhe!