Mobilização na mídia para elevar auto-estima colorada

Mais uma vez a crônica esportiva gaúcha se mostra compadecida com o lado vermelho da força no Estado.

Desde que o Grêmio começou a acumular vitórias e conquistas, ao lado de alguns shows que encantam até torcedores de outros clubes, é perceptível o esforço dos analistas em tentar consolar os colorados. É um movimento forte para levantar a auto-estima desses torcedores.

Cronistas de ‘alta credibilidade’ na aldeia, de notória ‘isenção crítica’, argumentaram em seus canais que há aspectos positivos nessa hecatombe que atingiu o Inter nos últimos dias.

Sim perder dois grenais seguidos depois de transmitir ao torcedor a falsa ideia de um time altamente qualificado e hiper bem treinado é um desastre, um balde de água gelada, é triturar a esperança do colorado. Se bem que muitos colorados acumularam gordura em soberba e arrogância, e ainda preservam o comportamento de vencedor, mesmo perto do fundo do poço.

Bem, um defende que assim, eliminado do Gauchão, o Inter terá mais tempo para meditação e treinamento, e poderá preparar-se melhor para a Copa do Brasil, Brasileirão, etc. Outro, na mesma linha, fala em transformar limão em limonada. E por aí vai.

DESABAFO DO CAPITÃO

Esse universo paralelo está desmoronando. Nesta terça, se não me engano só na rádio Grenal, o líder máximo da seita colorada falou abertamente sobre o que acontece nos bastidores. Sobrou pra conselheiros que vivem dando ‘aula’ de futebol em programas de rádio e TV, e também para a administração do clube. D’alessandro revelou que o time trabalhou sem água e sem luz no CT.

Curioso que a imprensa, sempre tão atenta a tudo que acontece no Grêmio, não tenha noticiado isso. Terá sido em respeito aos dirigentes?

Qualquer outro jogador do Inter que falasse assim sofreria alguma sanção. Mas D’Alessandro é D’Alessandro. O argentino tem levado tanta bordoada do Grêmio, aquele clube que ele cansou de zoar, que não aguenta mais. Decidiu jogar tudo para o alto. Vamos ver o que fará a direção colorada.

Aqui, de trás do teclado, imagino que esse discurso do capitão colorado não é motivado apenas pelos maus resultados. Desconfio que ele tem muita grana a receber do clube e não está vendo sinal de pagamento em dia e, principalmente, de pagamento dos atrasados.

QUESTÃO DE CARÁTER

Caráter não se compra, nem tem pra vender. Não adianta ganhar milhões de euros, que não vai comprar caráter.

Penso nisso provocado pelo gesto do Arthur. Ele não foi criado no clube, mas demonstra carinho, afeto e respeito que raramente se vê em um jogador profissional de futebol.

Arthur beijou o distintivo do Grêmio com muita verdade no gesto.

Na hora não pude deixar de lembrar de outro profissional, um que foi criado, literalmente, no Grêmio, no velho Olímpico. Um que tinha muito mais razões para respeitar e amar o clube, e que não vacilou em jogar tudo na lixeira dos ingratos e indignos.

Uma simples questão de caráter, qualidade que Arthur tem de sobra. Por isso, meu respeito ao atleta e ao cidadão Arthur.

Ah, o outro agora segue o caminho da política. Estará entre os seus.

GRE-NAL

Se der de novo a lógica, o Grêmio vai enfileirar a terceira vitória seguida no clássico.

Vai pedir música no Fantástico? Sugiro ‘Meu mundo caiu’, da Maysa, uma cantora de fossa, bem adequada, portanto, ao momento colorado.

Agora, com Vuaden no apito temo pela integridade física de jogadores gremistas. E receio que os tais erros humanos serão contra o Grêmio, que já foi prejudicado no jogo da Arena, mas conseguiu passar por cima.

Grêmio goleia e torcida tricolor grita ‘olé’

Mais uma vez deu a lógica. O Grêmio se impôs pela qualidade técnica superior e um entrosamento que não se vê nem parecido hoje no futebol brasileiro, com todo respeito aos admiradores do Palmeiras, Corinthians, Flamengo, etc. O jogo terminou com a torcida tricolor gritando ‘olé’.

A vitória por 3 a 0 foi ao natural, e poderia ser mais elástica se o técnico Renato não tivesse pedido para seu time tocar a bola e levar o jogo até o final com esse placar, após o gol de Arthur.

Confesso que não gostei muito dessa ordem do Renato. Imagino que muitos gremistas queriam mais, queriam uma sacola de gols. Faz parte, mas, friamente, Renato estava certo. Um gol colorado poderia complicar um pouco para o jogo da volta.

Mas, aqui entre nós, acho que se o time apertasse chegaria ao quarto gol.

A única ameaça do Inter era a bola jogada pra dentro da área. É o tipo de jogada que o time inferior usa para tentar vencer o adversário mais qualificado. No primeiro tempo, Marcelo Grohe salvou dois lances assim. No segundo, operou um milagre ao impedir o gol de Rodrigo Dourado nos minutos finais, um lance que lembrou sua defesa milagrosa na Libertadores.

Conforme eu tenho repetido, a arbitragem gaudéria na dúvida sempre pende para o Inter, com algumas exceções que confirmam a regra. Neste clássico, Cuesta deveria levar cartão amarelo no lance em que ergue o braço direito para tocar na bola. Seria o segundo amarelo, logo, expulsão.

Fosse Kannemann, que disputava com Cuesta, a tocar na bola desse jeito tão escandaloso, Daronco marcaria o quê? Bingo, pênalti, conforme determina a regra. Ele favoreceu o Inter em outros lances menores. No final, sua atuação só não comprometeu porque o Grêmio foi avassalador no segundo tempo.

No Gre-Nal anterior, o Grêmio foi melhor no primeiro tempo. Desta vez foi no segundo, pra detonar teses sobre preparação física superior do Inter.

Contribuiu para essa superioridade o gol de Éverton aos 48 do primeiro tempo, resultado de uma jogada marca registrada desse time. Luan abriu para Ramiro pela direita. Ele poderia ter arriscado o chute, mas cruzou em diagonal para o lado oposto, onde entrava Éverton, às costas da marcação, para fazer 1 a 0.

Essa vantagem deu mais moral ao Grêmio e abalou os colorados, que pareciam sem forças para atacar. O Grêmio, diferente do jogo anterior, foi pra cima, não ficou esperando atrás, mesmo com o placar favorável. O Inter tratou de se defender, reconhecendo a melhor qualidade do adversário.

Aos 12, Geromel, de cabeça, obrigou Marcelo Lomba a uma grande defesa, ao estilo Grohe. Era muita pressão. Aos 18, Jael cobrou falta com perfeição, revelando uma qualidade pouco conhecida. A bola foi ângulo direito, um golaço do Cruel, provando que ninguém é completamente insuficiente.

O mesmo Jael deu um passe precioso de cabeça para Arthur, que recém havia entrado. Foi um lance de contra-ataque. Arthur correu em direção a Lomba, perseguido peles defensores, e chutou rasteiro para ampliar. Foi aí que Renato mandou o time levar o jogo até o final sem maiores riscos.

Conforme estava previsto, Luan foi vítima das chuteiras inimigas. Foram faltas em rodízio, coisa manjada. Na quarta falta, feita por Cuesta, o argentino levou o amarelo.

Destaques do Grêmio. começo com Grohe, fundamental na goleada de 3 a 0. Depois, a dupla de zagueiros, a melhor da América Latina. No meio, Jaílson foi um gigante no combate, na marcação, na dedicação, e até com a bola nos pés se mostrou competente. Maicon não foi bem desta vez, apesar de aparecer muito para o jogo. Saiu lesionado.

Na frente, Luan e Éverton deram muito trabalho aos seus marcadores. Destaque maior para Jael, pelo gol e pela assistência ao gol de Arthur.

MAU PERDEDOR

D’Alessandro voltou a mostrar que não sabe perder. Só faltou faniquito dentro de campo. Ah, mais uma vez ele não tentou apitar (valeu o toque do Maicon). Na saída de campo, impediu que os companheiros dessem entrevista. Chegou a puxar Fabiano, que era entrevistado. Coisa de guri birrento.

A iniciativa de Dalessandro foi criticada por toda a imprensa, menos pelo comentarista Guerrinha, segundo li nas redes sociais.

Acho que deu racha no vestiário da mídia esportiva.

Depois, de cabeça fria, o líder colorado admitiu o melhor momento do Grêmio e revelou sua dor: “Perder clássico dói”.

 

Nem juiz local e ausência de AV diminuem favoritismo tricolor

No jogo em que qualquer resultado seria bom para o comandante do Gauchão, Novelletto Primeiro e Único, foram contratados árbitros Assistentes de Vídeo, dois árbitros de fora do Estado e, portanto, fora do alcance (pelo menos em tese) da influência do conselheiro colorado.

Na hora do pega pra capar, em que o Grêmio pode reescrever o roteiro pré-estabelecido que vigora há anos Abaixo do Mampituba, a velha dupla de sempre, e sem AV (Árbitro de Vídeo).

A FGF, como se não soubesse, teria de ter solicitado isso 15 dias antes do jogo. Poderia ter feito o pedido e depois cancelado se não houvesse Gre-Nal. Simples. Mas a FGF ‘esqueceu’ e nos últimos dias fez jogo de cena dizendo que tentava autorização especial da Fifa/CBF.

Então, teremos neste domingo o sr. Daronco livre, leve e solto. O juiz que deixou impune a covarde agressão sofrida por Bolanos num clássico, fora outros lances de erros humanos normalmente contra o Grêmio.

A ausência do AV (que do jeito que está definido, com poder pleno para os árbitros de campo e de vídeo, não é o mais adequado) neste Gre-Nal é quase uma autorização para que abram a caixa de ferramentas para neutralizar o time de melhor técnico e mais entrosado.

Poderia ser paranoia minha, e da grande maioria dos gremistas, mas o vídeo que está sendo exibido nas redes sociais indica que é isso mesmo que irá acontecer, especialmente em cima do Luan. Muito ‘chegar junto’.

ODAIR E O ‘TIRO’ EM LUAN

Serrano, parceiro deste espaço, publicou no comentário anterior o seguinte, frase que resume o que está circulando, e que deve continuar circulando para neutralizar a operação (cirúrgica?) em andamento.

O fato aconteceu durante entrevista coletiva do técnico colorado e foi comentado pelo Roger na SporTV, que lembrou o quanto Odair, quando jogador, gostava de dar umas porradas.

Vejam um trecho:

Perguntaram pro técnico deles como faz pra parar o Luan.
A resposta: “No posso te responder no microfone, eu desligo aqui e desço aí pra te dizer”.

Depois, Odair fez um gesto de quem dispara um revólver, mas não comentou mais nada. E precisa? Quer dizer, só a tiro para conter Luan.

Um escândalo! O problema do Odair é que Luan não foge do pau, e quanto mais dura a marcação, mais ele vai pra cima.

PROJEÇÃO

No clássico anterior eu escrevi que o Grêmio era favorito, mesmo no BR, porque tem um time mais qualificado e, principalmente, muito melhor  entrosado. E que o Grêmio só não venceria se a arbitragem cometesse os tais erros humanos mais contra o Grêmio.

Repito o que escrevi. Apesar da insinuação de porrada para neutralizar Luan, acredito na vitória, ainda mais se o Grêmio não recuar tanto quanto recuou no jogo anterior, chamando o adversário.

Se Arthur começar o jogo, então, penso que nem a violência e a omissão da arbitragem irá impedir nova vitória no clássico.

Imagino que o time irá começar com o esquema 4-1-3-2:

A linha defensiva de 4 e a seguinte formação do meio pra frente:

Jaílson;  Ramiro, Arthur e Maicon; Luan e Éverton.

Não tem pra ninguém (com a ressalva da arbitragem noveletiana).

Atitudes que contribuem para vitórias e grandes títulos

Existem algumas atitudes que a gente comemora quase como um título, e até mais que um título se for de uma competição menor, como o regional noveletiano.

Atitudes que marcam, que nos fazem vibrar, que nos deixam orgulhosos e que acabam se alojando num cantinho aconchegante da memória do torcedor gremista.

Um exemplo, e dos mais ecoantes, é o que aconteceu antes do Gre-Nal de domingo no BR. Não, não me refiro ao torcedor que chamou uma jovem repórter de ‘puta’ e depois a agrediu fisicamente; menos ainda à imagem patética de um torcedor colorado fazendo gestos obscenos para um grupo de meninas gremistas.

Fico imaginando como ele e as pessoas próximas se sentem vendo essa cena ridícula, grosseira e sem noção.

Intrigante é que os dois ‘torcedores’ ainda não foram localizados para responder por seus atos. A imprensa que foi ágil para localizar a guria gremistas, aquela do racismo, agora se move a passos de paquiderme, assim como a direção do clube.

Mas o caso que deixou minha alma lavada e enxaguada é o duelo Maicon x D’Alessandre. Muito orgulho do capitão tricolor (tem ainda uns que estão no mobral do futebol que ainda o questionam).

Maicon desestabilizou o inquieto argentino  com uma frase cortante e venenosa, depois de ser informado pelo Jean Pierre que haveria mais dois árbitros no jogo.

Bola picando para alguém sagaz e/ou bem instruído pelo Renato.

-Quer dizer então que hoje o D’Alessandro não vai apitar…

Foi mais ou menos isso. O galinho ficou enfezado, queria briga. Os baixinhos sempre querem briga com os mais altos, é impressionante.

Bem, D’Alessandro não apitou. Deu certo. E mais, fez um primeiro tempo horroroso, que contribuiu para a superioridade tranquila do Grêmio. Eu contei, foram uns oito passes errados, o que é muito para quem precisa articular, propor o jogo.

Engraçado, ninguém da mídia fala sobre essa atuação medíocre do D’Alessandro, que, diga-se, no segundo tempo até melhorou.

O ódio vermelho caiu apenas sobre um jogador, o Dudu. Ninguém questiona também por que deixaram o pobre guri sozinho. O que fez o técnico colorado para reforçar a marcação naquele lado, onde o Grêmio deitava e rolava? Nada. Foi um chocolate, ou um vareio como se diz lá em Lajeado, município da Grande Cruzeiro do Sul.

Então, boa parte da vitória e principalmente do primeiro tempo fantástico do Grêmio no BR lotado de colorados assustados eu atribuo ao Maicon, que também em campo foi superior, altivo, técnico e durão quando necessário.

O lance do Maicon com o argentino, na frente dos árbitros noveletianos, entra na minha galeria dos grandes momentos do futebol dentro e fora de campo, como o ‘Sascha Cuzão’, o sssshhhhhh-um minutos de silêncio, o Alan Ruiz contra o ‘idolo’ dos 400 jogos -número devidamente carimbado pelos 2 a 1 de domingo – e muitos outros que não lembro agora, mas que, com certeza, me fizeram muito feliz.

ROMILDO E O DOSSIÊ

Outro momento grandioso foi a iniciativa da direção do Grêmio em elaborar um dossiê sobre o primeiro jogo contra o Lanus, quando o time argentino foi beneficiado de forma absurda.

O presidente Romildo Bolzan e sua equipe juntaram imagens do jogo e o fato de ter um juiz argentino presidindo a arbitragem, contrariando o regulamento. O documento foi encaminhado à Conmebol e, importantíssimo, aos patrocinadores, os caras do dinheiro. Ideia Sensacional.

O Grêmio começou a vencer o Lanus com essa jogada de craque, que não aparece nas vinhetas, mas que merece ser elogiada e destacada.

Essa indignação – vista nos anos 90 na ‘guerra’ de Koff/Cacalo/Felipão contra a Parmalat – estava faltando. Pelo jeito, não falta mais.

Títulos também são conquistados assim, com ações inteligentes, fortes e destemidas.

 

Grêmio deixa de matar e sofre pra confirmar vitória

O Grêmio teve tudo para matar o jogo no primeiro tempo. Teve um domínio amplo, constrangedor para o adversário e sua torcida – não poupou vaias ao time na saída para o intervalo -, e deu a impressão até que poderia repetir aquele sonoro placar de 5 a 0. E talvez chegasse lá se Éverton, aos 47, não perdesse uma chance clara de gol, depois de passe estilo ‘toma e faz’ de Luan, o grande nome do clássico 413.

No futebol, a gente sabe, se tem chance de matar o jogo, mate, sem vacilar, sem dó nem piedade. Éverton é um atacante raro, precioso, mas peca demais nas conclusões.

Era o momento de liquidar o Inter dentro de sua casa, perante sua torcida e diante do pessoal do tal juizado do torcedor, que provavelmente não viu as agressões covardes e selvagens que a torcida gremista sofreu para ingressar no BR.

Superioridade técnica

O Grêmio começou o jogo impondo sua superioridade técnica, seu entrosamento, e o peso de três títulos, dois deles internacionais. O Inter foi submetido a um chocolate, conforme admitiu Rodrigo Dourado, após a partida, exagerando que o seu time devolveu o chocolate no segundo tempo.

O primeiro gol nasceu de um lançamento na medida de Jailson, sim, Jailson, para Bruno Cortez, que deu o tempo de bola necessário e cruzou com açúcar e com afeto para Luan, aos 23, concluir e fazer 1 a 0. Minutos depois, Luan aumentaria cobrando pênalti sofrido por Éverton, após passe de Maicon, o grande capitão.

No finalzinho do primeiro tempo, D’Alessandro, que completava seu jogo 400 – agora devidamente carimbado – expôs o desespero que se abatia sobre os colorados ao chutar Luan na linha do meio de campo, reconhecendo a maiúscula superioridade tricolor.

Aliás, o argentino fez um péssimo primeiro tempo, errando tudo, mas melhorou depois.

Gostei da frase do Edenilson, ao deixar o campo no intervalo: “A gente vê os vídeos e não consegue fazer o que precisa”.

Sonho e pesadelo

Bem, no segundo tempo, tudo mudou. O sonho gremista deu lugar a um pesadelo inimaginável diante do que havia acontecido no primeiro tempo.

O Grêmio recuou demais, o Inter foi voluntarioso, e não poderia ser diferente. Tinha de dar uma resposta ao seu torcedor.

Assim como o Grêmio explorou o lado direito da defesa colorada no primeiro tempo (Duda saiu, vítima disso), o Inter passou a jogar em cima do Madson, que até fez duas boas jogadas de ataque. Mas é frágil na marcação. O gol do Inter saiu por ali, após jogada que resultou em escanteio.

Renato até que demorou para sacar Madson e colocar Ramiro, reforçando o setor. Alisson entrou e pouco acrescentou. Mais adiante entraram Michel e Marcelo Oliveira, cuja presença não entendi. Michel entrou bem no jogo e por detalhe não saiu gol após uma investida sua ao ataque.

Curiosidade: os dois goleiros não fizeram nenhuma defesa difícil. Houve presença de área dos dois lados, mas poucas conclusões em direção à goleira.

Para os gremistas, ficou um sabor de quero mais; para os colorados, restou a esperança de que o verdadeiro Inter é o do segundo tempo, este sim capaz de fazer frente ao atual campeão da América.

Vamos agora para a etapa mata-mata. Quem vencer será campeão gaúcho.

Arbitragem

Jean Pierre fez uma arbitragem isenta, correta. Pena que se lesionou. Estava muito bem mesmo, isento como deve ser um árbitro de futebol. Pena que se lesionou. Seu substituto pegou uma batata quente, mas teve uma atuação correta.

Resta saber se nos jogos mata-mata haverá o mesmo nível de isenção, fato surpreendente em se tratando de noveletão.

 

Favoritismo, confiança e medo da arbitragem

Se a arbitragem não interferir – passar em branco como diziam os narradores de antigamente -, o Grêmio vence o Gre-Nal.

Os colorados vão dizer que é soberba gremista. Pode ser, mas é natural ficar assim quando se tem um time vencedor, entrosado e com alguns grandes jogadores.

O nome disso não é soberba: é confiança.

Nos anos 90, quando o Grêmio acumulou conquistas e vitórias inesquecíveis, um colega da redação, coloradaço, costumava dizer que nós, gremistas, éramos arrogantes.

Tempos depois, a arrogância e a soberba passaram para o lado vermelho, sentimentos que muitos colorados ainda nutrem apesar de uma queda ao abismo da segundona e uma série que outros vexames. Eu  diria que é gordura acumulada de tanta soberba.

Hoje, muitos colorados acreditam até em goleada no BR lotado, reflexo dessa soberba que neles ainda está instalada.

Bem, independente do que pensam estes ou  aqueles, eu acredito na vitória, não por soberba, mas por confiança na capacidade do time, comprovada com três grandes títulos em um ano e meio.

Do outro lado, um adversário que tenta se aprumar depois de dois anos terríveis.

Como se diz, o Gre-Nal muitas vezes serve pra arrumar a casa. Mas pode servir também para desarranjar de vez, e aí não deixo de lembrar daqueles gloriosos 5 a 0, resultado que só foi possível porque a arbitragem era de fora.

Não é caso do jogo deste domingo, que terá Jean ‘Damião’ Pierre no apito, e uma dupla de fora como arbitragem de vídeo.

Temo pelo que possa acontecer em termos de arbitragem.

 

Não ao VAR no clássico

Sei que vou contrariar a maioria, que estarei nadando contra a correnteza – embora nem saiba nadar. Mas quero dizer que sou contra o uso do árbitro de vídeo (VAR), pelo menos do jeito que está posto.

Sou ainda mais contrário ao VAR no Gre-Nal de domingo. Até o momento ao que parece não há decisão da FGF nesse sentido, mas li que os presidentes da dupla são favoráveis à essa inovação.

Até seria a favor se toda a arbitragem fosse de fora, fosse de outro Estado, outro país. O cornetadorw publicou com exclusividade um dado preocupante para os gremistas: desde 2012 o Grêmio não vence clássico pelo regional (com árbitro local).

Por outro lado, quase deita e rola no Brasileirão (com árbitro de fora) nesse mesmo período, inclusive aplicando goleadas, como aquele placar de 5 a 0, que lavou a alma tricolor.

Curiosidade: o técnico colorado nesse jogo era o atual treinador colorado. Não se lê nada a respeito disso na mídia.

Será em ‘respeito’ ao Odair?

Então, se sou contra árbitro local, por que seria a favor de VAR local?

Seria mais um a decidir sabendo que um erro grave a favor do Grêmio pode resultar numa conversinha reservada na sala do presidente da federação, como aconteceu com Diego Real, e pode ter ocorrido também com outros.

Independente disso, sou contra a arbitragem de vídeo enquanto a decisão de pedir a imagem depender dos próprios árbitros.

O Grêmio foi beneficiado, e com justiça, por duas decisões do VAR, ambas nos jogos contra o Independiente. Mas antes foi prejudicado contra o Lanus, na Arena, no lance de pênalti claro sobre Jael.

Sou a favor do VAR apenas se a solicitação puder partir do treinador, não do quadro de arbitragem, que já tem poder demais. Parece que no futebol americano é assim.

Que se coloque um número máximo de pedidos por jogo. Quem sabe dois ou três para cada equipe.

GRENAL

Com classificação garantida em oitavo lugar, o Grêmio deveria jogar com um time misto, cinco ou seis titulares.

Com isso, iria com força máxima (inclusive Luan) para os clássicos decisivos das quartas de final.

Defendo que Arthur esteja nesse time, até para recuperar suas melhores condições, pegar ritmo de jogo.

Ouso afirmar que mesmo com time misto o Grêmio tem condições de vencer o festejado (pela mídia) Inter de Odair em pleno Beira-Rio.

 

Geral punida por desafiar os intocáveis homens da Lei

O Ministério Público e o Juizado do Torcedor voltam a afrontar a torcida gremista, a maior e mais vibrante do Estado. A nova punição imposta à Torcida Geral do Grêmio – desprezando os mais elementares princípios jurídicos – demonstra desprezo pelo bom senso e, o mais grave, soa desafiadora, autoritária, como quem diz: “Aqui quem manda somos nós, não ousem nos desafiar”.

 

É o recado duro dos agentes públicos que deveriam acima de tudo zelar pela harmonia e paz nos estádios de futebol, ambiente dominado pela paixão, combustível para ações nem sempre as mais adequadas, mas que podem ser administradas se houver equilíbrio, diálogo e isenção, nunca provocação.

 

Para quem deveria lutar por menos violência no futebol e mais aceitação das diferenças, os representantes do MP e do Judiciário, ao punirem uma torcida por motivo tão ralo, tão insignificante e mesquinho num contexto de belicosidade latente e pulsante, agem de forma absolutamente provocativa. Uma reação quase infantil diante do que consideraram uma afronta o fato de torcedores terem utilizado materiais de identificação da Geral em Abu Dhabi e na Recopa, como se a punição de 60 dias de suspensão tivesse aplicabilidade no exterior.

 

Na ânsia de punir com rigor desmedido o ‘desafiador’, o ‘insubordinado’, aquele que ‘ousa nos afrontar’, os homens que deveriam educar e orientar passam a impressão de que levam o caso  para o lado pessoal, como uma rixa colegial depois da aula.

 

É um comportamento muito diferente quando os incidentes e os conflitos são relacionados ao  Internacional. Nas redes sociais há inúmeros episódios graves de tumulto envolvendo a torcida colorada, com danos materiais e agressões ( inclusive o emblemático caso do cone arremessado por um torcedor sobre um policial a cavalo), sem providências punitivas dos mesmos agentes, sempre tão zelosos quando se trata penalizar gremistas.

 

Diante disso, por entender que os dois agentes envolvidos no tragicômico ‘caso do bumbo’ se mostram muito mais decididos a entrar em confronto com a tradicional Torcida Geral do Grêmio do que a buscar o sempre recomendado diálogo aliado ao bom senso, venho sugerir que sejam nomeados novos agentes para conduzir esse trabalho junto às torcidas de futebol.

Sei, sei, sugestão devidamente arquivada.

CORNETADORW

Assustadores os dados abaixo. O Grêmio não vence Gre-Nal do Gauchão desde 2012. Já no Brasileirão aplicou até goleadas.

E aí, coincidência?

http://cornetadorw.blogspot.com.br/2018/03/os-humanos-gauchos-e-os-humanos.html

 

Renato testa esquema com quatro volantes para o Gre-Nal

O Grêmio nem precisou jogar bem pra vencer o Juventude por 2 a 0, no Alfredo Jaconi. O campo prejudicou o time de maior qualidade. Tanto que seguidamente havia ligação direta defesa/ataque. Já o Juventude parecia assustado, sem alternativa de contra-ataque. Marcelo Grohe fez uma defesa ao longo do jogo. Mais nada.

Mesmo com superioridade absoluta durante os 90 minutos, o Grêmio precisou de uma falha do goleiro Matheus logo no início do segundo tempo para abrir o caminho da vitória.

Matheus errou. Ele foi muito auto-suficiente no lance ao receber uma bola recuada em más condições. Subestimou a velocidade de Jael, quis dominar a bola em vez de dar um chutão, talvez para mostrar que sabe jogar com os pés. O fato é que ele vacilou e Jael fez 1 a 0.

O gol tornou tudo ainda mais fácil para o Grêmio, que aí sim criou algumas situações claras para ampliar, mas chegou apenas aos 2 a 0, um golaço de Madson. Jogada começou com uma enfiada de Maicon, que Ramiro cruzou na medida para o lateral concluir com categoria e precisão.

Madson

Sobre Madson: aqueles que detonaram o guri a partir de uma amostragem pequena, estão com a barba de molho. Madson jogou muita bola. Aliás, eu antecipei aqui que ele poderia melhorar quando tivesse Ramiro ao seu lado. Curiosamente, Ramiro além de ajudar na marcação pelo lado direito ainda deu o passe milimétrico para Madson, que só tende a crescer agora com moral mais elevado. Madson, o melhor do jogo.

Cícero

Não gostei. Tem sido um jogador sem sangue, sem sal. Faz um feijão com arroz razoável, raramente aparece em alguma jogada de ataque, e no combate ao adversário é quase imperceptível. Penso que o lugar dele é no banco de reservas, até que incorpore o espírito tricolor e se comprometa mais.

Posso estar sendo injusto, mas é o que ele me passa.

Classificação

O Grêmio afastou o fantasma do rebaixamento. Luta agora para confirmar sua classificação. Se pegar o oitavo lugar, e o Inter garantir o primeiro, teremos Gre-Nal na próxima fase. É o que espero. Vencer o clássico e depois ‘passear’ no Gauchão.

Mas desconfio que o Inter vai fugir desse confronto agora. Caxias e Brasil de Pelotas começaram a fuga nesta rodada. Ambos perderam.

Imaginem só: os três líderes tentando fugir do Grêmio. Vai ser hilário.

Gre-Nal

Refletindo sobre Cícero e o esquema de 4 volantes que Renato aplicou neste domingo na Serra, estou chegando à conclusão de que o técnico escalou esse time já projetando o clássico do dia 11, marcado para as 11h (será que esse horário será mantido?).

Penso que Renato pode começar o jogo com esse quadrado, saindo Cícero e entrando Arthur. Está mais do que na hora de ele jogar.

Na frente, Luan e Éverton. Se Luan não puder jogar, é possível que Renato repita Jael de titular.

Duvido que Renato mexa na dupla Jaílson/Maicon. Renato vai apostar num meio-campo forte, consistente e criativo (com Arthur dialogando com Maicon e Luan).

O jogo no Jaconi já foi um teste para o Gre-Nal, é o que me parece.

MP

É incrível como o MP é rigoroso com a Geral do Grêmio. A torcida colorada fez de tudo no ano passado, até cone jogou sobre brigadianos. Quebraram posto de gasolina e loja de conveniência, e ficou por isso mesmo.

Aí a torcida gremista leva um bumbo para um jogo no exterior e corre risco de nova punição. É o fim da picada, revoltante.

Ainda bem que o Grêmio está reagindo e não vai deixar assim.

Agora, a gente olha para a FGF, o MP e o Judiciário e tem a impressão que os colorados estão no controle de tudo. Mas é só impressão, porque são todos homens honrados, que dignificam suas instituições. E se erram mais para um lado é porque são humanos e se trata de mera coincidência.

Foco no Gauchão e na defesa da Geral

Com a pausa na Libertadores, o Grêmio pode agora focar apenas no Gauchão. Objetivo imediato é afastar o risco de rebaixamento à série B regional e confirmar sua classificação. Depois, a luta pelo título.

Sei que muita gente irá comemorar se o clube ficar no limbo, nem rebaixado, nem classificado. A ideia é com isso atingir Novelletto Primeiro e Único.

Ora, ele está largando a federação, e nada melhor que mais um título do clube do qual é conselheiro. O dinheiro da TV já está garantido, até onde eu sei. Se vai cair a sintonia sem o Grêmio será problema da emissora detentora dos direitos. Então, seria uma vingancinha muito boba.

A melhor vingança é classificar-se, atropelar os adversários conhecidos (os times) e os que vivem na penumbra, nas trevas, só esperando para prejudicar o Grêmio, e, finalmente, sair campeão no ano do centenário da FGF.

É o que eu quero. Respeito, e até entendo, quem pense diferente.

Assim, minha preocupação agora é com o jogo contra o Juventude, domingo, às 17 horas, no Jaconi.

Pelo noticiário, Luan deve ficar fora, juntando-se a Arthur. Madson é outro que sente lesão, e dificilmente irá jogar.

Tudo indica que Renato vai começar com o lateral Felipe, mas se ele estiver iluminado pelo brilho do bom senso começa com Ramiro deslocado.

No meio, Jaílson e Maicon. Não descarto a presença de Michel ao lado de Maicon, com Jaílson na função original de Ramiro pelo lado direito.

Na frente, Alisson pela direita, Thonny Anderson centralizado e Éverton na esquerda. Tudo muito simples.

Se Renato quiser simplificar ainda mais, pode começar com Jael ou Brocador. Opções ele tem.

 

Só espero que ele não insista com Cícero numa função mais ofensiva. Sua escalação contra o Juventude só se justifica na função de Ramiro. Fora isso, banco de reservas.

O importante é vencer o Juventude, e o que tiver no caminho, se é que me entendem.

GERAL

Há de chegar o dia em que o MP irá questionar/contestar algum título obtido pelo Grêmio. Ou porque a Geral foi ruidosa demais no apoio ao time em algum jogo; ou porque a charanga tocou desafinado; ou porque dispararam sinalizadores na Arena, uma reincidência inaceitável; ou porque o time jogou bem e bonito demais, causando inveja aos vermelhos da aldeia; ou porque o time agora se acostumou a papar todos os grandes títulos, deixando humilhados os rivais mais próximos.

Motivos é que não faltam. Se o MP foi capaz de denunciar um bumbo da Geral em jogo no exterior e considerar isso uma afronta à recente decisão judicial, então realmente não tenho por que duvidar em que algum dia esse pessoal que garimpa miudezas na internet para punir ‘os de azul’ vai tentar impugnar vitória ou título do TRICAMPEÃO DA AMÉRICA.

Aliás, faço questão de escrever TRICAMPEÃO DA AMÉRICA, assim como quem grita, porque sei que isso está doendo em muita gente.

Para completar, parabéns à direção do Grêmio, que emitiu nota sobre esse episódio tragicômico, garantindo que irá defender a torcida em todas as instâncias.