Segue a campanha deprimente e a fritura de talentos

Quando começou o Noveletão havia muita expectativa e, em alguns casos, entusiasmo em relação aos jovens que teriam uma sequência de jogos nas primeiras rodadas.

A gente sabe que o funil no futebol é inevitável. Esses que estão jogando venceram uma etapa, outros tantos ficaram pra trás. Então, esse grupo eleito para jogar (por bola e/ou por ‘quem indica’) está muito perto de atingir seu objetivo profissional: ascender ao grupo principal.

Mas todos nós sabemos que pela lei das probabilidades apenas uns dois ou três, se tanto, serão aproveitados agora, o restante, a maioria, vai acabar em algum clube médio/pequeno ou até voltar aos bancos escolares. É assim. É cruel, mas é assim. E isso vale para todas as profissões.

Vale também, por exemplo, para candidatos a treinador, como é o caso desse rapaz responsável por treinar o time de transição. A direção gremista cometeu um erro ao entregar esse grupo inexperiente e cheio de expectativa e ansiedade nas mão de um noviço.

Com tanto treinador experiente em Gauchão desempregado. Lembrei semana passada do Beto Almeida, mas há outros.

O fato é que o time está aí, na verdade uma caricatura de time. Eu não espero um time entrosado em tão pouco tempo, mas ao menos poderia ser um time compactado, sem essa distância entre os setores que mais uma vez se viu hoje no Passo d’Areia.

O Grêmio perdendo por 2 a 0, faltando dez minutos, e nada de fazer uma pressão, marcar a saída de bola. Instalar-se no campo adversário é o mínimo que eu esperava. O goleiro do Zequinha foi um espectador, só não privilegiado porque o que se via nesse terrível campo sintético era uma pelada deplorável.

Temos, então, o Grêmio C/D despencando na tabela de classificação e na qualidade do seu futebol. Em Ijuí, o time até que foi bem e merecia ter vencido. No segundo tempo, fez um grande primeiro tempo, caindo no segundo. No terceiro jogo, dois tempos ruins, como agora.

Time em queda livre. Espero que já na próxima rodada entre o time titular. Porque queiram ou não é o Grêmio que está jogando, ou tentando jogar.

BRASILEIRÃO

Agora, o que me assusta são os sinais que saem da Arena anunciando o Armagedon gremista no Brasileirão/2018. Há indicativos assustadores, preocupantes, de mais uma vez priorizar a Copa do Brasil em detrimento do Brasileiro. Jogaria, como no ano passado, um time B/C.

Duvido que isso aconteça, até porque sempre tem o risco de rebaixamento. Mas são os sinais apocalípticos que ando percebendo.

Lembrando que esse time proposto no ano passado em dez jogos não venceu nenhum, conquistando apenas 2 pontos.

Repito, não acredito que isso se crie.

MATHEUS HENRIQUE

Nessa frigideira com pouca banha que virou o time de transição alguns guris da base estão se queimando. Hoje, o que mais aparece com condições de subir e até brigar por um lugar no time titular é Matheus Henrique. Depois, ou ao lado dele, o Jean Pyerre.

Os demais estão sendo fritos em pouca banha, conforme previ que aconteceria se não houvesse uma troca de comando no time.

Duvido que com Renato essa gurizada não apresentaria mais regularidade positiva.

Sobre Matheus Henrique, que era conhecido como Matheuzinho, é preocupante o fato de que ele, há três anos, foi dispensado. Ainda bem que foi trazido de volta. Ele estava no São Caetano

Importante saber quem foi o gênio que o dispensou e, principalmente, que foi o responsável por trazer esse talento de volta.

PADRINHO

Outra questão, quem é o padrinho do técnico César Bueno, que hoje culpou o campo sintético pela derrota.

JUIZ

O segundo gol do Zequinha foi marcado por um jogador que estava em posição de impedimento. Um lance difícil para o bandeirinha. Mas de novo temos ‘na dúvida contra o Grêmio’. E assim vai o Noveletão.

Se gostou, compartilhe!