Copinha em São Paulo

Finalmente, consegui ver o Grêmio na copinha em São Paulo. Vitória por 2 a 0 sobre o Juventus.

É um time bem estruturado, mas que apela muito para o chutão. Trabalha pouco a bola no meio. Abusa de recuar a bola para o goleiro mesmo a partir do campo ofensivo. E tem um ataque chega, mas que conclui pouco e mal.

Prova disso: o goleiro adversário quase não trabalhou, apesar do maior volume de jogo do Grêmio, em especial no primeiro tempo.

Costumo ver esses jogos da base pensando em quem pode ser aproveitado agora ou mais adiante no time principal.

Quem primeiro me chamou a atenção foi o goleiro Jota (Jonathan). E isso antes de ele salvar o time no segundo tempo com três defesas sensacionais (uma delas um chute à queima roupa, cruzado, da risca da pequena área). Gostei da qualidade com que repõe a bola em jogo. Lembrou-me o Rogério Ceni. Seus chutões são direcionados e caem normalmente em boas condições para os atacantes.

O zagueiro Rafael (é promissor) fez o primeiro gol, pegando um chute torto de rebote. O Grêmio teve total controle do jogo no primeiro tempo. No segundo, o Juventus assustou, mas o Grêmio sempre foi melhor. Atacou mais, mas com poucas conclusões perigosas. O Juventus chegou menos, mas obrigou o goleiro Jota a grandes defesas.

Gostei muito do lateral-direito Tinga, do volante Misael (mas sem entusiasmo), do meia paraguaio Fabian, do atacante Calyson e de Ruan, que veio do Sport Recife e que entrou nos minutos finais, marcando o segundo gol após iniciar a jogada com dribles.

O Grêmio agora pega o Fluminense, que vi em parte pela manhã. Venceu o Bahia por 1 a 0, gol de cabeça de seu centroavante grandalhão.

Vai ser um jogo difícil, sem dúvida. Se o Grêmio não melhorar nas conclusões no ataque volta mais cedo, de novo.

INTER

O Inter começou mal o torneio, mas na hora decisiva, como normalmente acontece na Copinha, começa a crescer. Bateu o Barueri e pega o Coritiba, que venceu o Mirassol. Bateu o time paulista, que fez 100% na primeira fase, por 3 a 0

Um dos destaque do time colorado é o Cláudio Winck, que não é meu parente, pelo que me consta. É filho do Sérgio Winck. Esse guri tem um baita potencial. Ele fez um gol cobrando falta, que é uma de suas credenciais.

Se gostou, compartilhe!