Ainda mato um técnico, mas não é o Renato

Felizmente, a escalação que era anunciada com Lúcio jogando de volante ao lado de Adilson não foi confirmada. Resultado: 4 a 2 em cima do São Paulo.

Renato manteve o esquema com três volantes, o que venho defendendo aqui há muito tempo e que foi usado contra o Atlético Mineiro. Improvisou o zagueiro Wilson, que ele conhece bem, como primeiro volante, adiantando Adilson e completando com Lúcio. Douglas, assim, ficou mais livre para criar.

Foi com essa formatação que Silas viveu seu melhor momento no Grêmio. Era Adilson, Maylson e W. Magrão. Fora disso é invenção.

Renato, portanto, está mostrando que não é como Silas: sabe por que ganha, e sabe por que perde.

Fora isso, Renato mostra também que é criativo. Gosto de técnicos com criatividade, que ousam, mas desde que em cima de um esquema que privilegie o sistema de marcação.

Posso estar enganado, mas acho que foi a melhor partida do Grêmio. Forte na defesa, consistente no meio e efetivo na frente. No segundo tempo, ao contrário de outros jogos, não houve maiores sobressaltos. Ninguém morreu do coração. E isso é um ótimo sinal. Um sinal de que o time está se consolidando, e isso começa com a definição, finalmente, por um esquema com três volantes.

No final, Renato declarou que demorou um pouco, mas achou o esquema adequado. E o esquema adequado, amigos, é esse que defendo há horas: três volantes. Os nomes a gente vê depois. Mas ainda prefiro Adilson, Maylson e W. Magrão (ou F. Rochemback).

Além de resgatar a auto-estima da torcida e do próprio time com a vitória dentro de casa, e sobre um time forte como o SP, o jogo serviu para dar mais moral para o centroavante André Lima, que agora só tende a crescer.

Quando Jonas ia mal do Grêmio, a ponto de ficar na reserva do decadente Alex Mineiro na Libertadores do ano passado, eu dizia aqui que ele precisava de sequencia, de alguns gols, para ganhar moral, porque talento sempre teve.

Centroavante sem moral, sem auto-confiança, não existe. Morre por falta de gols.

Gostei também o Gilson na lateral-esquerda. Acho que deu por Fábio Santos.

Paulão na zaga foi soberbo. Gostei também do Wilson como cabeça de área. É uma alternativa. Méritos do Renato.

A criatividade que Renato tinha como jogador, mantém como técnico. É só cuidar para não cruzar a linha que pode torna-lo um inventor.

A meu ver foi pênalti do Paulão, que enfiou a perna no Marlos. Também foi Pênalti do Cléber, que tocou o braço na bola de propósito.

Registro ainda a falha de Ceni no gol de Diego Clementino. E isso que o pai de Ceni não é gremista, é colorado.

SAIDEIRA

O Inter levou 2 a 0 do Palmeiras. O time estava desfalcado, jogava fora de casa. Natural a derrota. O problema é que Renan falhou de novo. Justifica, assim, a angústia dos colorados. O Inter não tem um goleiro realmente confiável. Agora entendo porque muitos colorados, todos que conheço, gostariam de ter Victor. Bem, aí só daria Inter no futebol mundial e interplanetário.
Ah, os secadores do Felipão começam a morder a língua.

Se gostou, compartilhe!