Treinadores: ainda mato um

Treinadores, treinadores. Ainda mato um, dizia um antigo dirigente do Guarani de Campinas, Beto Zine, se não me engano. O Noveletto andou repetindo esse mantra por aqui.

Vejamos o caso do Silas. Ele foi vaiado, chamado de burro. Primeiro, pela torcida do Grêmio. Agora, pela torcida do Flamengo.

“As críticas não foram para mim, é a cultura do futebol”, disse, após o jogo em Goiânia. Ele começou, vejam só, com cinco volantes. Aqui, gostava de jogar com dois.

Depois, arrogante, ainda comentou que ele não joga, não faz gol contra, uma referência ao gol contra de Jean. Que caraterzinho…

Todos os jogadores foram solidários ao zagueiro. Quer dizer, Silas está pela bola sete.

Aliás, Silas está confirmando o que escrevi aqui: é mau treinador e dificilmente será destaque nessa profissão. É o tipo que não sabe por que ganha, nem por que perde. Bem, talvez um dia aprenda.

O Fidel Castro não reconheceu, depois de meio século, que seu regime fracassou?

Ainda sobre treinadores. Começo a desconfiar que Renato Portaluppi segue a linha do Silas, ou seja, não sabe por que as coisas acontecem. Por enquanto, é só desconfiança.

Mas pode ser que ele seja um técnico do tipo ‘intuitivo’.

Contra o SP, hoje, ele volta ao esquema de dois volantes, sendo que um deles é um lateral improvisado, o Lúcio, que recém voltou de longo afastamento e não é mais guri. Na esquerda, ele coloca Gilson, finalmente na sua posição de origem.

É claro que essa invenção de Lúcio como segundo volante não vai dar certo. Se ele começasse com o Maylson no lugar do Roberson penso que haveria mais equilíbrio. E aí Lúcio poderia render mais, completando o setor com Adilson.

Agora, vai gostar do Roberson assim…

Treinadores, treinadores…

Se gostou, compartilhe!