Causas da crise gremista

Sempre que alguém me pergunta o que está acontecendo com o Grêmio, eu vacilo, olho pro lado, assobio, e tento seguir em frente ou mudar de assunto.

Se insistem, peço mais um chopp e arrisco uma explicação com base na minha experiência como repórter esportivo e observador das coisas que envolvem a dupla Gre-Nal há mais de 30 anos.

Assim, ouso enumerar aspectos importantes e que ajudam a explicar o que está acontecendo no clube já há alguns anos:

1 – um quadro social influenciável por velhos caciques, vencedores no passado e que hoje, em boa parte, estão afastados, só aparecendo em determinados momentos, como em processos eleitorais, a exemplo do que aconteceu na última eleição, para alçar ao comando os seus escolhidos;

2 – um corpo de conselheiros acomodados, em sua grande maioria, e que fazem qualquer coisa para não perderem seus postos, mesmo que isso resulte em prejuízo do clube que dizem amar, que consideram sua religião, etc. São as vaquinhas de presépio, que dizem amém ao que dita a diretoria, embora, muitas vezes, fora das assembléias, se transformem em touros sanguinários criticando (em blogs e programas de rádio e TV) duramente determinados dirigentes, em especial aqueles não afinados com o seu grupo;

3 – um clube dividido em vários grupos, uma colcha de retalhos mal costurados. Gente que se aglutina algumas vezes por interesses partidários (PT, PMDB, DEM, PC, etc), afinidade pessoal, e principalmente em torno de determinados caciques, como ex-presidentes, muitas vezes até por uma questão de gratidão a quem os indicou para o Conselho Deliberativo ou para algum cargo na diretoria;

4 – uma diretoria composta por integrantes de grupos que lhe dão sustentação política, como se o clube fosse um órgão público, onde o comando é loteado para satisfazer a ânsia de poder e de vantagens dos partidos. Então, acontece de existir numa mesma diretoria gente que não se suporta, gente mais preocupada em ocupar espaço e puxar o tapete de ‘colega’. É onde ciúme e vaidade são sentimentos comuns, superando em muito o espírito de doação, de abnegação e de um autêntico interesse de servir. Em função disso, acontece de pessoas despreparadas (por vezes desonestas, o que no futebol até pode ser virtude no futebol dos dias que correm desde que não sejam também incompetentes) assumirem cargos importantes, contribuindo para o fracasso;

5 – o grupo, ou os grupos, que por ventura ficam de fora dessa diretoria ‘frankestein’ ainda tentam disfarçar, mas em alguns casos, talvez na maioria, torcem descaradamente pelo fracasso de quem está no poder, não raro repassando informações à mídia que comprometam a gestão, colocando gasolina no fogo.

6 – é importante frisar também que os clubes de futebol atraem todo o tipo de pessoas, nem todas bem-intencionadas. O volume de dinheiro que gira no futebol é um chamariz e pode seduzir até mesmo indivíduos que nunca cometeram deslize ético ou moral. Ao mesmo tempo, os clubes, em especial os grandes como o Grêmio, podem servir de vitrine e trampolim profissional e político, desde que o indivíduo tenha sucesso como dirigente, é claro. Caso contrário, perde o clube e perde o sujeito que pretendia usar o clube como alavanca profissional, política ou comercial;

7 – agora, tudo o que está referido acima (que existe também no Inter e em outros clubes em maior ou menos intensidade) cresce ou diminui de importância se o clube tiver no comando pessoas realmente capazes, conhecedoras de futebol, aptas a exercer o poder com autoridade, sem desprezar o diálogo, com capacidade de aglutinação e liderança, mas acima de tudo com personalidade e pulso firme diante de situações difíceis. Dentro do regime presidencialista que caracteriza o clube de futebol em geral, quem dá o tom, como o maestro que rege os músicos, é o presidente.

Cabe ao presidente escolher seus comandados, seus músicos. O problema hoje é que cada ‘partido’ da tal sustentação tem nomes a indicar, e ai do presidente que ignorar as indicações.

O clube é sempre o reflexo de quem o preside; se o presidente for apático, sem força e vontade para mudar o rumo das coisas, do tipo ‘laissez faire,laissez passer,le monde va de lui-même’, que significa mais ou menos ‘deixai fazer,deixar passar,o mundo caminha por ele mesmo’, o presente se torna tumultuado e o futuro sombrio.

Um presidente desse tipo pode afundar o mais poderoso dos clubes de futebol.

O que escrevi talvez não explique tudo, mas não tenho dúvida de que ajuda a entender não apenas o atual momento do Grêmio, mas o que aconteceu nos últimos anos e o que ainda pode ocorrer se não houver uma mudança ampla e profunda no clube, que, ainda por cima, vive uma crise de bons nomes para assumir cargos de comando.

Se gostou, compartilhe!