Grêmio só empata em jogo para somar três pontos

Para quem começou o jogo sofrendo gol quando o time ainda estava no vestiário, o empate com o Rosario Central na estreia na Libertadores/2019 não foi um mau resultado. Afinal, não é fácil correr atrás depois de levar gol logo de saída de um time argentino, ainda mais na casa dele.

Mas nos minutos seguintes ao gol do Rosario – ocorrido aos 3 minutos -, quando o Grêmio parecia sonolento e praticamente não havia tocado na bola, o que se viu foi a superioridade e uma série de gols perdidos pelo tricampeão da América. Portanto, o empate por 1 a 1 não foi um bom negócio para o tricolor.

Após levar o gol, o Grêmio ‘entrou em campo’. Foram criadas boas chances de gol, algumas daquelas imperdíveis, tipo o tal ‘gol feito’ que os narradores costumavam dizer. Neste aspecto, ninguém superou Felipe Vizeu, que já mostrou ter condições de ser titular, mas que nesta noite abusou de desperdiçar oportunidades.

Quem acabou salvando o time de estrear com derrota foi Éverton. Aos 13 minutos, ele recebeu uma bola virada por Marinho – muito boa atuação, além de ser o alvo preferido das chuteiras assassinas -, driblou dois e chutou cruzado na saída do goleiro Ledesma, para mim o maior destaque do jogo porque fez duas ou três defesas ‘milagrosas’.

Sobre goleiro, Paulo Victor não falhou no gol de Zampedri, mas era bola defensável para um goleiro com mais agilidade e reflexo. Penso que ele levou o gol porque estava ainda frio, pode ser. Depois, ele se redimiu com duas boas defesas e intervenções seguras.

Não gostei no Grêmio, além dos irritantes ‘gols perdidos’, foi da marcação no meio de campo. Ramiro faz falta neste aspecto. O time tem um ganho ofensivo com Marinho, mas perde defensivamente na comparação com Ramiro. Fora isso, a dupla Maicon/Rômulo mostrou desarmonia na marcação. Talvez com mais alguns jogos eles se acertem. Michel fez falta.

No segundo tempo, com o jogo morno e se encaminhando para o final, Renato sacou Luan, muito apagado, e colocou Matheus Henrique, que deu mais dinamismo ao time. E quase marcou um gol logo em sua primeira participação.

André entrou no lugar de Vizeu, seis por meia dúzia. Jean Pierre entrou no lugar de Maicon (vejam, dois pilares técnicos do time saíram com o jogo ainda indefinido, o que é raro). Também ele quase marcou, ao cobrar uma falta na trave do goleiro na reta final da partida.

É Renato preparando a renovação do time e sinalizando que ninguém joga por carteiraço.

Na terça que vem, é o Libertad, 21h30, na Arena. O time paraguaio lidera o grupo H em função dos 4 a 1 sobre o Universidad Catolica.

GEROMEL

Geromel acertou uma cotovelada, na verdade quase um carinho mais rude, no atacante Zampedri ao final do primeiro tempo. O argentino foi pra cima e os dois levaram amarelo.

A gente sabe que Geromel não é de fazer esse tipo de coisa. No segundo tempo, quando Zampedri estava sentado em campo, esgotado, prestes a ser substituído, Geromel se aproximou e pelo gestual pediu desculpas ao adversário, que aparentemente as aceitou. E segue o baile.

Se gostou, compartilhe!