A realidade e o mundo da fantasia

Desde que tomou assento no panteão dos clubes brasileiros campeões do mundo o Inter, em todo começo de ano, vive a fantasia de que irá repetir temporadas vitoriosas.

Por exemplo, voltará a ser campeão brasileiro. Essa tem sido uma obsessão colorada, amparada e cobrada inflamadamente por setores da imprensa, inconformados com a realidade – como se sabe a realidade muitas vezes entra em conflito com sonhos e delírios, ainda mais no futebol – cruel de ter festejado o último título do Brasileirão em 1979. É muito tempo. Lá se vão, assim como num piscar de olhos, 35 anos. 

Falcão, grande craque daquele time, virou treinador, depois comentarista, voltou a ser treinador, etc. Da cabeleira loira e esvoaçante restaram uns poucos fios, que Falcão insiste em conservar, talvez como lembrança dos velhos tempos de craque dos gramados. Ênio Andrade, o mestre, faleceu faz tempo.

Batista, outro destaque daquele time que tinha ainda Mauro Galvão, Jair, Valdomiro, Mário Sérgio e Benitez, segue por aí, azucrinando a vida dos gremistas com seus comentários com forte tom vermelho.

Neste ano, o Inter inovou. As notícias ufanistas em torno do clube, com projeções para lá de otimistas, algumas vislumbrando o time vencendo outra Libertadores – neste ano ao menos isso ficou de fora dos devaneios – e, acima de tudo, e sempre, o tetra campeonato brasileiro, foram consideradas insuficientes.

Claro, os jogadores colorados continuam sempre os mais valorizados e cobiçados. Anderson, de futebol apagado no ano passado, de uma hora pra outra, recebeu proposta de 25 milhões de reais do tuebol chinês. A proposta em si já é fantástica, mas como adjetivar a recusa?

Livra-se um salário altíssimo e ainda pega uma grana. Mas não, o Inter em sua Terra do Nunca quer mais, quer 42 milhões de reais por Anderson.

Curioso é que ninguém se aventura a pedir que o Inter mostre um documento com a proposta essa de 25 milhões para acabar com os comentários – inclusive de colorados – de que a proposta não existe de fato.

Ainda dentro dessa linha de dar um ‘up’ nas coisas do Inter, projeta-se agora que Andrigo será a grande afirmação de 2016. Ninguém arriscou-se a prognosticar um valor pelo seu passe, mas eu imagino que possa rivalizar com a ‘proposta’ de 100 milhões de reais por Rodrigo Dourado.

O mundo da fantasia criado em torno do Inter já não era suficiente. O Inter acabou mergulhando de cabeça na ilha da fantasia, com direito a desfile e tudo na terra de Mickey, Pateta, Donald e cia. 

O resultado na Florida Cup, vencida pelo Atlético Mineiro de Diego Aguirre e seu preparador físico ‘incompetente’, ficou em quinto plano.

A avaliação do clube é que ‘a internacionalização da marca ficou acima das expectativas’, mesmo considerando que a média de público nos jogos do torneio ficou em torno de mil e poucas almas, contando os pipoqueiros. Esse é um detalhe irrelevante dentro de uma pauta otimista.

Tampouco interessa o fato de que o clube teve prejuízo nessa investida. Pouco importa se ‘não houve resultados financeiros’, eufemismo utilizado para prejuízo, que, além de financeiro, pode ser técnico em função de uma pré-temporada fora dos padrões.

Quem se deu bem mesmo foi D’Alessandro. O midiático meia aproveitou o clima festivo e surreal para testar sua habilidade chutando a bola oval. Não faltou alguém para comentar que o argentino poderia arriscar uns chutes no futebol americano.

Duvida aparece uma proposta milionária na mesa mágica do presidente colorado, já com jeito de novo Rei Midas.

39
Deixe um comentário

Please Login to comment
0 Comentários
0 Respostas
0 Seguidores
 
Comentário mais recente
Comentário mais popular
0 Comentaristas
Recent comment authors
  Seguir discussão  
novos antigos
Notify of