A batata quente do favoritismo

O favoritismo no futebol vale apenas até que a bola comece a rolar.

Por isso, essa discussão sobre quem é favorito ainda mais num clássico é sem muito sentido. Serve para apimentar debates em bares, em programas esportivos, colunas de jornal, etc.

No Gre-Nal, normalmente ninguém quer assumir o favoritismo, mesmo quando ele aparentemente é muito claro. O que não é o caso do jogo deste domingo.

As duas equipes vão praticamente iguais.

O fato é que o favoritismo é uma batata quente que ninguém quer segurar pra não queimar as mãos.

Normalmente, quem é favorito, e assume esse favoritismo internamente, entra de salto alto, enquanto o outro, envenenado pelo que lê e escuta, não admite ser considerado inferior e entra mordido.

Já aconteceu muitas vezes esse tipo de coisa.

Treinadores e dirigentes chegam a pendurar no mural do vestiário páginas de jornais e a destacar o que dizem determinados colunistas mais influentes na preleção e nas conversas com os jogadores.

É uma pilha a mais no time que vai entrar em campo. ‘Olha o que estão dizendo de nós?”

Por isso, desconfio das intenções de algumas pessoas quando apontam o favorito.

Nos últimos dois ou três dias chegou a se armar uma onda no sentido de que o Grêmio é o favorito por ter um time mais pronto e que enfrentou com sucesso desafios maiores.

Contra esse argumento pífio, há a campanha do Inter bastante superior no Gauchão.

Há, ainda, colunistas, analistas e torcedores que simplesmente não gostam de Abel e tentam diminuir seu trabalho.

Nas entrevistas coletivas de sexta-feira os dois técnicos colocaram as coisas no lugar. Tanto Enderson como Abel destacaram a melhor campanha do Inter no Gauchão e que diante disso se houvesse um favorito, este seria o Inter, não o Grêmio.

É claro que os dois falam em termos de título, de dois jogos.

Pra mim, por jogar em casa e com muito maior torcida, o Grêmio tem leve vantagem, apesar da preocupação com a Libertadores. Tem ainda a questão da arbitragem, muitas vezes decisiva.

Querendo ou não, o jornal ZH, edição de sexta-feira, condicionou o juiz Leandro Vuaden ao publicar página inteira sobre o lance de mão do Paulão no clássico anterior, um assunto mais do que superado.

O jornal poderia lembrar, então, para equilibrar, o pênalti não marcado sobre Pará. Ou, mais remotamente, a lesão de Mário Fernandes num Gre-Nal em que Vuaden sequer deu cartão amarelo para o zagueiro Jackson. Seria mais neutro, mais isento. Bem, vamos ver como Vuaden vai reagir.

Ah, temo ainda o que fará Vuaden diante de uma eventual cantoria que possa ser considerada racista. Pra não ficar atrás de Márcio Chagas, que virou popstar, acho que ele irá interromper o jogo, chamando a atenção de todo o Brasil. E isso pode lhe render programas como o do Jô ou da Fátima na Globo.

Já no jogo da volta, a tendência é de favoritismo colorado.

Mas aí vai depender também de outro fator: o resultado deste domingo.

Bem, o segundo Gre-Nal é outra história. Tudo pode acontecer, como sempre em cada Gre-Nal.

Certo mesmo é que também no segundo clássico ninguém irá querer segurar a batata quente do favoritismo que,  inevitavelmente, voltará a ser jogada no colo dos dois clubes.

118
Deixe um comentário

Please Login to comment
0 Comentários
0 Respostas
0 Seguidores
 
Comentário mais recente
Comentário mais popular
0 Comentaristas
Recent comment authors
  Seguir discussão  
novos antigos mais votados
Notify of