Jô e o erro coletivo de avaliação no RS

Jô foi um erro coletivo de avaliação da gauchada.

O Inter o dispensou apoiado pela imprensa e pela torcida, que vaiava o jogador a simples menção de seu nome.

Não lembro de ninguém erguendo o dedo para pedir a palavra e defender o Jô.

Lembro que ele desembarcou precedido de bom conceito. Eu mesmo lembrava dele no Corinthians, um atacante rápido, passadas largas, boa técnica. Chegou a ser convocado, o que em muitos casos, como se sabe, significa apenas que se tem um bom empresário. Mas era bom o Jô.

Foi contratado para substituir Damião, que seria vendido. O tempo passa, o tempo boa, e a poupança Bamerindus continua numa boa… – gostava desse musiquinha.

Passou o tempo. Jô foi reprovado, banido do Beira-Rio foi fazer gols com a camisa do Galo.

E Damião continua no Beira-Rio. Claro, sempre com milionárias propostas que não se materializam.

Damião é um grande centroavante. Assim como Jô, que deve continuar festeiro, mas agora com tranquilidade para empilhar gols.

Ocorre que Jô encaixou no Atlético, onde teve parceria de qualidade para mostrar que é goleador com ou sem as barangas.

Agora, na Seleção, onde foi parar até por falta de opções melhores e beneficiado pela lesão – vejam que ironia – daquele que um dia deveria substituir no Inter, Jô está começando a tomar conta da posição.

Fred, sem dúvida, é um matador. Mas um matador cansado. Demora demais para sacar a arma, embora ainda mantenha a pontaria dos velhos tempos.

Jô, não. Jô é rápido e, o que é muito importante, parece que nasceu para vestir a amarelinha. Tem sorte.

Neymar fez aquela jogada sensacional no finzinho do jogo, depois que o México deu  um sufoco na seleção mostrando que o sistema defensivo brasileiro é frágil, e serviu Jô com açúcar e com afeto.

Fred saiu minutos antes. Neymar poderia ter feito a jogada GENIAL minutos antes. Mas não, parece que ele esperou Jô entrar para driblar a marcação com a facilidade dos craques, um lance que deve ter feito a direção do Barcelona estourar champanhes. Sorte do Jô. Infelicidade do Fred.

Jô jogou muito menos tempo que Fred e marcou duas vezes. Não é um centroavante inquestionável, mas tem estrela.

Talento mesmo tem o Neymar.

Penso que depois do jogo de hoje, aqueles que não conseguem admitir que ele é craque já não lotam uma Kombi.

Desconfio que o meu amigo Wianey será o último a desembarcar.

Mas vai sair resmungando. “ESTE Neymar sim é cra…Digo, é um grande jogador”.

Como se existisse outro Neymar.

O CRAQUE E O ESCORRAÇADO

http://globotv.globo.com/rede-globo/copa-das-confederacoes/v/gol-do-brasil-neymar-faz-linda-jogada-e-toca-para-jo-ampliar-aos-47-do-2o-tempo/2643971/

Se gostou, compartilhe!