Os colorados e o RG

É impressionante o que tem de colorado preocupado com as finanças do Grêmio a partir da contratação de Ronaldinho Gaúcho.

Ontem fui abordado por um colorado daqueles que até os olhos são vermelhos. Um colorado veterano de guerra, daqueles que sofreram na década de 60, tiveram orgasmos múltiplos nos anos 70, sofreram forte abalo em 1981 e em 1983, padeceram no inferno na década de 90 e hoje se recuperam do golpe desfechado pelo Mazembe.

– Bah, mas é um risco grande demais trazer um jogador pra ganhar um milhão e meio de reais por mês. E como é que vão ficar os outros jogadores? Olha, vai ser ruim pro Grêmio isso, hein?

Imagino que os frequentadores deste boteco já tenham deparado com esse tipo de figura: na verdade, um colorado angustiado, temeroso, assustado com o salto que o Grêmio poderá dar com Ronaldinho Gaúcho.

É claro que esse salto vai depender do jogador. Se RG decidir voltar a jogar futebol e largar a vida de boemia, de pagode, o Grêmio está fazendo um grande negócio. Caso contrário, o resultado poderá ser catastrófico.

E aí nós encontraremos colorados nas ruas, nos microfones e nos jornais exclamando felizes, sorriso de orelha e orelha:

– Eu não disse?

Tem muita gente torcendo para que RG continue pagodeiro.

Mas eu estou convencido que RG vem pra fazer aquilo que ele sempre fez de melhor: jogar bola.

Não fosse assim, ele iria para outros pagos.

Se gostou, compartilhe!