Política de novo, mas no futebol

O Grêmio tem tantas correntes, mais até do que os fantasmas que assombram velhos castelos, que eu me confundo. Nunca sei exatamente quem é quem.

Ontem, ao participar do Cadeira Cativa, na Ulbra TV, sentei ao lado do Homero Bellini Jr (que é a identidade secreta do Ernani Campello, de tão parecidos). Perguntei de cara qual é a facção dele. Grêmio Independente, ele respondeu.

O GI vai compor a nova diretoria ao lado do grupo liderado pelo Paulo Odone, que eu não sei exatamente qual é, mas acho que é o Grêmio Novo. Não sou muito ligado nisso.

Descobri que uma proposta do grupo vencedor, o Renova Tricolor (composto por Grêmio Independente, Grêmio Novo, Grêmio Sem Fronteiras e Grêmio Democrático) é de que o comandante do futebol gremista seja um vice-presidente, com assento no tal Conselho Administrativo.

Aparentemente é pouco, mas isso significa que o homem do futebol poderá participar das reuniões do CA, interagindo diretamente com o cara das finanças, da administração, etc.

Levei um susto quando soube que isso não acontece hoje, porque o homem do futebol não faz parte desse seleto grupo. Um absurdo que explica em parte o que acontece com o Grêmio.

Alguém consegue imaginar o Fernando Carvalho, homem forte do futebol, não debatendo diretamente com seus companheiros de diretoria?

Aliás, um aparte rápido: continuo apostando que FC será presidente do Inter, entrando no vácuo da disputa dos três nomes hoje cotados. Antes, seu projeto era o Clube dos 13, que ficou com o FK. Agora, só lhe resta o Inter.

Mas voltando ao Grêmio: o vice de futebol será mesmo Antonio Vicente Martins. O projeto é que ele fique acima de gente profissional no futebol. Não deve haver mais diretor não remunerado no futebol gremista.

Até aí tudo bem. Resta saber quem serão os indicados.

Já houve isso num passado recente, e os resultados não foram melhores.

Remunerado ou não, o que interessa é a competência e a honestidade.

Se gostou, compartilhe!